Brasília-DF,
22/SET/2017

Com documentários em alta no cinema nacional, 'Cinema novo' e 'Curumim' chegam à cidade

Saiba mais sobre os longas. Também estão entre as estreias da semana os filmes '13 minutos', 'Fora do rumo' e 'Indignação'

Diminuir Fonte Aumentar Fonte Imprimir Corrigir Notícia Enviar
Publicação:04/11/2016 06:21Atualização:03/11/2016 15:14
O documentário 'Cinema novo', de Eryck Rocha, foi exibido em Cannes e na abertura do Festival de Brasília (Primeiro Plano/Divulgação)
O documentário 'Cinema novo', de Eryck Rocha, foi exibido em Cannes e na abertura do Festival de Brasília
O documentário está em alta no cinema nacional. Este fim de semana marca a chegada de dois longas do gênero às telas da cidade: Cinema novo, de Eryck Rocha, e Curumim, de Marcos Prado.
 
Em Cinema novo, Eryck destrincha o movimento homônimo, que teve em Glauber Rocha um dos grandes expoentes. Uma cena do clássico Deus e o Diabo na Terra do Sol, com Yoná Magalhães e Geraldo del Rey, abre o documentário.
 
 
 
O longa ainda dá ao espectador o prazer de ver — ou rever — cenas de obras, como O padre e a moça (1965), de Joaquim Pedro de Andrade, e São Bernardo (1971), de Leon Hirszman. 
  
Confira os horários de Cinema novo e Curumim.
 
Além disso, o filme exibe imagens de bastidores de artistas da importância de Arnaldo Jabor, Leon Hirszman, Luis Carlos Barreto e Cacá Diegues.
 
Marcos Prado assina Curumim. O título do filme remonta ao apelido de Marcos Archer, brasileiro condenado à  morte por tráfico de drogas na Indonésia. A execução de Archer aconteceu em janeiro de 2015. O rapaz foi preso ao tentar entrar naquele país com 13,4kg de cocaína escondidos em uma asa-delta.
 
 
 
Curumim nasceu do pedido que o próprio Archer fez a Prado. Muitas das imagens foram gravadas durante o período em que Archer ficou preso e enviadas ao cineasta. O curioso é que o longa foge de um possível tom panfletário ao mostrar, logo na primeira sequência, o próprio Archer assumindo que entrou no país com a droga. O homem que aparece em Curumim poderia ser depressivo ou revoltado. Mas mostra-se, muitas vezes, bem-humorado e um exímio imitador de ídolos, como Michael Jackson.


Outras estreias
 
 

13 minutos
Adolf Hitler parece ser um tema que não se esgota para Oliver Hirschbiegel. Depois de assinar A queda – As últimas horas de Hitler, ele volta ao personagem neste 13 minutos. Agora, ele traça a biografia de Georg Elser, homem que tentou matar o líder nazista em 1939. O atentado acabou mal sucedido porque Hitler saiu do local onde estava escondida uma bomba justamente 13 minutos antes de o artefato explodir. O roteiro, em flashback, trata de apresentar Elser ao público.
 
 
 
Fora do rumo
Alguns atores têm um estilo próprio que, gostemos ou não, acaba se tornando sinônimo de um estilo. Para o bem ou para o mal, Jackie Chan é um deles. O astro de filmes que misturam comédia e ação está de volta em Fora do rumo, filme de Renny Harlin (Duro de matar 2) que também traz Johnny Knoxville e Bingbing Fan no elenco. Chan vive o detetive Bennie, que está na cola há muitos anos de Victor Wong, que sequestre a sobrinha dele. Para livrar a jovem das garras do inimigo, Bennie terá que convencer outro desafeto, que tenta incriminar há anos, a ajudá-lo. O apostador americano Connorr Watts. A ideia do detetive é levar Watts a Hong Kong, onde está Wong, e convencê-lo a interceder junto ao bandido pela liberdade da jovem.
 
 
 
Indignação
Premiado no Festival de Sundance deste ano, o filme de estreia do diretor James Schamus traz  Logan Lerman como um jovem judeu que, no início da década de 1950, entra para a tradicionalista universidade Winesburg, em Ohio. Ele enfrenta preconceito a antissemitismo e repressão sexual até que se envolve com a filha de um ex-aluno da instituição.


COMENTÁRIOS

Os comentários são de responsabilidade exclusiva dos autores.

CINEMA

TODOS OS FILMES [+]

EVENTOS






OK

BARES E RESTAURANTES