Brasília-DF,
19/AGO/2017

Brad Pitt e Marion Cotillard protagonizam 'Aliados' com entrosamento

Robert Zemeckis dirige o longa que mescla ação com romance

Diminuir Fonte Aumentar Fonte Imprimir Corrigir Notícia Enviar
Ricardo Daehn Publicação:17/02/2017 06:11Atualização:16/02/2017 14:50

Trama de 'Aliados' demora a decolar, mas agrada
 (Reprodução/Paramount)
Trama de 'Aliados' demora a decolar, mas agrada

 

Crítica Aliados 3 estrelas

 

 

Recentemente, em trabalhos como A travessia e O voo, o diretor Robert Zemeckis fez valer aspectos bastante ressaltados na filmografia: superação e sentimentalidade. Em Aliados, sente-se falta do primeiro elemento e, ao final, Zemeckis exagera na sentimentalidade sem dizer que, para um filme de espiões passado em meio à Segunda Guerra, falta mais agito esperado, ao estilo de quem emplacou sucessos como Tudo por uma esmeralda e De volta para o futuro.

 

Confira em que horários este filme está passando.

A trama de Aliados, iniciada ao Norte da África, traz o oficial da inteligência Max Vatan (Brad Pitt, ainda sem aparentar o peso de cinquentão), nascido no Canadá, próximo da mais nova parceira —  Marianne Beausejour (a francesa Marion Cotillard, sempre convincente). Ao estilo do clássico Casablanca, haverá a equação: um casal, um avião, um piano e uma decisão de vida. Mas, nisso, a trama já estará avançada. Aliás, a montagem cansativa —  com muitos avanços de tempo —  faz lembrar coisa de novela.

 


Num estilo coerente, o roteiro de Steven Knight (Senhores do crime e Coisas belas e sujas) abraça uma toada romântica: pouco a pouco, Max e Marianne estarão juntos, casados, e moradores da Inglaterra. Quase programados para mentir, os espiões caminham no fio da meada em ações a favor da resistência francesa e contra o nazismo. Não à toa, terão uma primeira filha nascida em parto cercado pelo bombardeio de guerra.

Meticulosa, Marianne sofre muito, no dia a dia tenso, pela possibilidade de ser desmascarada. Passada a Guerra, tudo é calculado e traz insegurança ao casal. No clima desse eterno teatro, o espectador é fisgado pela tensão domiciliar. Mesmo na fase marroquina do filme —  muito mais recheada de ação —, pairam dúvidas como a do sucesso no plano que prevê a morte de um embaixador, em meio à concorrida festa.

Com direito a uma cena de estilizada transa dentro de um carro, Pitt e Cotillard demonstram bom entrosamento. No jogo em que não se sabe quem comanda quem, bons atores fazem a diferença, no caso do chefe de Max, Frank (Jared Harris) e do misterioso Delamar (Thierry Frémont). Num detalhe, Aliados ainda tem belos figurinos assinados pela candidata ao Oscar Joanna Johnston.

COMENTÁRIOS

Os comentários são de responsabilidade exclusiva dos autores.

CINEMA

TODOS OS FILMES [+]

EVENTOS






OK

BARES E RESTAURANTES