Brasília-DF,
18/DEZ/2017

Crítica: Filme 'Bye bye Alemanha' recicla o tema do nazismo

A obra é baseada em dois livros assinados pelo corroteirista Michel Bergmann

Diminuir Fonte Aumentar Fonte Imprimir Corrigir Notícia Enviar
Ricardo Daehn Publicação:25/08/2017 06:00Atualização:24/08/2017 18:00
A reestruturação da vida de alemães após a Segunda Guerra é tema de Bye bye Alemanha
 (Foto: Divulgação)
A reestruturação da vida de alemães após a Segunda Guerra é tema de Bye bye Alemanha

 
Da dissolução de uma pátria ainda alquebrada pela turbulência da Segunda Guerra, haveria por onde extrair humor? Sim é a resposta que pode ser vista em Bye bye Alemanha, o mais recente longa-metragem de Sam Garbarski.
 
 
Baseado em dois livros assinados pelo corroteirista Michel Bergmann, Garbarski criou uma obra que consegue reciclar o tema do nazismo. Com feridas muito aparentes, os judeus convivem com reestruturação de vida na qual a venda de lençóis e toalhas pode se afirmar como bom negócio. 
 
Com ações em paralelo, o cineasta desvenda, a conta-gotas, o passado do protagonista David Bermann (Mortiz Bleibtreu). Ator de talento gritante, Bleibtreu se desdobra em representar dubiedade, culpa e infâmia, no papel de um homem escalado para contar piadas para Hitler. É bom deixar claro que o ditador não aparece em cena.
 
 

COMENTÁRIOS

Os comentários são de responsabilidade exclusiva dos autores.

CINEMA

TODOS OS FILMES [+]

EVENTOS






OK

BARES E RESTAURANTES