Brasília-DF,
21/NOV/2017

Filme 'O formidável' se revela uma boa homenagem a Jean-Luc Godard

O longa-metragem é uma homenagem ao grande nome da nouvelle-vague

Diminuir Fonte Aumentar Fonte Imprimir Corrigir Notícia Enviar
Ricardo Daehn Publicação:27/10/2017 06:00Atualização:26/10/2017 14:23

Do diretor Michel Hazanavicius, o longa-metragem estreia no mesmo mês em que a ex-mulher de Godard morreu (Imovision/Divulgacao)
Do diretor Michel Hazanavicius, o longa-metragem estreia no mesmo mês em que a ex-mulher de Godard morreu

Em seu novo filme, O formidável, o cineasta Michel Hazanavicius (O artista) foca suas lentes sobre ninguém menos do que o revolucionário Jean-Luc Godard, capaz de mudar os rumos da sétima arte, nos anos 1960, com filmes como AcossadoO demônio das onze horas e uma série de projetos determinantes para a nouvelle-vague.


Homenagear à exaustão a figura de Godard poderia ser um risco. A conjuntura dominante na fita preconiza a acidez. Vaidoso e imprevisível, o personagem a cargo de inspirada composição do ator Louis Garrel (Os sonhadores) brota “selvagem e impertinente”, como modula o roteiro. Engajado e político, o celebrado cineasta franco-suíço soube usar a câmera como verdadeira arma, sob o escudo de uma defesa das classes estudantis e operárias.
 

Confira as sessões

 

Baseada em Un an après (livro de memórias da atriz Anne Wiazemsky, mulher de Godard por 12 anos), a narrativa desbrava os ladrilhos da relação amorosa que levaram à visão desidealizada, pela ótica de Wiazemsky (Stacy Martin), de um “horizonte retorcido”. A adoção de um cinema de ruptura, os monumentais desentendimentos com os colegas Bernardo Bertolucci e Marco Ferreri e uma maldade na condução dos próprios sentimentos do genial diretor estão representados no longa de Hazanavicius.
 
O timing de O formidável favorece o sentimento de nostalgia, uma vez que, há três semanas, a ex-mulher de Godard morreu. No filme, o personagem de Godard antevê a possibilidade de ela vir a se tornar uma atriz “vulgar e banal”. Comedido na invasão de privacidade, o diretor se atém mais ao poder criativo do cinebiografado. Nisso, não deixa de apontar falhas no caráter do mestre, capaz de desmerecer o colega François Truffaut pela reiteração da reprodução do amor nas telas.

 

 

 
Exagerado nas gags relacionadas aos óculos quebrados do cineasta, O formidável acerta em muitos pontos. Particularmente, quando adota a simplicidade, em cinema, descrita pelo personagem vivido por Félix Kysul, Jean-Pierre Gorin (parceiro de Godard, no movimento Dziga Vertov). Como no manejo de um “martelo”, simples e ao alcance de todos, desfia humor, coloca pensamentos de personagens entre parênteses e ainda torna o tom investido do filme em negativo. Belas homenagens a Godard.

 

COMENTÁRIOS

Os comentários são de responsabilidade exclusiva dos autores.

CINEMA

TODOS OS FILMES [+]

EVENTOS






OK

BARES E RESTAURANTES