Brasília-DF,
18/DEZ/2017

Crítica: Filme 'Os parças' desperta graça no espectador, mas não muita

Diminuir Fonte Aumentar Fonte Imprimir Corrigir Notícia Enviar
Ricardo Daehn Publicação:01/12/2017 15:41
 (Divulgação)

Golpes idealizados à margem das lojas populares da Rua 25 de março (em São Paulo) dão o pontapé na fita, longe de se sustentar, em termos de graça. O vocabulário busca afinidade com quem fala "home tite" (no lugar de home theater) e curte traços de "ostentação".
 
Trocadilhos como "picadura do alfinete" e situações que fazem referência a depilador de Tony Ramos surtem alguma graça, mais pela interpretação dos atores. Mas, é pouco. Muito envereda para o humor rasteiro, com referências a centrimetagem de pênis, a músicas de Fábio Jr. (com infinitos casamentos) e citação à chanha (irritação na pele).
 
No elenco, que inclui Whindersson Nunes, quem se destaca é Tom Cavalcante (ótimo, quando contracena com ele mesmo, numa cena de casal). Ao fim, quando tudo concorre para arranjos de uma festa de casamento, o longa parece um cruzamento de Made in China com Superpai, e com outro filme descoordenado de grupo, Vai que dá certo (2013). SQN, no caso.
 

Assista ao trailler do filme Os parças

 

COMENTÁRIOS

Os comentários são de responsabilidade exclusiva dos autores.

CINEMA

TODOS OS FILMES [+]

EVENTOS






OK

BARES E RESTAURANTES