Brasília-DF,
21/ABR/2018

Crítica: Juliette Binoche enfeitiça o público em 'Deixe a luz do sol entrar'

Longa conta a história de uma mulher madura que busca se reinventar

Diminuir Fonte Aumentar Fonte Imprimir Corrigir Notícia Enviar
Ricardo Daehn Publicação:30/03/2018 06:05Atualização:29/03/2018 16:11

Longe dos moldes das comédias românticas tradicionais, o filme surpreende por suas reflexões (Reprodução/Internet)
Longe dos moldes das comédias românticas tradicionais, o filme surpreende por suas reflexões

 

Com mais 50 anos, a estrela Juliette Binoche confirma que sempre será um frescor, captada pelas luzes do cinema. Sensual, sem nunca encenar vulgaridade, madura e resolvida, a estrela francesa tem a naturalidade exigida pela determinada Isabelle, que puxa toda a trama do mais recente filme assinado por Claire Denis, Deixe a luz do sol entrar.

 

A premissa do filme bem renderia uma comédia romântica, mas o lado documental de Denis e o roteiro esperto, feito ao lado de Christine Angot, incapacitam a estrela Binoche de estar presa a moldes. Artista plástica, Isabelle não quer o sufoco de uma relação unilateral (daí, aos poucos, se livrar de Vincent, um banqueiro enfadonho e ridículo vivido por Xavier Beauvois) e tem por meta ser amada sem muita possessividade — oferta temporária da relação com o ator interpretado por Nicolas Duvauchelle.

 

Crivado de reflexões em torno da cumplicidade amorosa, Deixe a luz do sol entrar encanta por não correr a favor de fórmulas. Tortuosa, a representação é da busca por amor, de alguém desesperado por viver algo real, às vias da terceira idade. Além do gritante brilho de Juliette Binoche — indicada para o César de melhor atriz —, a fita se vale da preciosa presença do icônico Gérard Depardieu, na pele de um vidente.

 

Confira as sessões do filme aqui.

 

 

COMENTÁRIOS

Os comentários são de responsabilidade exclusiva dos autores.

CINEMA

TODOS OS FILMES [+]

EVENTOS






OK

BARES E RESTAURANTES