Brasília-DF,
15/AGO/2018

Crítica: 'Paris 8' retrata a paixão pelo cinema

O longa é do diretor e roteirista Jean-Paul Civeyrac

Diminuir Fonte Aumentar Fonte Imprimir Corrigir Notícia Enviar
Ricardo Daehn Publicação:18/05/2018 06:05Atualização:17/05/2018 17:17
O diretor Jean-Paul Civeyrac reforça ideais da sétima arte
 (Cineart Filmes/Divulgação)
O diretor Jean-Paul Civeyrac reforça ideais da sétima arte
  
Um aprendizado que parte do preto e branco, numa direção de fotografia que capta de modo exemplar aspectos nostálgicos do cotidiano, e sacramenta vínculos com o passado — tudo isso nutre o longa-metragem Paris 8.
 
Versado em temas sobre fantasmas, mortes e doses de surrealismo, o diretor Jean-Paul Civeyrac quebra este círculo, no mais recente filme, tratando de renovação e do choque de realidade e de maturidade daqueles que se arriscam no fazer artístico.
 
 
Enquanto em Todas essas lindas promessas (2003), Civeyrac cravou a câmera na produção musical, agora, com Paris 8, fala do que mais entende: cinema.
  
Entre radicalismo e cercado de ativistas, o estudante Etienne (Adranic Manet, bastante crível) perfaz o rito de crescimento, saindo de Lyon, a fim de estudar no norte da capital francesa.
 
Compartilhando ideias ou quebrando afinidades, entre namoros e amizades, Etienne vive intensamente ao lado de colegas, igualmente pesquisadores de cinema, como Jean-Noël (Gonzague van Bervesseles) e Mathias (Corentin Fila), a quem devota maiores sentimentos.
 
 
Tags: paris 8 filme

COMENTÁRIOS

Os comentários são de responsabilidade exclusiva dos autores.

CINEMA

TODOS OS FILMES [+]

EVENTOS






OK

BARES E RESTAURANTES