Brasília-DF,
21/JUN/2018

Estreia na cidade o drama húngaro sobre refugiados que teve participação em Cannes

Filme húngaro Lua de Júpiter representa, em metáfora, dramas de imigrantes ilegais

Diminuir Fonte Aumentar Fonte Imprimir Corrigir Notícia Enviar
Correio Braziliense Publicação:01/06/2018 06:01Atualização:31/05/2018 18:06
Lua de Júpiter representou os filmes de ação em Cannes (Reprodução/ Internet)
Lua de Júpiter representou os filmes de ação em Cannes

 
Quem disse que festivais renomados como o de Cannes não dão bola para os super-heróis? Ano passado, o húngaro Lua de Júpiter esteve na disputa pela Palma de Ouro justamente para mostrar o contrário — ou para, por ser exceção, confirmar a regra.
 
O longa do diretor Kornél Mundruczó nos apresenta a Aryan, imigrante baleado na tentativa de cruzar ilegalmente a fronteira e entrar na Hungria. O que poderia significar a morte do jovem traz, na verdade, o poder da levitação, que será muito útil para ele no centro de refugiados para o qual é levado.

Clique aqui e confira as sessões
 
A questão da imigração, atualíssima no noticiário do Velho Continente, se mistura com a astrologia no roteiro que compara a sobrevivência no campo de refugiados à capacidade das luas de Júpiter têm de receber a vida humana, em especial — e não por acaso —  à da lua Europa.



A crítica internacional ficou divida entre elogiar ou não o roteiro de Lua de Júpiter, que acaba, por analogia, chegando à conclusão de que a Europa é o continente mais avançado do globo. Isso não aconteceu com a direção e com a fotografia, muito elogiadas.

COMENTÁRIOS

Os comentários são de responsabilidade exclusiva dos autores.

CINEMA

TODOS OS FILMES [+]

EVENTOS






OK

BARES E RESTAURANTES