Brasília-DF,
18/NOV/2018

Crítica: 'Nos vemos no paraíso' agrada e traz enredo e tratamento clássico

Longa teve 13 categorias indicações ao prêmio César (o mais importante da França), obtendo um resultado positivo em seis delas

Diminuir Fonte Aumentar Fonte Imprimir Corrigir Notícia Enviar
Ricardo Daehn Publicação:06/07/2018 06:04Atualização:05/07/2018 17:10
Nos vemos no paraíso concorreu a 13 prêmios César  (Reprodução/Internet)
Nos vemos no paraíso concorreu a 13 prêmios César

Com praticamente metade de vitórias nas 13 categorias indicações ao prêmio César (o mais importante da França), Nos vemos no paraíso, longa agridoce assinado e estrelado por Albert Dupontel, traz enredo e tratamento clássico para uma trama encerrada pouco depois da Primeira Guerra.

Ator de filmes como Irreversível e Uma juíza sem juízo, Dupontel interpreta um contraventor disposto a lucrar com a emoção e a honra levantada por heróis do front. Ele faz uma dobradinha sem apelo fácil, com o parceiro de crimes Edouard (Nahuel Pérez Biscayar).

De origem abonada, Edouard se aplica, para além da guerra, na criação de infinitos desenhos e esboços nada reconhecidos pelo pai dele, interpretado por Niels Arestrup (o excepcional ator de O profeta).

Tratando de âmbitos públicos (o governo francês é alvo de negociatas, no enredo) e privados (há um drama familiar intenso desenvolvido no filme), o longa examina temas como contas que não fecham e fraudes que, instaladas, machucam muitos dos personagens. Entre os coadjuvantes, destaque para a pequena Héloïse Balster, que vive Louise, uma espécie de intérprete para o emudecido Edouard e Laurent Lafitte (de Elle), o desprezível Pradelle, apresentado na triste narrativa de Nos vemos no paraíso.
 
Confira as sessões queestão disponíveis nos cinemas de Brasília.  
 
 


COMENTÁRIOS

Os comentários são de responsabilidade exclusiva dos autores.

CINEMA

TODOS OS FILMES [+]

EVENTOS






OK

BARES E RESTAURANTES