Brasília-DF,
24/MAI/2019

Crítica: 'Uma viagem inesperada' peca no tom novelesco

A coprodução entre Brasil e Argentina acerta na abordagem forte ao abordar bullying e consequência do álcool em jovens

Diminuir Fonte Aumentar Fonte Imprimir Corrigir Notícia Enviar
Ricardo Daehn Publicação:29/03/2019 06:00Atualização:28/03/2019 14:02
 'Uma viagem inesperada': com altos e baixos, roteiro lembra capítulo de novela (Boulevard Filmes/Divulgação)
'Uma viagem inesperada': com altos e baixos, roteiro lembra capítulo de novela
 
O tema que delimita o interesse do mais recente filme assinado pelo portenho Juan José Jusid reside na atualidade: para além das causas, Uma viagem inesperada abriga as consequências do onipresente bullying no cotidiano das atividades escolares.
 
 
Ator de filmes como O segredo de seus olhos, o astro argentino Pablo Rago, na pele de Pablo, toma conhecimento da situação de sofrimento do filho, a conta-gotas. Muito absorvido pela profissão, como engenheiro ligado ao ramo da exploração petrolífera, Pablo é algo distante da ex, Ana (papel de Cecília Dopazo, de Não é você, sou eu), e mais ainda do filho, o jovem Andrés (interpretado por Tomás Wicz, da comédia 2 + 2).
 
 

Ainda que encerre uma coprodução entre Brasil e Argentina, Uma viagem inesperada tem pouco estilo nacional — descontados fatos como a limitada participação da brasileira Débora Nascimento (vista na novela Verão 90). Mesmo bem contada, a narrativa do filme traz momentos bastantes frívolos que aproximam o longa de tom de folhetim. Por sorte, o experimentado diretor se vale de abordagens fortes, quando trata de alcoolismo juvenil e de uso desmedido da internet.

Tags: cinema

COMENTÁRIOS

Os comentários são de responsabilidade exclusiva dos autores.

CINEMA

TODOS OS FILMES [+]

EVENTOS






OK

BARES E RESTAURANTES