Brasília-DF,
20/AGO/2019

'Tunga, o esquecimento das paixões' conta sobre a vida do artista pernambucano

Longa é assinado por Miguel de Almeida e traz relatos sobre a vida de Tunga, um dos raros contemporâneos a ser mostrado no Louvre

Diminuir Fonte Aumentar Fonte Imprimir Corrigir Notícia Enviar
Ricardo Daehn Publicação:10/05/2019 06:01

'Tunga, o esquecimento das paixões' é uma das estreias da semana (Reprodução/Internet)
'Tunga, o esquecimento das paixões' é uma das estreias da semana

O temperamento instável, o interesse em desvendar o oculto e a produção — algo reconhecível, no caso de xifópagas capilares e no filme, junto com o relato de períodos de quietude (quando se viu obrigado a largar de estimulantes ilícitos) são elementos que formatam o documentário Tunga, o esquecimento das paixões, assinado por Miguel de Almeida.

 

Confira as sessões! 

 

A pretensão de desvendar Tunga passa longe do propósito da fita, mais voltada para um rememorar do artista pernambucano morto há três anos. Predicados para saudação não faltam: ele foi dos raros contemporâneos a ser mostrado no Louvre, bebeu da poesia do pai Gerardo Melo Mourão e fundia ciência à capacidade de expressão subjetiva, na cultura.

 

“Ele (Tunga) era uma peça de arte”, decifra um dos entrevistados para a composição do perfil de Tunga; “ele era a obra dele”, especula outro. Vendo o seu público e cada ser humano como “uma diversidade de pessoas juntas”, a ótica do artista parece prevalecer na absorção do conteúdo do longa. Haverá quem deteste, ou fique de fora do clima (montado sem muito didatismo). A narração de Marina Lima pouco contribui a contento.

 

Assista ao trailer de Tunga, o esquecimento das paixões

 

 

COMENTÁRIOS

Os comentários são de responsabilidade exclusiva dos autores.

CINEMA

TODOS OS FILMES [+]

EVENTOS






OK

BARES E RESTAURANTES