Brasília-DF,
20/NOV/2019

Série 'Downton Abbey' inspira filme homônimo; confira crítica do longa

Longa conta com opulência visual e avanços sinalizados pela ruptura da subserviência feminina

Diminuir Fonte Aumentar Fonte Imprimir Corrigir Notícia Enviar
Ricardo Daehn Publicação:25/10/2019 06:05Atualização:24/10/2019 19:05
O filme surgiu da série de sucesso homônima (Universal/Divulgação)
O filme surgiu da série de sucesso homônima

Brotada do sucesso televisivo de série homônima, Downton Abbey (agora, um filme) aposta no time vencedor: pesa no projeto o talento do diretor Michael Engler e a habilidade do roteirista Julian Fellowes, ao apresentar um emaranhado cênico que contemple retrato da sociedade inglesa, em meados dos anos de 1920. Junto com crises e desafios para a prole dos influentes Robert (Hugh Bonneville) e Cora (Elizabeth McGovern), que comandam uma propriedade no condado de Yorkshire, na trama do longa está delineada preocupante situação para nobres e empregados dada a proximidade de visitantes ilustres: o rei George V (Simon Jones) e a rainha Mary (Geraldine James).

Divergências políticas, problemas domésticos e embates de variados segmentos sociais que habitam a enorme propriedade fazem parte do enredo. Para além do talento do roteirista Fellowes (cujo nome despontou como revelação no longa Assassinato em Gosford Park) e do mesmo diretor de A sete palmos, Downton Abbey abre espaço para a capacidade de condensação do montador Mark Day (lembrado por Ex-machina e por uma série de filmes da franquia Harry Potter).

Clique aqui e confira as sessões

O alvoroço se instala, no enredo, com quente notícia vinda do Palácio de Buckingham capaz de, até mesmo, reabilitar o posto de mordomo para o aposentado Carson (Jim Carter). Na cozinha da imponente mansão, a senhora Patmore (Lesley Nicol) tem a rotina confrontada por Monsieur Courbet (Philippe Spall), designado chefe do banquete real; a hilária anciã Violet (a veterana Maggie Smith) diverte todos com as medidas debochadas e o viúvo Tom Branson (Allen Leech) parece esboçar os primeiros sorrisos, como apêndice na influente família Crawley.

Nem só os mortais de menores posses enfrentam as dificuldades cotidianas: a princesa Mary (Kate Phillips) vê o casamento na corda bamba, ao mesmo tempo em que Lady Edith (Laura Carmichael), num momento especial, esbarra em convenções sociais — mesmo obstáculo a ser superado pelo enrustido personagem Barrow (Robert James-Collier), tolhido da função de mordomo e de maiores voos na vida particular.

Junto com o florescimento de muitas relações amorosas — a despachada Daisy (Sophie McShera), por exemplo, se perceberá atraída pelo encanador Sellick (James Cartwright), colocando em risco o futuro casamento com Andy (Michael Fox) —, há o exame de preconceitos na narrativa do filme. Contra as inaceitáveis situações, uma frente de peso se forma, com as personagem de atitude como Mary Talbot (Michelle Dockery) e Maud (Staunton Maud).

Atribuindo qualidades até mesmo para o “subestimado” Maquiavel, a personagem de Maggie Smith rouba a cena, junto com o desajeitado serviçal Molesley (personagem de Kevin Doyle). Elencando estratégias de sabotagem, com a quebra de hierarquias sociais, e examinando as exigências da monarquia, o roteiro do filme (apesar de assimilar algo de novela) é precioso, como entretenimento. Por trás de paisagens com enorme amplitude e um suposto tom de austeridade e descanso, há, como se pode notar, muita poeira jogada para baixo dos espessos tapetes da mansão da instável família Crawley.
 
 

COMENTÁRIOS

Os comentários são de responsabilidade exclusiva dos autores.

CINEMA

TODOS OS FILMES [+]

EVENTOS






OK

BARES E RESTAURANTES