Brasília-DF,
13/DEZ/2019

Inspirado em livro e série, 'Carcereiros - O filme' chega aos cinemas

Longa traz a narrativa do agente penitenciário Adriano, mas com uma história independente

Diminuir Fonte Aumentar Fonte Imprimir Corrigir Notícia Enviar
Roberta Pinheiro Publicação:29/11/2019 06:01Atualização:28/11/2019 21:41

Filme é inspirado no livro homônimo de Drauzio Varella e na série de sucesso da Globo 
 (Ramon Vasconcelos/Divulgação)
Filme é inspirado no livro homônimo de Drauzio Varella e na série de sucesso da Globo

 

A Penitenciária Filinto Prates, que serviu de cenário para a primeira e a segunda temporadas da série Carcereiros, abre as portas, mais uma vez, para o público e revela, em meio a uma narrativa policial de ação, contextos comuns dos brasileiros. Depois do sucesso da produção televisiva, chega aos cinemas Carcereiros — O filme.

 

Apesar de se inspirar no livro homônimo de Drauzio Varella e na série de sucesso da Globo — vencedora do Grande Júri no MIPTV 2017, em Cannes —, o longa retoma a narrativa do agente penitenciário Adriano, interpretado por Rodrigo Lombardi, mas apresenta uma história independente.

 

A rotina do presídio é estremecida com a chegada de Abdel, personagem de Kaysar Dadour, um perigoso terrorista internacional. Além de controlar os passos do novo preso, Adriano terá que enfrentar uma nova rebelião e os interesses das facções. Ao contrário do que foi apresentado na TV, nas telonas, as cenas de ação ganham destaque com o uso da trilha sonora e a combinação de cenas rápidas com tomadas lentas.

 

Confira as sessões disponíveis

 

Ao explorar o gênero ação, o diretor José Eduardo Belmonte, que também conduziu a trama televisiva, não deixa de lado o realismo social. Além da sociedade paralela dos presídios, com seu funcionamento particular, há na ficção uma crítica social para despertar no público um pensamento questionador e reflexivo. O poder das armas versus a força da palavra; o significado de justiça para cada um dos envolvidos no sistema; a corrupção dos sistemas; e os crimes de colarinho branco.

 

Como fio condutor da narrativa, Adriano é quem centraliza e movimenta os questionamentos. Dentro do presídio existem diferenças entre os presos de acordo com os delitos cometidos? Ali, qual o senso de justiça que prevalece? Quem comanda o funcionamento dentro dos muros da penitenciária? Qual o poder da palavra?

 

Confira o trailer: 

 

COMENTÁRIOS

Os comentários são de responsabilidade exclusiva dos autores.

CINEMA

TODOS OS FILMES [+]

EVENTOS






OK

BARES E RESTAURANTES