Brasília-DF,
28/NOV/2020

Confira a crítica de 'Sonic - O filme', uma das estreias da semana

Adaptado do universo dos jogos eletrônicos, 'Sonic - O filme' traz diversão convincente para o público infantojuvenil

Diminuir Fonte Aumentar Fonte Imprimir Corrigir Notícia Enviar
Ricardo Daehn Publicação:14/02/2020 06:01Atualização:13/02/2020 22:43

Sonic é o protagonista que parece ter asas nos pés, de tão veloz que se revela (Paramount Pictures/Divulgação)
Sonic é o protagonista que parece ter asas nos pés, de tão veloz que se revela

O protagonista de Sonic pode até ser chamado de filhote de Pé Grande, mas não é. Foram aventuras em jogos eletrônicos de uma franquia japonesa que colocaram seu talento e simpatia em alta. No cinema, Sonic está em aventura liderada pelo cineasta estreante Jeff Fowler, e conta ainda com parceiros (e inimigos) em live-action. Mais importante na trama, que recupera o espírito infantil dos espectadores adultos e alimenta o mundo fantasioso dos menores, entretanto, é o protagonista criado em animação.

 

Recém-chegado de misteriosa ilha, Sonic traz na bagagem uma série de anéis capazes de salvá-lo do contato (proibido) com os seres humanos. Quando pequeno, ouve, precavido, a ideia de que seus poderes atrairão a cobiça de “vilões famintos”. É com essa visão, que o obriga ao isolamento, que ele despenca em Green Hills (Montana).

 

Confira as sessões disponíveis do filme 

 

No enredo, despontará um vilão, em especial — o doutor Robotnik (a cargo de um hilário Jim Carrey). Sem ter com quem interagir, Sonic aumula múltiplas personalidades, a fim de preencher a própria solidão (nas melhores sequências do filme). Traz assim, algo do Smeagol, de O senhor dos anéis. Por dois dias, o veloz ouriço colorido, depois de uma década de marasmo terrestre, vai viver aventuras de “dois selvagens”, tendo por companheiro o policial Tom (interpretado por James Marsden). Juntos, eles vão encerrando uma lista de “coisas a serem feitas na vida”.

 

Na realização do filme, há um componente (usado excessivamente), nada original, e que minimiza o efeito: à la X-Men, as cenas de alta velocidade são quase congeladas e vêm nos moldes quadro a quadro. Mas, é mal menor compensado pela incorporação de citações a Keanu Reeves (de Velocidade máxima) e afins. Petulante, irritante e, acima de tudo, divertido, o personagem de Jim Carrey é um prato cheio para o talentoso astro.

 

COMENTÁRIOS

Os comentários são de responsabilidade exclusiva dos autores.

CINEMA

TODOS OS FILMES [+]

EVENTOS






OK

BARES E RESTAURANTES