Brasília-DF,
02/DEZ/2020

'O homem invisível' traz aos cinemas a tensão do que não se vê

Com a artimanha de mudar até mesmo o protagonismo de 'O homem invisível', o diretor Leigh Whannell cria uma obra de entretenimento impactante

Diminuir Fonte Aumentar Fonte Imprimir Corrigir Notícia Enviar
Ricardo Daehn Publicação:28/02/2020 06:00Atualização:27/02/2020 19:46
Elisabeth Moss defende um perturbador personagem no filme de Leigh Whannell (Universal Pictures/Divulgação)
Elisabeth Moss defende um perturbador personagem no filme de Leigh Whannell

 
Rotina com remédio controlado, isolamento em uma rica propriedade de praia e a sistemática vigilância de várias câmeras de segurança: assim é a vida da protagonista de O homem invisível, curiosamente estrelado por Elisabeth Moss. Não que ela interprete o homem; mas sua personagem — uma arquiteta sem emprego chamada Cecília — convive com os efeitos da sombra do ricaço que arruinou o mundo dela: trata-se do namorado Adrian Griffin (Oliver Jackson-Cohen).

Narcisista e sociopata, ele, que em dado momento da trama efetivamente some, colocará Cecília sob o impasse de fazer valer a máxima da vingança com as próprias mãos, uma vez que a mácula sentimental do passado (de assédios e afins) teimará em não desaparecer.

Há um momento do longa dirigido por Leigh Whannell — baseado, muito de leve, num texto clássico de H.G. Wells (adaptado para o audiovisual em mais de meia-dúzia de produções, desde os anos de 1930) — em que o espectador terá a certeza de que Cecília não precisa de auxílio de policiais, mas sim de esclarecimento psicológico (que, aliás, chegará bem tarde à jornada dela).
 
Confira aqui as sessões disponíveis do filme
 
Em muitas partes do filme, há um quê de paralelo entre o longa, um terror psicológico, e fitas dos anos 1990 (Invasão de privacidade) e anos 1980, ao estilo de Querem me enlouquecer. Não há como negar que a história do filme prende o interesse, mesmo com manjadas situações de sustos e surpresas.

Com uma excelente direção de arte que potencializa as futuras ações de Adrian, dado como morto, O homem invisível se vale da capacidade de convencimento da atriz Elisabeth Moss (que muda até seu jeito de andar). A ela, cabe a perfeição do papel de vítima em potencial.

Tratamento


O filme de Whannell se esbalda na vulnerabilidade de Cecília. Reclusa num centro de tratamento, ela entra numa espiral na qual quase todos, desconfiam de suas palavras.

Enervante, o filme consegue impactar, quando a protagonista abre o martírio de ter, “entre outras coisas”, apanhado do companheiro. No convulsivo destino que enfrenta, Cecília irá se deparar com Tom (Michael Dorman), o irmão de Adrian.

Entre os pontos fracos do filme, com roteiro do próprio diretor, está a sequência na casa de reabilitação, em que, com uma voz diferente (e aspecto à la Venom), o opressor conversa com Cecília e ainda em que vários policiais são abatidos como se fossem pinos de boliche jogando contra. Pesa ainda a incoerência da ética zero apresentada pela protagonista, no desfecho da fita.
 
 

COMENTÁRIOS

Os comentários são de responsabilidade exclusiva dos autores.

CINEMA

TODOS OS FILMES [+]

EVENTOS






OK

BARES E RESTAURANTES