Brasília-DF,
16/DEZ/2017

Cerveja do tipo India Pale Ale faz sucesso em casas especializadas

Cerveja IPA é mais amarga e com maior teor alcoólico

Diminuir Fonte Aumentar Fonte Imprimir Corrigir Notícia Enviar
Rebeca Oliveira Publicação:25/11/2016 06:04Atualização:24/11/2016 17:34

Tonalidade âmbar é uma das características do estilo (JUSTIN SULLIVAN/Getty Images/AFP)
Tonalidade âmbar é uma das características do estilo
 

 

India Pale Ale. Para alguns, as três palavras podem não dizer muita coisa. Para os amantes de cerveja especial, entretanto, o significado é imenso. As cervejas de tipo IPA são clássicas no mercado de brejas especiais. Têm origem inglesa, mas os rótulos americanos é que ficaram conhecidos por as popularizarem em todo o mundo.

 

Hoje, qualquer boa cervejaria artesanal que se preze produz uma IPA, inclusive as de Brasília. A cor alaranjada e turva, o sabor marcante e perfume único as fazem queridinhas em um cenário que era de nicho, mas está cada vez mais crescente.

 

Aylton Tristão, do Godofredo, faz a ressalva: não são apenas as brejas do tipo IPA que passam por esse boom. O que está caindo no gosto do público é a preferência pelo lúpulo, um dos ingredientes mais marcantes das cervejas especiais. “As pessoas têm procurado por esse aroma cítrico que lembra maracujá.

 

Elas estão substituindo a pilsen não apenas pela IPA, mas pelo lúpulo. Pode ser uma IPA ou uma American Pale Ale, a APA”, comenta.

 

Tonalidade âmbar é uma das características do estilo (JUSTIN SULLIVAN/Getty Images/AFP)
Tonalidade âmbar é uma das características do estilo

 

Amargor

“O público descobriu o sabor amargo e está apaixonado por ele. Uma bebida superamarga e que virou modinha no ano passado é o aperol spritz”, acrescenta. “A vida inteira o ser humano foi tratado com doces: ninguém dá nada amargo ou azedo a crianças, por exemplo. Quando adultos, quando descobrimos esse gosto, despertamos esse ‘novo sentido’”, afirma.

 

Fernanda Gomes, da Mestre-cervejeiro.com acredita que, para o público que já está por dentro do mercado cervejeiro, a IPA é de fato a grande preferida. Entretanto, a quem é iniciante, é uma cerveja que pode assustar.

 

A entrada no mundo dos rótulos premium, que podem levar anos para serem elaborados, geralmente acontece com as do tipo weiss (de trigo), quando se sai do gosto leve da pilsen e vai, aos poucos, provando novos sabores.

Vendas

No Brasil, as IPAs tiveram um aumento de venda e compra gigantesco desde o ano passado, acompanhando o movimento das microcervejarias brasileiras em investir em estilos mais complexos. O mesmo acontece, agora, com as sour ales, com paladar ácido e fermentação espontânea. São cervejas mais secas.

 

“O engraçado é que são dois estilos estranhos ao nosso paladar, mais acostumado ao salgado e doce”, acredita. A sócia da Mestre-cervejeiro conta que, devido à alta procura, a marca criou um rótulo próprio no estilo, a double IPA Mestre-cervejeiro, que tem grande procura. Exclusiva da rede, custa R$ 50 o litro.

 

Além das IPAs clássicas, há um subgrupo, o single hop, com um tipo de lúpulo. “Normalmente, usamos um lúpulo para aroma e outro para sabor. Apenas um cumpre as duas funções. Quando se tem misturas, a combinação precisa ser mais benfeita”, explica Fernanda.

Características

> Explosão de lúpulo, substância considerada o “perfume” da cerveja

> Teor alcoólico elevado – em média, 5,6% de graduação alcoólica, abaixo disso são special IPA (nesse caso, até 5%)

 

> Amargor e cor alaranjada, que lembra âmbar


> Influência americana, apesar de o estilo ser inglês

 

Reprodução Instagram (Primeiro rótulo da cervejaria Criolina, a breja Criolipa foi feita dentro dos moldes do estilo, com notas tropicais)
Reprodução Instagram
 

 

Três IPAs brasilienses

Oinc IPA
Parceria de empresários da cidade – sócios da pizzaria Baco, do burger bar Parrilla Madrid, do restaurante Oliver e do bar Godofredo –, é produzida com a Bierbaum, de Santa Catarina, e vendida nos endereços citados. O valor da garrafa de 330ml depende do local, mas não passa de R$ 30.

Conic Dôbou Índia Pêiu Êiu
O nome abrasileirado e que homenageia um dos pontos culturais cruciais da cidade reflete o conteúdo dessa cerveja do tipo Double IPA. Seca como Brasília, são potentes, graças ao índice de 9,1% de teor alcoólico. No paladar, apresenta notas de maracujá, lima e limão siciliano. O chope tem preço médio de R$ 15.

Criolipa
No começo do mês, começaram a surgir os primeiros lotes da Criolipa, a primeira criação da cervejaria Criolina, festa que agita a cidade há um punhado de anos. O chope custa R$ 13 e, assim como a breja Conic, tem notas de frutas tropicais como ponto forte.

ONDE BEBER

 

Godofredo
(408 Norte, Bl. C, lj. 16; 3965-6666), aberto de segunda a quarta, das 18h à 1h; quinta a sábado, das 18h às 2h.

Mestre-cervejeiro.com
(CLSW 301, Bl. C, lj. 158;
3021-6667), aberto de segunda a quarta, das 12h às 20h30; quinta e sexta, das 12h às 22h; sábado, das 10h às 20h30.

COMENTÁRIOS

Os comentários são de responsabilidade exclusiva dos autores.

BARES E RESTAURANTES

CINEMA

TODOS OS FILMES [+]

EVENTOS






OK