Brasília-DF,
28/SET/2020

Após o carnaval, Brasília apresenta opções para pegar leve na dieta

A folia está no fim. Agora está na hora de apostar em receitas leves e de fácil digestão

Diminuir Fonte Aumentar Fonte Imprimir Corrigir Notícia Enviar
Renata Rios Maria Baqui* João Paulo Zanatto* Publicação:28/02/2020 06:00Atualização:27/02/2020 19:49
Ilustração sobre lugares para comer leve em Brasília (Caio Gomez/CB/DA Press)
Ilustração sobre lugares para comer leve em Brasília

 
Entre as festas que marcam o calendário brasileiro, o carnaval ocupa lugar de destaque. Marcada pelas brincadeiras, a festa está terminando. Agora é hora de se recompor. Seja para quem exagerou na bebida, seja para aqueles que saíram da linha e comeram de tudo na farra, o Divirta-se Mais selecionou locais para se recuperar do feriado sem deixar de comer bem.

Entre as alternativas que trabalham com receitas  elaboradas e para lá de saudáveis e leves, está o The Plant. Gorduras hidrogenadas ou corantes não entram no cardápio do restaurante. Segundo Davi Neves, sócio da casa, os sucos são bem-vindos quando se trata de uma dieta detox, além das saladas e proteínas leves. “Todos os vegetais com a cor verde escura ajudam a desintoxicar. Uma dieta detox é basicamente composta por vegetais”, explica Davi.

Outro local no qual a qualidade dos insumos é diferenciada é o Bhumi. O restaurante oferece ingredientes orgânicos e foi pioneiro entre os restaurantes no uso desse tipo de matéria-prima. “O custo dos alimentos orgânicos ainda é alto, mas, se você parar para avaliar, existe uma melhora significativa da qualidade de vida e da saúde que recompensa esse gasto”, defende.

Ainda vale a pena destacar o peixe como um aliado. A proteína de diferentes espécies atende bem a essa dieta, pois tem menos gordura e é mais leve. Ainda vale conferir a variedade. O peixe pode ser servido no ceviche, por exemplo. No caso, a receita pode ser encontrada no restaurante Sallva. “No Peru, o ceviche é para curar a ressaca, dar forças. E, nesta época do ano, para quem bebe, o fígado fica muito sobrecarregado e precisa de uma limpeza”, sugere Fabiana Pinheiro, chef do restaurante.

*Estagiários sob a supervisão de Severino Francisco
 
 

Orgânicos e com água de coco

 
A variedade dos sucos no Bhumi chama a atenção pelas cores e misturas inusitadas (Ana Rayssa/Esp. CB/D.A Press)
A variedade dos sucos no Bhumi chama a atenção pelas cores e misturas inusitadas
 

Entre as casas que prezam pela qualidade do que é oferecido, o Bhumi é um estabelecimento diferenciado. A casa oferece alternativas saudáveis, sem perder o sabor, mas também cuida para que os insumos usados no local sejam orgânicos. “Fomos pioneiros entre restaurantes orgânicos. No início, nos relacionavam muito à comida vegetariana ou vegana, mas não temos apenas essas opções. A alimentação orgânica é abrangente, você tem carne, frango, não é apenas vegetais e frutas”, esclarece o sócio do local Luiz Guilherme Carvalho.

No Bhumi, um dos itens que merecem atenção são os sucos. Além da ampla variedade que o local oferece, as bebidas são feitas com água de coco. “A água de coco já tem um doce natural, ela ainda traz frescor ao suco. Essas características fazem com que ela deixe quem bebe mais saciado, além de não precisar ser tão adoçada”, pondera. Entre as opções que o sócio sugere, está o Detox (R$ 12,50), feito com cenoura, pepino, limão e gengibre.

Vale a pena também conferir o bufê. No almoço (R$ 64,90, o quilo), a gama de opções para montar um prato é grande. “Temos saladas, guarnições, pratos quentes... é uma variedade grande, para atender a quem quer algo saboroso e saudável”, pontua Luiz. Exemplos de receitas com carne servidas no bufê do almoço são o estrogonofe de frango com leite de coco e a merluza, que pode ser o filé ou a torta. A noite é a vez do bufê de caldos, cobrado por pessoa (R$ 21,90).
 

Saladinha cai bem!

 
Salada sempre é uma das escolhas quando se pensa em alimentação saudável (Ana Rayssa/Esp. CB/D.A Press)
Salada sempre é uma das escolhas quando se pensa em alimentação saudável
 

A saladinha sempre vem à tona quando se fala em detox. Não há como esquecê-la. No Maori, as saladas dão o tom e agradam o paladar da clientela que busca por uma refeição saudável.

Uma das propostas do restaurante é o cliente ter a liberdade de montar a salada. Neste modelo, a opção de montar sai por R$ 21,50, a pequena, e a grande, por R$ 34,50. Para quem não deseja montar a própria salada, também há opções prontas como a salada de frango (R$ 23,20, a pequena; e R$ 37,50, a grande), com palmito, tomate, milho, cenoura, alface, molho de gengibre e, claro, frango. Além disso há opções de sucos detox (R$ 11,80, 500ml), como o sabor de laranja, cenoura, limão e hortelã.

Rone da Silva, gerente do local, vê que o Maori é muito procurado neste período pós-carnaval. “Depois do carnaval, o pessoal vem para tentar recuperar o prejuízo, já que o pessoal come muita besteira nesse período”, aponta o gerente.

 
Leves e cheios de sabor

 
 As receitas oferecidas no The Plant buscam ingredientes leves e livres 
de produtos industrializados
 (Mariane Silva/Esp. CB/D.A Press)
As receitas oferecidas no The Plant buscam ingredientes leves e livres de produtos industrializados
 

O The Plant parece moldado de acordo com a necessidade do público. O local aposta em uma alimentação saudável e livre de produtos industrializados. “Trabalhamos com ingredientes que não têm gordura hidrogenada ou corantes, por exemplo. Isso já melhora a experiência dos clientes que, mesmo comendo um bacon, por exemplo, não ficam se sentindo pesados”, explica Davi Neves, sócio do restaurante.

Uma das sugestões de Davi é a salada Super vegana (R$ 40) — mix de folhas, mix de cogumelos, aspargos, tabule de quinoa, espaguete de abobrinha, castanha do Brasil, damasco e picles de cebola roxa, mix de sementes e lâminas de abacate. “Essa é uma salada com muitos vegetais e muito saborosa. Ela ajuda muito a quem precisa se desintoxicar após um carnaval animado”, promete.

Para quem não abre mão de uma proteína animal, a sugestão é a Tilápia da Casa (R$ 39) — filé de tilápia com mix de castanhas, arroz de couve-flor e brócolis com alho-poró, espaguete de abobrinha e vinagrete de pimentões. “Esse prato também tem muitos vegetais. A tilápia é uma proteína bastante leve”, detalha. Para beber, vale apostar no Suco Verde (R$ 13), feito com couve, espinafre, pepino, abacaxi, maçã, gengibre e limão.
 

Xô, ressaca!

 
O ceviche é uma comida leve e ótima para curar a ressaca (Adriel Henrique/Divulgação.)
O ceviche é uma comida leve e ótima para curar a ressaca
 

Há na culinária peruana um tradicional prato feito para levantar os ânimos e revitalizar as energias: o ceviche. Um dos lugares para conferir esse prato no pós-folia é o Sallva Bar e Ristorante.

Sob o comando da chef Fabiana Pinheiro, o ceviche (R$ 59) é um dos itens mais vendidos no restaurante. “É um líder de vendas. Ele é delicioso e sempre preparado com peixes frescos do dia”, aponta a chef. A receita é feita com o Saint Peter, um peixe de água-doce que Fabiana ressalta não ser gorduroso. O prato é acompanhado com purê de batata e limão siciliano.

“No Peru, o ceviche é para curar a ressaca, dar forças. E, nesta época do ano, para quem bebe, o fígado fica muito sobrecarregado e precisa de uma limpeza. Eu recomendo o ceviche depois de suar e pular tanto no carnaval. O corpo pede por comidas mais leves”, finaliza Fabiana Pinheiro.
 

Leveza e elegância

 
O salmão vem à mesa escoltado pelo cuzcuz marroquino de legumes e frutas secas (Ticiana Werner/Divulgação)
O salmão vem à mesa escoltado pelo cuzcuz marroquino de legumes e frutas secas
 

Consagrado pelos risotos e o maravilhoso bufê de frios, no Ticiana Werner o cliente se depara com um menu rico em opções diferenciadas e deliciosas. A chef, que batiza o restaurante com o próprio nome, sugere duas receitas para quem quer se recuperar dos dias de festa.

A primeira é o Salmão ao pesto de manjericão (R$ 52) — Filé de salmão grelhado ao molho pesto de manjericão, acompanhado de cuzcuz marroquino de legumes e frutas secas. “Esse é um prato leve e sem lactose. Uso um salmão de muita qualidade, que vai à mesa suculento e acompanhado por um cuzcuz com cenoura, abobrinha, alho-poró, damasco e amêndoas.

Outra sugestão que a chef dá é o Tagliatelle negro com camarões (R$ 56) — Tagliatelle negro com camarões grelhados ao molho de tomate e leite de coco, pimenta-de-cheiro e dedo de moça, tomilho, alho-poró, salsa e creme de leite. “Esse prato fica mais leve por usar leite de coco. Esse ingrediente, misturado ao molho de tomate, agrega um ar baiano à receita”, descreve a chef. A receita ainda chama a atenção pela cor da massa, que é tingida com tinta de lula.
 

Exuberante e suculento

 
Servido na chapa, o mix de salmão grelhado com camarões salteados é sinônimo de leveza e sabor
 ( Arquivo Pessoal)
Servido na chapa, o mix de salmão grelhado com camarões salteados é sinônimo de leveza e sabor
 

Proteínas leves são sempre boas escolhas para curar a ressaca e o cardápio do restaurante Nau Frutos do Mar se encaixa bem nessa proposta. Em uma combinação exuberante de um corte suculento de salmão e camarões salteados (R$ 145), a refeição vem servida na chapa.

A porção é indicada para duas pessoas e a mistura de proteínas é apresentada coberta por tomates-cereja, alcaparras e champignon. Além disso, o prato é acompanhado da clássica portuguesa batatas ao murro e vem guarnecido com arroz de brócolis e couve-flor.

Segundo o sócio do local, Luiz Menezes, “o sabor da comida é extremamente natural e leve”. Isso se dá, também, porque a refeição é feita à base de azeite e as guarnições são assadas e feitas sem adição de óleo.
 

Nutrição no espeto

 
Espetinhos servidos com molho e complementos são ótimos para a ressaca de carnaval
 ( Arquivo Pessoal)
Espetinhos servidos com molho e complementos são ótimos para a ressaca de carnaval
 

Os espetinhos se tornaram clássicos do paladar brasileiro. Com um leque de variações, o restaurante Miau que Mia oferece a proteína no palito guarnecida com três acompanhamentos, à escolha do cliente. Segundo o proprietário da casa, Jeremias César Neto, o que diferencia os espetos do local em relação a outros estabelecimentos é a forma de preparo. “Nossos pratos são todos feitos no próprio restaurante. É comum que, em alguns lugares, a proteína já chegue pronta para esquentar”. Para o tempero, ele explica é utilizada uma mistura de sal grosso e pimenta-do-reino moídos.

As opções incluem carne vermelha, como alcatra (R$ 12,90, só o espeto, e R$ 22,90, com acompanhamento), cafta (R$ 12,90, só o espeto, e R$ 22,90, com acompanhamento), linguiça (R$ 9,90, só o espeto, e R$ 19,90, com acompanhamento) e carne de sol (R$ 9,90, só o espeto, e R$ 19,90, com acompanhamento). Além disso, há também coxa e sobrecoxa de frango grelhados (R$ 9,90, só o espeto, e R$ 19,90, com acompanhamento). O cliente pode ainda solicitar que a receita de cafta ou de alcatra seja ao modo “parmegiana”, coberta por queijo e molho de tomate (R$ 14,90, só o espeto, e R$ 24,90, com acompanhamento).

Para as guarnições, o Miau que Mia dispõe de uma grande opção de molhos para o espetinho: barbecue, alho, vinagrete e chimichurri. Além disso, o consumidor pode escolher ainda porções de arroz com brócolis, salada de alface e tomate, mandioca cozida na manteiga ou farofa de ovos. “Escolher uma proteína com algum acompanhamento leve não dá sensação de inchaço no estômago, como outros pratos. Por isso indico para um período de ressaca”, diz o dono do restaurante.
 

Vai uma sopinha aí?

 
A sopa de legumes com frango agrada neste período detox pós-carnaval
 (Sérgio Apolonio/Divulgação)
A sopa de legumes com frango agrada neste período detox pós-carnaval
 
Depois da farra carnavalesca, a alimentação saudável aparece sob os holofotes. A NutriVitae é um ótimo local para quem busca se desintoxicar após os dias de folia.

Um dos destaques são as sopas (R$ 9,20, a unidade), uma excelente pedida para quem busca uma dieta detox. São várias opções, entre elas, a sopa de grão-de-bico com espinafre, de abóbora com carne e a de legumes com frango. “A sopa é um alimento muito leve. Geralmente, nessas épocas, o pessoal acaba se alimentando muito mal e bebe muito. E a dieta detox é para dar uma limpada no organismo que foi sobrecarregado durante alguns dias”, aponta Laura Ferreira, uma das proprietárias do local.

Laura também é nutricionista e dá dicas de alimentação para estes dias de retorno do carnaval. “Ter uma alimentação mais leve, sem gordura e sem condimentos. Evitar carne vermelha, optar mais pelas carnes brancas e vegetais. Também ingerir poucos carboidratos. E sem fritura também”, ressalta.

 
Cumbuca detox

 
Preparados sem adição de açúcar industrializado, os bowls do Iviva são uma explosão de nutrientes (Arquivo Pessoal)
Preparados sem adição de açúcar industrializado, os bowls do Iviva são uma explosão de nutrientes


É comum que o sistema imunológico fique prejudicado após o carnaval. Por isso, o restaurante Iviva preparou opções de bowls detox. O Green Bowl é uma ótima pedida e vem em cumbucas de 300 ml (R$ 21) ou de 500 ml (R$ 27).

À base de banana, a opção é apresentada com couve, limão, espinafre e uma dose de spirulina. Além disso, a mistura conta com adoçantes naturais à escolha do cliente, como mel, xilitol ou tâmara. Por outro lado, o consumidor pode acrescentar uma suplementação à receita. As opções ofertadas pela casa são: pólen, whey protein, colágeno ou golden milk, à base de açafrão, canela e pimenta-do-reino.

Segundo a proprietária do Iviva, Ariela Nobre, o bowl substitui uma refeição. “Por causa da grande quantidade de nutrientes, funciona bem para uma ressaca de carnaval. O Green Bowl é um excelente detox, além de agir no aumento da imunidade”. Todos os bowls disponíveis na casa têm, também, as opções vegana e vegetariana.

COMENTÁRIOS

Os comentários são de responsabilidade exclusiva dos autores.

BARES E RESTAURANTES

CINEMA

TODOS OS FILMES [+]

EVENTOS






OK