Brasília-DF,
22/SET/2017

Fora do Plano: Conheça os restaurantes preferidos dos brasilienses

Os locais foram indicados por moradores das regiões administrativas do DF

Diminuir Fonte Aumentar Fonte Imprimir Corrigir Notícia Enviar
Rebeca Oliveira Renata Rios Publicação:17/03/2017 06:00Atualização:17/03/2017 10:07
De massa fininha e crocante, crepes da X-Krep bombam na Candangolândia ( Ana Rayssa/Esp. CB/D.A Press)
De massa fininha e crocante, crepes da X-Krep bombam na Candangolândia

Bares lotados e cheios de história. Casas com gastronomia diversificada e tradiconal. Novidades e tendências mais recentes do segmento. Essas situações poderiam identificar endereços gourmets das asas Sul e Norte. Ou quem sabe, de Águas Claras, uma “novata” que mostrou a que veio no setor alimentício. Mas nada disso. Esta semana, o Divirta-se Mais elenca o que há de destaque, nos arredores do Plano Piloto, indicado por quem mora nessas regiões administrativas.
 
A ideia é traçar um panorama não apenas do que já é de amplo conhecimento; mas voltar os olhos também às novidades que têm provocando burburinho em cidades como Santa Maria e Gama. Em Ceilândia, sabe-se que a feira local tem uma das melhores comidas nordestinas do Distrito Federal e que a Via Leste é repleta de bares bombados. Mas você conhece o Empório Tropical, um pouco mais afastado desse burburinho? Ou já ouviu falar do X-Krep, na Candangolândia, que tem uma massa fina e crocante como poucas creperias da cidade?
 
E o que dizer da hamburgueria Cerradu’s Burger, em Valparaíso (GO)? Em funcionamento desde dezembro, levou o conceito de hambúrgueres artesanais ao município do Entorno.
 
“Estamos no terceiro mês de funcionamento e já temos clientes fiéis, que não precisam ir a Brasília para ter uma ótima experiência gastronômica. Nós escutamos isso diariamente”, conta, satisfeito, Guilherme Rocha. Para a sorte de todos, os moradores também têm valorizado as pratas da casa.

Quem indica 

 
Conheça personagens ouvidos pela reportagem que nadam contra a corrente da ideia de que “a grama do vizinho é sempre mais verde”. Eles valorizam os bares, restaurantes e cafés das proximidades.

Planaltina | Laura Alves da Silva
Aos 42 anos, a professora está há 20 em Planaltina. “A cidade era muito parada, o cenário tem melhorado. Atualmente, tem alguns fast-foods que abriram por aqui, além de estabelecimentos bem legais, como é o caso do Pepe Nero e do Esquina 56. Antes, eu ia muito ao Plano Piloto pela falta de opções, mas hoje consigo ficar mais em Planaltina.”

Taguatinga | Jéssica Dias Melo
Jéssica, 22 anos, mora em Taguatinga desde os 5 anos. Ela conta que a descoberta do Chocolate do Cerrado foi por acaso: “Encontrei o lugar porque está no caminho da casa da minha irmã. Comecei a seguir o perfil da loja em uma rede social, fui conhecer o local e amei! Tudo muito delicioso, feito no dia, com a cara muito boa. Até comentei com as pessoas que trabalham lá que eles poderiam colocar uma placa maior, para aumentar a visibilidade do local”.

Sobradinho | Josemeire Duque Xaxá
Meire, como a moradora gosta de ser chamada, tem 41 anos, 23 deles vividos em Sobradinho. Ao longo desse tempo, a autônoma do ramo do vestuário relata: “Mudou muito, antigamente não tínhamos muitas opções para comer por aqui, só um fast-food e uma sorveteria. Tem aberto muitas coisas aqui. Isso é bom para as pessoas poderem ficar na cidade, não precisarem se deslocar para comer alguma coisa”, comemora.

Candangolândia | Bruno César Luchtenberg 
O publicitário de 29 anos mora na cidade há 20 anos e recomenda endereços populares, mas bem famosos. “Um deles é o Dog do Tico’s, onde sempre vou. A lanchonete está com dois pontos, um deles no centro da Candangolândia. Tem sucos diferentes, como o de umbu, e preços acessíveis. 
O outro espaço é o X-Krep, inspirado na série de HQs, que vende crepes artesanais”, diz.

Riacho Fundo | Alberto Francisco Rosa Neto
Servidor público de 44 anos, Neto viu o Riacho Fundo crescer. Há 27 anos na cidade, o estabelecimento que recomenda é o Lela Lanches. “Conheço desde a inauguração, vi o comércio crescendo nesse tempo”, relembra.

Santa Maria | Talita Casimiro 
Nascida na cidade, a comunicadora social de 27 anos tem na ponta da língua as respostas quando o assunto são os endereços que bombam na cidade. “Há pouco tempo, abriu a pizzaria Max Burger. O Bookafé, tem ótimos cafés, tortas e comidinhas. Na parte de comida regional, indico o Antoniu’s, que opera como self-service”.

Gama | Joyce Carvalho 
A blogueira e assistente administrativa de 24 anos tem dois lugares cativos: Bull’s Hamburgueria e Sensazione Gelateria Italiana. “A última abriu recentemente e já está bombando. Eles focam bastante na divulgação do produto. O ambiente é agradável e não deixa a desejar em relação ao que é vendido”, conta. 

Ceilândia | Victor Vogado 
O professor de geografia de 31 anos conhece a cidade há 28 anos. Indica o 14 Irmãos Rei do Dog. “Mas não é o trailer gourmet, é um ônibus transformado em restaurante especializado em cachorro-quente”. Outro destaque é a quantidade de bares, como o Empório Tropical e o Beer House. 

Valparaíso | Gabriella Desirée
Aos 26 anos, 11 deles vividos em Valparaíso, a assistente administrativa e consultora de vendas responde de prontidão: o lugar em alta na cidade atende pelo nome de Cerradu’s,  que vende hambúrgueres artesanais de primeira. “Há um milk-shake perfeito e vários drinques diferentes. Toda quinta-feira, eles lançam uma promoção diferente”, destaca.

Tradição à mesa

 
Uma das principais características dos negócios visitados pela reportagem do Divirta-se Mais, nos arredores do Plano Piloto, é a tradição. É comum que funcionem há, pelo menos, 10 anos, principalmente pelo vínculo estabelecido com os moradores, que se tornam quase membros de uma mesma família. Rafael Hermeto, proprietário da X-Krep, na Candangolândia, se enquadra nesse padrão. São 19 anos na ativa — 12 em lojas e outros sete com um trailer.
 
“Na Candangolândia, prevalecem as lanchonetes e restaurantes na linha fast-food”, explica Rafael, que logo tratou de se adaptar ao mercado local. “A longevidade do X-Krep tem várias razões. Muitos elogiam a massa fininha e crocante”, conta Rafael, que usa uma receita básica com farinha, ovos e leite, unida a uma dezena de sabores.
 
O Colosso de frango, muçarela, catupiry, milho e orégano custa R$ 11,90, mesmo preço do Sentinela, de banana, muçarela, chocolate ao leite, canela e açúcar. Por R$ 13, o cliente experimenta o Psico, de presunto, muçarela, catupiry, cheddar, milho, tomate, bacon, ovo e orégano.
 
Hambúrguer artesanal do Cerradus Burger, em Valparaíso, com pão de milho e disco de frango temperado (Pedro Augusto Ferreira/Divulgacao)
Hambúrguer artesanal do Cerradus Burger, em Valparaíso, com pão de milho e disco de frango temperado

Gourmet, sim, senhor

 
Hambúrguer é coisa séria e, de uns anos para cá, passou a substituir refeições tidas como formais com frequência, principalmente porque passou a contar com ingredientes selecionados e artesanais, em detrimento dos discos de carne industrializados à venda no supermercado.
 
Desde dezembro, a Cerradu’s Burger engrossou o filão de endereços voltados aos sanduíches premium. Mas, em vez de fincar raízes em algum endereço das asas do avião, escolheu o Valparaíso, no Entorno do DF, para receber o empreendimento.
 
O foco são hambúrgueres e drinks autorais. Boa ideia é começar pelo Leve (R$ 19), com pão de milho, 160g de hambúrguer de frango temperado, muçarela e molho barbecue. Mais parrudo, o Cerradu’s (R$ 29) tem pão brioche, dois hambúrgueres bovinos de 160g, quatro fatias de queijo cheddar, generosas fatias de bacon e molho defumado.
 
No outro lado da corrente, e com igual primor, entram os drinques, assinados por um dos sócios, Marcos Moz, barman há nove anos. O mais vendido, por R$ 15, tem o nome do restaurante. Trata-se de uma composição de vodca Stolichnaya, manga, maracujá, picolé de cajá-manga, syrup artesanal de laranja com hortelã e alecrim.
 
Redonda de calabresa, a estrela do menu da Pizzaria Max Burguer, em Santa Maria (Ana Rayssa/Esp. CB/D.A Press)
Redonda de calabresa, a estrela do menu da Pizzaria Max Burguer, em Santa Maria
 

Santa pizza!

 
Quem passa em frente à Quadra 1 da Avenida Alagados, em Santa Maria, tem se surpreendido com o movimento. O entra e sai de pessoas e o intenso fluxo de carros têm uma razão. Há cerca de cinco meses, uma das pizzarias mais famosas do Gama, com 15 anos de tradição, passou a funcionar também em Santa Maria.
 
De calabresa com molho especial, muçarela e orégano, a redonda sai por R$ 33,99 (P), R$ 37,99 (M), ou R$ 41,99 (G) — às terças, dia de menor movimento, o preço cai para R$ 29,90. 
 
“Havia clientes que saíam do Lago Sul e de Taguatinga e percorriam mais de 40km para comer na nossa unidade do Gama. Era comum lotação máxima, por isso, decidimos expandir a atuação para Santa Maria, de onde também vinham muitos de nossos fregueses”, explica o gerente Leonardo Oliveira.
 
Servida com espessura média, um dos diferenciais é a massa é acrescida de uma borda personalizada, passível de recheios.
 
O bufê é rico em opções: são mais de 60 receitas servidas na casa (Ana Rayssa/Esp. CB/D.A Press)
O bufê é rico em opções: são mais de 60 receitas servidas na casa
 

Para mineiros e goianos

 
Mais de 60 pratos da culinária mineira e goiana compõem o bufê, sempre variado, do Fogão Goiano. O local, aposta na mescla entre as tradicionais gastronomias e funciona há 15 anos em Sobradinho. Hoje, é um ponto de encontro para quem mora na região. “Como temos algum tempo de mercado, é comum pessoas que moram nos arredores, ou que vêm até a cidade, fazerem questão de comer aqui”, gaba-se José Belizário de Medeiros, ou “Pethé”, como o proprietário do local gosta de ser chamado.
 
Por R$ 39,90 o quilo, os clientes encontram preparos diários e alternativas especiais nas caçarolas do local. “Quinta é dia de rabada com agrião, mas temos arroz com pequi e galinha caipira todos os dias, por exemplo”, destaca Pethé. Segundo ele, um diferencial é o tempero, que não mudou ao longo desses anos. “Tentamos sempre manter os cozinheiros, nosso tempero é muito bom e os clientes procuram isso”, pondera.
 
No fim de semana, o preço fica um pouco mais alto (R$ 42,90), mas esse aumento é seguido por mais opções no bufê. “Aqui, a pessoa consegue comer toda semana um cardápio variado!”, conta. Sábado é dia da feijoada completa, feita com o tempero e o toque da casa. Para finalizar, a dica é aproveitar as sobremesas, R$ 29,90, o quilo. “Temos doces mineiros e goianos, como ambrosia, goiabada, doce de leite, doce de figo e até pudim de leite. Vale a pena aproveitar!”, finaliza.

Camarão ao alho e óleo, um clássico da cozinha de boteco, é vedete do menu do Empório Tropical
 (Ana Rayssa/Esp. CB/D.A Press)
Camarão ao alho e óleo, um clássico da cozinha de boteco, é vedete do menu do Empório Tropical

A festeira Ceilândia 

 
Quem mora em Ceilândia sabe que a Via Leste é point certeiro se o assunto é badalação. Mas, o que poderia ser um dos maiores trunfos se transforma, também, em um motivo de receio de muitos fregueses. Por conta do intenso movimento, muita gente prefere escolher bares situados em outros locais, com comodidades como vagas disponíveis para estacionar.
 
“Ficamos próximos da rua da Administração. Isso ajuda um pouco porque fugimos daquela parte mais estressante, como a procura por estacionamento, por exemplo. Sem falar da localização de fácil acesso”, diz Evaldo Pedrosa, sócio do Empório Tropical, um dos botecos que aderiu a estratégia de fugir do burburinho. A ousadia deu certo. A casa lota e até festas de casamento já foram feitas no espaço, com direito a juiz de paz.
 
Enquanto o camarão ao alho e óleo (R$ 49,90) é a vedete na parte de tira-gostos, no quesito bebidas, a preferência do público se reveza entre os drinques e as cervejas, ambos servidos estupidamente gelados. No primeiro caso, abundância é o que define as alternativas. São 17 tipos de coquetéis. Vale experimentar o coconut (R$ 12,90), com licor malibu, suco de maracujá, leite condensado e creme de leite, o xodó dos clientes.

A salada é montada com sete itens, à escolha do cliente (Lela Lanchonete/Divulgacao)
A salada é montada com sete itens, à escolha do cliente

Para toda região

 
Inaugurado há 9 anos no Riacho Fundo I, o Lela Lanches consegue transpor a barreira da sua região administrativa e atender uma clientela que se estende pelo Núcleo Bandeirante, Águas Claras e pelo ParkWay, por exemplo. “Temos uma casa com 35 lugares e um cardápio bastante diversificado”, explica Alexandre dos Santos, proprietário.
 
No local, o cliente pode escolher entre uma vasta gama de alternativas que vão de grelhados acompanhados por salada (R$ 15,40, frango, R$ 19,40, tilápia, R$ 20,90, filé-mignon) até sucos, vitaminas e açaí.
 
Nas saladas, o esquema é simples. O comensal escolhe o grelhado, sete itens para montar a salada e um molho para temperar a mistura. “É um prato farto, e temos três opções de grelhados, vale a pena experimentar”, sugere.
 
Entre as opções que Alexandre destaca, há o hambúrguer, com diversas montagens o preço começa em R$ 12,90 e vai até R$ 24,90. O preparo faz parte do cardápio desde a inauguração da casa, mas, há 5 anos, ele passou por um processo de melhora. “Mudamos a receita do hambúrguer, passamos a fazer um preparo artesanal, seguindo a tendência do mercado”, relembra.
 
 A isca de frango é um dos petiscos mais pedidos (Arquivo Pessoal)
A isca de frango é um dos petiscos mais pedidos
 

Boa música, bons petiscos

 
A música boa é a excelência do Esquina 56. A casa aposta em um repertório de samba, MPB, rock, blues e jazz durante a noite. “Quando eu era jovem, era roqueiro. Por isso, quando surgiu a oportunidade de abrir um estabelecimento, não quis colocar o sertanejo, mas outros gêneros”, relembra Eduardo Cabral Durantes, sócio da casa. Já nas caçarolas, quem comanda é o chef Leandro Fernandes.
 
“Eu estava interessado em um bar quando o estabelecimento que ficava neste ponto fechou. Então resolvi assumir o local. Reformulamos o repertório musical, o cardápio e o resultado está muito legal”, se gaba. “Cresci em Planaltina e, na hora de pensar onde abrir o Esquina, esse lugar era um sonho”, acrescenta Eduardo.
 
Já no cardápio, muitas opções saltam aos olhos, entre elas, a sugestão é a isca de frango empanada e acompanhadas de batatas rústicas.

Programação semanal
 
Durante toda a semana, o Esquina 56 aposta em músicos de gêneros variados para atraIr o público:
 
• Segunda-feira: Samba raiz
 
• Terça-feira: MPB e jazz
 
• Quarta-feira: Blues
 
• Quinta-feira e sexta-feira: MPB
 
• Sábado e domingO: Rock/MPB
 
A vitrine da loja apresenta os preparos feitos para o dia (Bárbara Cabral/Esp. CB/D.A Press)
A vitrine da loja apresenta os preparos feitos para o dia
 

Docinhos de todos os estilos

 
Não importa qual a cidade de origem, os doces guardam um lugar especial no coração e na barriga de muitos comensais. É exatamente essa a aposta de Nilvânia Souza, dona da Chocolate do Cerrado. Na loja, a freguesia se depara com diversos preparos de doces a bebidas quentes, tudo digno de arrancar suspiros de quem vai ao estabelecimento.
 
Entre as opções dispostas na bela vitrine da casa, o cupcake recebe um destaque especial. Nilvânia sugere que os clientes experimentem o de churros (R$ 6), feito com massa de pão de ló com canela, recheado e finalizado com doce de leite.
 
“A receita americana é muito amanteigada então, faço uma adaptação para o bolo ficar mais fofinho”, explica. Ela ainda complementa: “Quase todas as receitas originais dos EUA não agradam, são muito doces ou muito gordurosas, por isso, adapto tudo e os clientes gostam!”.
 
Já para beber, a pedida é o capucino cascão, o preferido na loja. O tradicional capucino vem à mesa em uma montagem diferente. Por R$ 9,50, o cliente recebe a bebida com uma borda de Nutella e paçoca. Para acompanhar, ainda vale provar a coxinha de brigadeiro e morango da loja.
 
Na receita, o morango é envolvido por brigadeiro gourmet e finalizado com os tradicionais granulados.
 
Na Sensazione, gelatos são usados como base para montagem de taças e sobremesas (Ana Rayssa/Esp. CB/D.A Press)
Na Sensazione, gelatos são usados como base para montagem de taças e sobremesas

 
Gelado e nobre

 
É da itália que a dupla Bruno Miguel de Moraes e Douglas Coelho tirou inspiração para a Sensazione Gelateria Italiana, especializada em sorvetes sem gordura vegetal ou hidrogenada, ou seja, bem diferentes e muito mais saudáveis que os encontrados nas prateleiras dos supermercados.
 
Feitos basicamente de creme de leite fresco e leite integral fresco, faltava um endereço que comercializasse o gelato no Gama, onde a casa funciona há cerca de um mês. “Somos a primeira gelateria da região Sul, que engloba Santa Maria, Riacho Fundo, Gama, Santa Maria e Valparaíso”, orgulha-se Bruno Miguel.
 
Por lá, o item é vendido puro em porção de 100g, a R$ 9 (até dois sabores), ou 140g por R$ 11 (até três sabores). Entre as alternativas, sobressaem-se o dark (com 55% de cacau), pistache, doce de leite argentino e chocolate belga.
 
No cardápio, há, ainda, três sobremesas feitas à base do gelato. Caso do grand gatêau (R$ 26), com gelato fiore di latte, bolo de chocolate 55% cacau, morangos picados e caldas de Nutella. Molhadinho e saboroso, o bolo usado na receita é feito pela chef-confeiteira Laisa Morgana, também do Gama.
 
Campeã de vendas, a taça (R$ 23) com nome da gelateria tem três sabores à escolha do cliente, morango em pedaços, castanha de caju, além de calda e borda de Nutella.


ONDE COMER
 
Cerradu’s Burger 
(Qd. 29, Cs. 4, Et. C, Valparaíso 1; 3627-2697), aberto de terça a domingo, das 19h às 3h30.

Chocolate do Cerrado 
(QNL 2, conj F, lt 17, lj 1, Taguatinga; 3297-9016), aberto todos os dias, das 14h às 22h.

Empório Tropical 
(QNM 7, Conj. O, Lt. 45, Ceilândia; 98453-4795 e 3573-3295), aberto de domingo a quinta, das 11h à 0h; e sexta e sábado, das 11h às 2h.

Esquina 56 
(Rua 15 de Novembro, Qd 56, lt 3 e 4, em frente a praça do museu, Planaltina; 3308-1065), aberto todos os dias, das 17h30 à 1h.

Fogão Goiano 
(Qd 6, CL 16, em frente ao Bradesco, Sobradinho; 3591-6779), aberto todos os dias, das 11h às 15h.

Lela Lanches 
(QS 4, conj 11, cs 9, Riacho Fundo I; 3257 2305), aberto todos os dias, das 16h30 às 23h30.

Pizzaria Max Burguer 
(Avenida Alagados, Qd. 1, Cj. C, Lt 2, Santa Maria; 3392-2727), aberto diariamente, das 16h à 1h.

Sensazione Gelateria Italiana 
(Qd. 11, Lt. 5, Setor Central, Gama; 3256-7628), aberto diariamente, das 12h às 22h.

X-Krep 
(QRO A, Conj. R/T, Lt. 8, lj. 2, Candangolândia, próximo à Administração Regional; 98464-3475), aberto diariamente, das 17h à 0h.

COMENTÁRIOS

Os comentários são de responsabilidade exclusiva dos autores.

BARES E RESTAURANTES

CINEMA

TODOS OS FILMES [+]

EVENTOS






OK