Brasília-DF,
23/ABR/2018

Restaurantes em Brasília oferecem contato com a natureza

Aproveite o finalzinho das férias escolares para conhecer restaurantes que unem gastronomia de qualidade e a proximidade com o campo

Diminuir Fonte Aumentar Fonte Imprimir Corrigir Notícia Enviar
Renata Rios Beatriz Queiroz* - - Publicação:19/01/2018 06:00Atualização:22/01/2018 10:39
No Empório da Mata, o cliente se sente fora da cidade (Ana Rayssa/Esp. CB/D.A Press)
No Empório da Mata, o cliente se sente fora da cidade

Em um mundo no qual a tecnologia tomou conta, as gerações parecem cada vez mais distantes da natureza. Tirar leite da vaca, pegar ovo no galinheiro, colher fruta no quintal ou plantar uma horta são atividades raras no cotidiano urbano, corrido e prático.

 

O supermercado virou a fonte de tudo. O ovo vem na caixinha. A carne nem parece que foi um animal um dia — é apenas mais um dos produtos que levamos das prateleiras.

 

Na contramão de toda essa praticidade, existem locais no Distrito Federal onde o cliente passa por diversas experiências que o conecta com a natureza. “A maioria das pessoas que nós recebemos tem a expectativa de apresentar às crianças um pouco dessa realidade”, explica Márcio Ferreira, gerente do Hotel Fazenda Brasília Resort.

 

Outro local no qual as crianças se encantam com a natureza é o restaurante Vista Linda.  “Os pais podem aproveitar o espaço para descansar, já os pequenos correm, brincam e gastam a energia acumulada nos dias de férias”, garante o proprietário da casa, Gouthier Dias.

 

Ainda para quem busca uma aventura não tão distante, o Cantina Della Mamma, localizado no Centro Hípico do Lago Sul, exibe ar descontraído. Enquanto o comensal desfruta de um dos quitutes do local, é possível ver a pista repleta de cavalos em treinamento. 

“O nosso público é especialmente família, os pais gostam de ir e deixar as crianças livres. Temos um parquinho grande e bastante espaço para as crianças correrem”, garante a representante do espaço Palloma Muterlle. 

 

Fabio Martins, da Churrascaria Paranoá: %u201CMuita gente quer conhecer o local onde JK comia%u201D (Carlos Vieira/CB/D.A Press)
Fabio Martins, da Churrascaria Paranoá: %u201CMuita gente quer conhecer o local onde JK comia%u201D
 

Aula de história

Em plena crise hídrica, a churrascaria Paranoá parece o local ideal para levar os pequenos. Localizada no Estacionamento da Barragem do Paranoá, serve como uma aula para os pequenos que apreciam desde a bela vista do lago até a cena de as comportas da barragem sendo abertas. “Nesta época de chuva, a barragem fica aberta. As crianças adoram”, garante o chef e proprietário Fábio Martins dos Santos.

 

No local, além de fotos e decorações que servem como uma aula de história para os pequenos, dois parquinhos garantem espaço para extravasar a energia.

 

“Como uma das casas mais antigas de Brasília, esse local é um museu vivo. JK costumava vir aqui durante a construção da capital, e isso atrai muita gente que quer conhecer o local onde o presidente comia”, comemora Fábio.

 

No menu, muitas opções, entre elas a galinha caipira (R$ 130), feita no local desde 1956, o ano em que se abriu a casa. O prato serve quatro pessoas e acompanha arroz, farofa e polenta ou pirão. Para quem busca algo mais exótico, vale encomendar a moqueca de jacaré ou o jacaré frito. “Esse é um prato que só faço por encomenda, mas é muito saboroso. A carne do jacaré lembra uma mistura de frango com peixe”, revela.

 

No Hotel Fazenda Brasília Resort, o cardápio inclui pedidas como o filé à parmegiana (Arthur Menescal/Esp. CB/D.A Press)
No Hotel Fazenda Brasília Resort, o cardápio inclui pedidas como o filé à parmegiana
 

Diversão radical

O peixe frito é um dos destaques no cardápio do Rancho Moreira
Descanso e pescaria (Facebook/Reprodução)
O peixe frito é um dos destaques no cardápio do Rancho Moreira Descanso e pescaria
 

 

Quando se fala em sair da cidade, é quase involuntário pensar em uma longa viagem de carro, mas isso não é necessário se você optar por aproveitar o dia ou o fim de semana no Hotel Fazenda Brasília Resort. O local recebe a clientela de duas formas. A primeira é como parte do day use (R$ 40, por pessoa; R$ 20 para crianças de 6 a 11 anos; menores de 5 anos não pagam), a pessoa tem direito a passar o dia no local e a usufruir da infraestrutura. Já o outro modelo é a hospedagem, que sair por R$ 350, o casal — com café da manhã e jantar inclusos.

 

Para comer, o filé à parmegiana (R$ 65,90) com batata frita, salada e arroz ou espaguete é um tiro certeiro. O preparo é um queridinho das crianças, mas também não faz feio com os pais. “Esse é um prato para duas pessoas, mas uma família de três pode pedir”, garante o gerente do local, Márcio Ferreira, que ainda brinca: “Que criança não gosta de batata frita?”.

 

Outra pedida que também é muito querida na casa é o peixe frito (R$ 65,90) guarnecido de arroz, feijão carioca, farofa, batata frita e salada.

 

Já para a criançada aproveitar, o que não falta é atração. O local acumula atrações, como stand up (R$ 15), passeio a cavalo (R$ 15), trilha para caminhada, pesque-pague, leite no curral, passeio na horta, piscinas, toboágua, balde que joga água e sauna. “Nosso espaço recebe muitas famílias e a maioria quer que os filhos convivam com a natureza”, pontua.

 

Sombra, grama e água fresca

Os fins de semana no Rancho Moreira são ideais para quem busca um local para se divertir com a família. Repleto de atividades, o local recebe, em média, 30 famílias por domingo. “Tem muitas crianças, muito espaço com sombra. Todo mundo aproveita. Tem atividade para todos”, garante o proprietário do local, Ronan Moreira.

 

A galinha caipira (R$ 129) do rancho não é qualquer uma. O animal é criado e abatido ali mesmo. “Nossa galinha é feita com açafrão, alho e cebola para valorizar bem o sabor. O molho pode ser pardo, mas para quem desejar, retiramos o sangue”, descreve Ronan. A casa ainda oferece outras alternativas, como a carne de sol (R$ 69). São 10 opções de acompanhamentos e o cliente tem direito a quatro.

 

Sobre o local, o proprietário garante que o espaço agrada: “Temos muita área verde. Tudo com grama e sombra, o que é ótimo para as crianças brincarem”. Vale a pena ficar de olho no Facebook do rancho, para conferir as apresentações musicais ao vivo que costumam acontecer aos domingos. Além disso, o espaço conta com pôneis, pesque pague, pedalinho, piscina e passeio de charrete.

 

Galinha caipira do Pesque-pague Buritis serve até seis pessoas  (Pesque pague Buritis/Divulgação)
Galinha caipira do Pesque-pague Buritis serve até seis pessoas
 

Descanso e pescaria

O Pesque-pague Buritis, no Gama, traz de volta a ideia de pescar o próprio alimento e oferece descanso e tranquilidade. “É um espaço simples, porém muito acolhedor”, garante o proprietário Julisvaldo Miranda, que comanda o local com a esposa Denise.

 

O restaurante do local oferece lanches, pratos feitos e porções simples e completas. A galinha caipira (R$ 85, meia; R$ 130, completa) é o principal pedido dos clientes. O preparo é servido com arroz, pirão, quiabo, salada e feijão e serve de três a seis pessoas.

 

Os amantes da pesca podem aproveitar os tanques e levar um peixinho para casa. O local oferece aluguel de varas (R$ 2) e ração (R$ 2, copo) para ajudar na pescaria e possui três tipos de peixe: tambaqui, piau e tilápia (a partir de R$ 20, o quilo).

 

No cardápio também estão as porções de tilápia (R$ 60, para 2 pessoas; R$ 90, para 4 pessoas), que acompanham arroz, feijão-tropeiro e salada; e de carne de sol (R$ 45, simples; R$ 65, para três pessoas). A versão simples vem com mandioca e salada completa e é acompanhada de arroz, feijão-tropeiro, salada e mandioca.

 

O peixe frito é servido de várias maneiras no Bica D%u2019Água (Pesque pague Bica D'água/Divulgação)
O peixe frito é servido de várias maneiras no Bica D%u2019Água
 

Todo dia é dia de pescar

No Pesque-pague Bica D’Água, todo dia é dia de sair da rotina e aproveitar para pescar. Com dois tanques e espécies variadas, o local permite que os clientes levem para casa os pescados por R$ 16, o quilo, com exceção do surubim, que custa R$ 25.

 

O peixe não é apenas para diversão da pesca, mas também para comer. Sucesso entre os frequentadores, o peixe inteiro frito serve como aperitivo (R$ 35) e também como refeição (R$ 68 para até quatro pessoas), com arroz, feijão-tropeiro e salada.

 

A galinha caipira (R$ 130 para até seis pessoas) também é uma opção para os clientes. O preparo é servido com arroz, feijão-tropeiro, quiabo, abóbora e salada. A sobremesa combina com o calor da cidade e tem opções de sorvete no self-service (R$ 3, 100g).

 

O Bica D’Água oferece uma vista diferente da que as crianças estão acostumadas. “É uma área bem rural, com gansos e galinhas soltos, árvores com frutas que elas podem subir e todos podem pegar”, explica o gerente Tyago Amorim. Eles também oferecem área para churrasco, pela qual os clientes pagam uma taxa de R$ 50 para levar comidas de fora ou podem consumir tudo no local e não pagar pelo espaço.

 

Os pratos infantis do Vista Linda são preparos que agradam a qualquer criança (Arthur Menescal/Esp. CB/D.A Press)
Os pratos infantis do Vista Linda são preparos que agradam a qualquer criança
 

Capixaba no cerrado

O café colonial da Cantina Dolce Mamma é servido às margens das pistas, onde cavalos e cavaleiros treinam (Palloma Murtelli/Divulgação)
O café colonial da Cantina Dolce Mamma é servido às margens das pistas, onde cavalos e cavaleiros treinam

 

Quando se fala em descanso, sair da correria do concreto e ir para um ambiente bucólico parece “resetar” o cansaço acumulado pelas semanas. Tudo isso pode ficar ainda melhor se agregado a uma boa rede enquanto a molecada corre e brinca. É exatamente essa a proposta do Vista Linda. O local, especializado em gastronomia capixaba, oferece — além da vista deslumbrante — casa de boneca, mesas de sinuca, redário, trilha no cerrado e parquinhos.

 

Entre as opções de pratos que o chef e proprietário Gouthier Dias  indica para os pequenos estão o estrogonofe de carne ou frango, acompanhado de batata palha e arroz (R$ 28), ou o picadinho guarnecido de arroz e batata frita (R$ 26).

 

“Para os pais sugiro o Gourjon (R$ 59), petisco de cação empanado e acompanhado do molho tártaro da casa”, comenta Guto. 

 

Outra pedida recai nas moquecas (a partir de R$ 134,90, para duas pessoas), feitas à moda capixaba, claro. 

 

 

Cavalos e muito mais

Aos sábados, domingos e feriados, a Hípica do Lago Sul, ganha um atrativo extra. Além do parquinho, da área verde e claro, dos cavalos, o público pode se sentar no restaurante do local, a Cantina Dolce Mamma, e se deliciar com um farto e atraente café colonial (R$ 26,90, por pessoa; R$ 15, para crianças de 5 a 10 anos, menores de 5 anos não pagam).

 

“O nosso público é especialmente família, os pais gostam de ir lá e deixar as crianças livres, temos um parquinho grande e bastante espaço para as crianças correrem, além de as crianças adorarem passear pela Hípica e ver os cavalos”, explica Palloma Vieira Muterlle, representante do local.

 

Na mesa servida, o cliente encontra ovo mexido, molho de salsicha, cuscuz, bolos, pães, biscoitos, além de tapiocas e waffles feitos na hora. “Temos sempre dois tipos de suco natural, além de café, chá e iogurte”, ressalta Palloma.

 

Durante a semana, o cardápio fica mais restrito, mas ainda conta com salgado, picolés e bolos. Ela anuncia: “Aos domingos, oferecemos passeio a cavalo por R$ 10 para as crianças, além de os interessados poderem agendar uma aula experimental na hípica”.

 

O leitão à pururuca é um dos pratos mais pedidos do Trem da serra (Trem da Serra/Divulgação)
O leitão à pururuca é um dos pratos mais pedidos do Trem da serra
 

Comida de roça

A pouco mais de 30km do centro de Brasília, o Trem da Serra une contato com a natureza, diversão e gastronomia para garantir uma experiência gostosa para adultos e crianças. “Aqui é um espaço para curtir, vir cedo, passear, pedir um petisco, levar as crianças para ver os bichos, é um programa bem familiar”, explica o proprietário Renato Bravo.

 

Para começar as refeições na casa, uma boa dica é o trio da roça (R$ 59,90), que vem com linguiça de pernil, torresmo e mandioca frita, aperitivos clássicos da casa. O almoço pode ficar por conta do carro-chefe, o leitão à pururuca (R$ 299,90). O pernil de leitão de 50 dias é acompanhado de arroz colorido, couve refogada, mandioca frita e feijão-tropeiro e serve até seis pessoas.

 

Para finalizar a refeição com um gostinho de comida da roça, Renato indica o mineiro gelado (R$ 25,90). “É uma versão caipira do petit gatêau. Consiste em bolo de milho quente com doce de leite quente, sorvete de creme e pedacinhos de castanha de caju”, descreve.

 

Antes ou depois de provar as receitas da mãe de Renato, Dona Carminha, o passeio pelo espaço completa a experiência. O Trem da Serra conta com parquinho, piscina para crianças, trilhas ecológicas de até 1,5km e espaço com bichos, como vacas e galinhas.

 

O encanto e o macarrão de abobrinha são ótimas pedidas para as crianças (Ana Rayssa/Esp. CB/D.A Press)
O encanto e o macarrão de abobrinha são ótimas pedidas para as crianças
 

Obrigado, mãe natureza!

O Empório da Mata aparece como um oásis em meio ao universo urbano do Jardim Botânico. O espaço permite que o cliente se sinta fora da cidade, embora esteja a poucos quilômetros dela, e tenham uma experiência diferente, como explica a proprietária Lídia Isaias.

“Tenho um local com árvores, balanço, fora os bichinhos, como pato, marreco, galinha e outras aves. É uma espécie de fazendinha que encanta as crianças”, afirma Lídia.

 

O espaguete de abobrinha com molho de tomate fresco e manjericão (R$ 37) é um dos queridinhos das crianças. 

 

O molho é feito na casa e o manjericão colhido na horta da qual Lídia tira outros temperos, como salsinha, hortelã, tomilho e cebolinha. 

 

A abobrinha é levemente refogada no azeite com alho e sal temperado na casa com produtos da horta. O preparo é acompanhado de queijo parmesão ralado, ao gosto do cliente.

 

Outra opção que costuma chamar a atenção dos pequenos, e também dos grandes, é o encanto (R$ 20, porção com 12 unidades). Os pastéis são feitos com massa artesanal e recheados com muçarela e orégano. 

 

A sobremesa pode ser a taça de manga ao coco (R$ 22), que leva cubinhos da fruta cozidos no açúcar queimado com leite de coco servidos com sorvete de coco e amêndoas tostadas.

ONDER COMER 

Cantina Dolce Mamma (Rodovia 001, KM 26, Fazenda Piquet; 982048228), aberto de terça a sexta, das 8h30 às 12h30 e das 14h30 às 18h30; sábado e domingo, das 8h às 12h.

 

Churrascaria Paranoá (Estacionamento da Barragem do Paranoá; 99262-2056 / 99214-4193), aberto de terça a domingo, das 11h às 20h.

 

Empório da Mata (SHJB, Mansões Mata da Anta, Cond Vila Empório da Mata - Ch 15; 3247-1312), aberto quarta e quinta, das 19h às 23h; sexta e sábado, das 12h às 16h e das 19h à 0h, domingo e feriados, das 12h às 17h.

 

Hotel Fazenda Brasília Resort (BR-060 km 20; 99333-7792), aberto de quinta a domingo, das 9h às 17h.

Pesque pague Bica D'Água (Gleba 3.379, Incra 7, Brazlândia; 3461-4002), aberto diariamente, das 9h às 18h.

 

Pesque pague Buritis (BR-060 km 19, Gama; 3702-1228), aberto diariamente, das 8h às 18h.

 

Rancho Moreira (DF-180, Fazenda Água Santa, Chácara 15, Ceilândia; 99985-8540), aberto de sexta a domingo, das 9h às 18h.

 

Trem da Serra (Núcleo Rural 2, ch 46, Sobradinho; 99965-7446), aberto de sexta a domingo, das 11h às 17h.

 

Vista Linda (Núcleo Rural Lago Oeste, Rua 14, chácara 379; 3302-5939), aberto sábado e domingo, das 12h às 16h, mediante reserva. Para outras datas é necessário agendamento prévio.

 

*Estagiária sob supervisão de Vinicius Nader 

COMENTÁRIOS

Os comentários são de responsabilidade exclusiva dos autores.

BARES E RESTAURANTES

CINEMA

TODOS OS FILMES [+]

EVENTOS






OK