Brasília-DF,
16/DEZ/2018

Entradas e pratos principais formam duplas de sucesso nas refeições

Confira restaurantes da capital com opções de pratos para iniciar bem a refeiçãp

Diminuir Fonte Aumentar Fonte Imprimir Corrigir Notícia Enviar
Rebeca Borges* Renata Rios Publicação:28/09/2018 06:00
No Nebbiolo, a entrada de sucesso é o Foie Gras, que funciona bem com o Pato confitado, prato principal (Carlos Vieira/CB/D.A Press)
No Nebbiolo, a entrada de sucesso é o Foie Gras, que funciona bem com o Pato confitado, prato principal

 
A entrada e o prato principal podem ser uma combinação de muito sucesso. São inúmeras as formas de juntar uma bela entrada e um majestoso prato principal e, quem se interessar, pode aproveitar o fim de semana para desbravar as casas de Brasília. “A entrada tem essa coisa boa de fazer as pessoas conversarem um pouco mais”, pondera Fernando Coelho, proprietário do L’Entrecôte de Paris.
 
A entrada é um momento para descontrair, escolher bem o que pedir como prato principal e até desfrutar de uma bebida. No El Point Peruano, todos os clientes da casa levam de cortesia um charmoso couvert que conta com chips de batata-doce e taqueños, uma espécie de pastel recheado com o lomo saltado. “Essa é uma forma de fazer um agrado para os clientes. Eles também ficam mais tranquilos para poder escolher o que vão pedir”, explica Dandy Abadie, sócio do estabelecimento.
 
Outro local onde as entradas brilham diariamente é no Le Bistrot 207. O pequeno bistrô, escondido em um prédio empresarial, aposta na criatividade e inovação a cada preparo, seja no prato principal, seja na sobremesa. “Sempre temos a saladinha de folhas como guarnição e um preparo. Hoje, por exemplo, colocamos um ceviche de frutos do mar como entrada”, revela Raquel Pacheco.
 
Para finalizar, um local onde a elegância e a qualidade aparecem em cada detalhe dos preparos é o Nebbiolo Restaurante. A casa trabalha com entradas elaboradas e muito saborosas, como é o caso do Foie gras, que aposta no ingrediente nobre como um diferencial. “A entrada não pode se sobressair ao prato principal. Ela deve abrir o apetite e tem que ser leve”, explica a proprietária do restaurante Cláudia Castro.

*Estagiária sob supervisão de Igor Silveira 

As brusquetas são entradas que proporcionam sensação de saciedade (ndré Lima/Divulgacao )
As brusquetas são entradas que proporcionam sensação de saciedade

Sabor italiano


As brusquetas são entradas tipicamente italianas. Essa iguaria é um dos sucessos do restaurante Cantina da Massa. Alda Bressani, proprietária do estabelecimento, explica que, apesar de ser uma entrada, a brusqueta dá bastante saciedade. “É um prato quente, quase uma refeição”, afirma.
 
“A gente usa a bisnaga do pão italiano. É sempre importante que não seja um pão do mesmo dia. Tem que ser um pão mais firme, para que a gente possa cortar”, conta Alda. As brusquetas (R$ 43,90) levam alho e manteiga, e depois são torradas e recheadas. A porção com cinco brusquetas leva iguarias nos sabores marguerita (muçarela de búfala, molho sugo, tomate cereja, alho e manjericão ao forno), brie derretido com figos frescos, parma e mel, rúcula e tomate italiano e berinjela. “A porção tem cinco unidades: vai uma de cada do cardápio e a quinta é sempre uma novidade da casa”, ressalta Alda.
 
A proprietária explica que, apesar de trazer bastante saciedade, a brusqueta pode ser apreciada com massas: as do estabelecimento são caseiras, elaboradas com farinha de grano duro. Uma das opções é o clássico espaguete (R$ 49,90). Quem busca uma opção mais leve pode apostar nas saladas, que variam entre R$ 33,90 e R$ 47,90.

O restaurante Árabe Gourmet oferece diversas iguarias árabes no menu degustação (Ana Rayssa/Esp. CB/D.A Press)
O restaurante Árabe Gourmet oferece diversas iguarias árabes no menu degustação

Mais que um passeio gastronômico


A fartura da culinária árabe é a marca registrada do restaurante Árabe Gourmet. Eduardo Haddad, um dos proprietários do estabelecimento, conta que a proposta da casa é servir um “passeio gastronômico”. O restaurante oferece um menu degustação (R$ 79,90, preço comum; R$ 59,90, preço promocional) com diversas iguarias da culinária do Líbano e da Síria.
 
Dividido em três etapas, o menu especial começa com uma espécie de entrada com pratos frios. “A primeira etapa conta com sete pastas: quibe cru, coalhada seca artesanal, homus, babaghanush, abobrinha com especiarias libanesas, salada de berinjela e tabule”, afirma Eduardo. Além disso, estão disponíveis pães sírios quentes. “O cliente vai degustando tudo isso enquanto as outras etapas ficam prontas”, ressalta Eduardo.
 
A segunda etapa é composta por pratos salgados, como miniquibe crocante, miniesfirra, esfirra folhada e falafel. “Nosso quibe tem uma massa bem fina e é crocante por fora”, conta Eduardo. O terceiro passo é a finalização da refeição, e conta com arroz árabe, arroz com lentilha, arroz com frango, castanhas e grão-de-bico, charutos de uva e repolho e kafta.

O prato Entrecôte é a marca registrada do restaurante L%u2019Entrecôte de Paris (Ana Rayssa/Esp. CB/D.A)
O prato Entrecôte é a marca registrada do restaurante L%u2019Entrecôte de Paris

Clássicos à moda francesa


O restaurante L’Entrecôte de Paris oferece clássicos da gastronomia francesa no cardápio. “É um restaurante simples, objetivo, rápido e bom”, afirma Fernando Coelho, proprietário do estabelecimento. Entre as opções de entrada, o couvert classique (R$ 16) é uma alternativa para os que buscam compartilhar quitutes rápidos enquanto desfrutam de uma conversa e aguardam o prato principal.
 
“Eu classificaria o couvert como um prato pré-refeição”, explica Fernando. A iguaria consiste em uma cesta de torradas, com manteiga de ervas, patês de tomate seco e de azeitonas pretas e uma minibaguete aquecida na hora. “O couvert funciona muito bem com um vinho. No Brasil, ele é opcional. Na França, ele é comum, mas mais simples: apenas uma cesta com pães cortados”, conta o proprietário.
 
A iguaria da casa, o Entrecôte (R$ 49, com 160g; R$ 59, com 190g; R$ 69, com 230g), é a única opção de prato principal no menu. A refeição consiste em um corte francês, acompanhado por batata frita. “A carne vai à grelha, que dá um sabor de churrasco”, conta Fernando. Além disso, o prato conta com um molho especial. “Ele tem 21 ingredientes e leva 36 horas para ficar pronto”, ressalta Fernando.

  A sugestão é dar sequência à entrada com outra carne vermelha (Gilberto Evangelista/Divulgacao)
A sugestão é dar sequência à entrada com outra carne vermelha

Sequência suculenta de carnes

 
Quem vai ao La Tambouille, precisa reservar um pouco de tempo para poder cumprir todas as etapas que a casa oferece. Primeiro, vale apostar no couvert da casa. “Nosso couvert é muito famoso e diferenciado. Temos clientes que vêm para cá comer apenas ele!”, brinca o chef Kenis Henon, que destaca os pães, as pastas e, claro, o azeite diferenciado servido.
 
Na sequência, a entrada pode ser o delicioso carpaccio da casa, feito da maneira clássica, regado com molho de mostarda e mel e finalizado com parmesão (R$ 44). “Essa é uma entrada que para seguir a lógica deve ser acompanhada com uma carne vermelha”, explica o chef, que revela ainda que por ser muito suave, nem sempre essa regra é seguida pela clientela.
 
Como sugestão de sequência, o prato principal que o chef aposta é o Medalhão Bordelaise com ravióli de brie (R$ 85). “Nesse caso, o molho de vinho da carne é adocicado, e por isso, faz a ligação com o molho mostarda e mel do carpaccio. Já o queijo, que na entrada se tratava de um parmesão, na sequência vem no brie, para rechear os raviólis”, conta o chef.

O pato é a sugestão no prato principal enquanto o ganso vem na forma do foie gras, na entrada (Carlos Vieira/CB/D.A Press)
O pato é a sugestão no prato principal enquanto o ganso vem na forma do foie gras, na entrada

Quase irmãos


No Nebbiolo Restaurante o comensal chega a casa com a certeza de boas matérias-primas. O é conhecido pela qualidade dos produtos que disponibiliza para sua clientela e o resultado é o sabor diferenciado dos preparos oferecidos. “A entrada é o primeiro contato, o primeiro impacto que o comensal terá com a nossa cozinha”, pontua a proprietária Cláudia Castro sobre a importância desta etapa da refeição.
 
Para começar, a sugestão de Cláudia é o Foie gras (R$ 69). Nessa entrada, o comensal recebe um crostini com terrine de foie gras e compota de figo feita na casa. “Essa entrada tem uma sintuosidade que combina bem o com pato, que é a sugestão para a sequencia”, informa a proprietária. Ela explica que a escolha foi pensada pela origem similar das matérias-primas.
 
Na sequência, a dica é pedir o Pato (R$ 76) — confit de coxa e sobrecoxa, shitake, aspargos, abobrinha marinada, batata sauté com alecrim e creme de queijos com tangerina. “O prato não é pesado, apesar de usar a carne de pato, que é uma carne de caça. Os legumes são para trazer leveza e o molho vem com o frescor”, explica Cláudia, que ainda informa que a proteína é confitada por 10 horas a 80 ºC.


O acarajé é uma entrada tipicamente baiana, e funciona bem com a moqueca de camarão (Arthur Menescal/Esp.CB/DA)
O acarajé é uma entrada tipicamente baiana, e funciona bem com a moqueca de camarão

Entrada baiana


A combinação perfeita na refeição baiana tem gostinho de dendê. No restaurante Ki-Mukeka, é possível saborear diversos pratos característicos da culinária da Bahia. Nelson Oliveira, chef do estabelecimento, recomenda a dupla acarajé e moqueca como entrada e prato principal.
 
Ele explica que a iguaria é frita no azeite de dendê e recheada com vatapá, camarão e vinagrete. “É o típico hambúrguer baiano”, brinca o chef de cozinha. Nelson ressalta que a entrada não leva fubá no preparo: “Não utilizamos fubá, porque senão ele fica massudo”. O estabelecimento oferece o acarajé como aperitivo, em uma unidade (R$ 19,90), e também em porções de três (R$ 34,90) ou seis (R$ 54,90) unidades.
 
Para combinar com o bolinho baiano, o prato ideal é a moqueca de camarão (R$ 157,90, para duas pessoas). “Ela e o acarajé combinam bem, porque o gosto do camarão utilizado na moqueca é mais sutil.

Começando pelo ceviche, no Le Bistrot 207 a proposta é que a entrada evolua para um arroz de forno com haddock (Marilia Lima/Esp. CB/D.A Press)
Começando pelo ceviche, no Le Bistrot 207 a proposta é que a entrada evolua para um arroz de forno com haddock

Dupla das águas


No Le bistrot 207, o cardápio é uma surpresa. A casa monta entradas e pratos de acordo com a qualidade e os ingredientes ofertados. “Eu tenho resistência à repetição. Sempre tivemos cuidado de sair do esperado”, explica Cristina Kimaid, sócia do local. Segundo ela, enquanto os pratos principais são de autoria própria,  as entradas ficam por conta de Raquel Pacheco, também sócia. Vale ressaltar que devido a grande procura, é sempre bom reservar a casa, que possui um número limitado de mesas.
 
O charme começa antes ainda da comida chegar à mesa, quando cliente recebe uma charmosa toalhinha para higienizar as mãos. Na sequência, a entrada chega, para hoje,  ceviche de frutos do mar (R$ 62, com entrada, prato principal e sobremesa). “Ele é feito com peixe-branco, lula, mexilhão, camarão, abacate, e, para finalizar, ovas de caviar”, descreve Raquel, que ainda ressalta que as entradas sempre vêm guarnecidas de uma saladinha de folhas.
 
Na sequência, entre os pratos principais disponíveis para hoje está o arroz de forno com lascas de haddock defumado, maçã verde e damasco. “A maçã verde entra com acidez, enquanto o damasco é doce. Para mim, como o haddock tem muita presença, esses elementos quebram o sabor”, explica Cristina.

Até um pouco mais tarde
Após o almoço, o comensal pode aproveitar o espaço aconchegante para um lanche que pode incluir crepes, quiches, saladas, omeletes e sanduíches. A casa funciona até 18h30 durante a semana e conta com opções de lanches feitos na hora.
 
 A dupla Dandy Abadiero e Bertha Atoche disponibilizam pratos típicos peruanos, em especial do norte do Peru (Ana Rayssa/Esp. CB/D.A Press)
A dupla Dandy Abadiero e Bertha Atoche disponibilizam pratos típicos peruanos, em especial do norte do Peru

Refrescante e picante


A gastronomia peruana está cada dia mais em alta. Fresca e refrescante ela combina com o clima árido da capital brasileira, sem deixar a desejar no sabor. No El Point Peruano, a clientela se transporta para o Peru. Além da decoração marcante do local — que conta com panos característicos, bandeirinhas nas mesas, porta-copos e até pequenas lhamas de artesanato — a comida é a típica do país. “Buscamos oferecer a comida que faz parte do dia a dia do peruano. Viemos mais do norte de Piura, e por isso temos algumas coisas mais tradicionais de lá que do sul do país”, explica Dandy.
 
Da cozinha, Bertha Atoche, sócia da casa que comanda as caçarolas, sugere o Tiradito Criollo (R$ 45) — lâminas de peixe-branco, marinados no limão e no molho huancaína, acompanhado de batata-doce, milho e lâminas de abacate — como entrada. “O ideal é ser divida, mas temos quem a coma sozinho também”, sugere a chef que ainda explica que o preparo não é muito picante, pois a pimenta vem à parte.
 
Na sequência, duas opções funcionam bem com o preparo: o arroz de frutos do mar (R$ 60), que é aromatizado com temperos peruanos e salsa criolla; ou o pescado a lo macho (R$ 40). “Esse é um robalo ou uma tilápia, o cliente escolhe, acompanhado por arroz e coberto com um molho peruano à base de creme de leite e frutos do mar”, explica Bertha , que complementa: “essa já é uma combinação muito pedida pelos clientes e funciona tão bem por ter o peixe e os frutos do mar nos preparos”.


O missoshiro faz parte dos acompanhamentos do Teishoku Nippon (Nippon/Divulgacao)
O missoshiro faz parte dos acompanhamentos do Teishoku Nippon

Coringa das entradinhas


No Restaurante Nippon, a gastronomia oriental é respeitada e valorizada. O local oferece ao comensal não só a gastronomia tradicional, mas também a decoração que remete ao país. Um dos pratos mais característicos como entrada da gastronomia japonesa é o missoshiro.

A sopinha com tofu, missô e cebolinha é servida no Nippon como entrada. Um diferencial é que devido à leveza e ao sabor neutro do preparo, ele aceita diversos pratos principais. “Tem gente que pede com sushi, mas também têm os que pedem com pratos quentes”, explica o cozinheiro da casa, Sebastião Divino.
 
Ela ainda explica que o preparo faz parte do Teishoku Nippon. “Nesse preparo, o missoshiro vem incluso no pedido”, explica Sebastião. No caso do preparo, que serve para duas pessoas, o cliente ainda se depara com 15 peças de sashimis de peixes variados, anchova grelhada, um prato de tempurá de camarões e legumes variados, dois missoshirus, arroz branco, picles japonês, tofu, salada e kimpira — uma raiz refogada com shoyo e açúcar.

COMENTÁRIOS

Os comentários são de responsabilidade exclusiva dos autores.

BARES E RESTAURANTES

CINEMA

TODOS OS FILMES [+]

EVENTOS






OK