Brasília-DF,
22/OUT/2019

Estação das flores chega aos cardápios da capital federal; confira!

Belas e saborosas, as flores são destaque na primavera e em diversas receitas

Diminuir Fonte Aumentar Fonte Imprimir Corrigir Notícia Enviar
Renata Rios Geovana Melo* Melissa Duarte* Publicação:20/09/2019 06:01Atualização:19/09/2019 20:52
O colorido das pétalas na primavera muda o ambiente e alegra quem contempla a beleza do período. Na estação das flores, algumas casas da capital aproveitam e trabalham com receitas levando esse delicado ingrediente. Se a ideia lhe interessou, confira algumas casas que trazem essa iguaria para a mesa em receitas deliciosas e inusitadas.

No meio de todo esse calor, um exemplo de receita com o ingrediente são os sucos servidos no Empório Árabe. No local, Lídia Nasser apresenta o suco de laranja com água de flor de laranjeira ou o suco de uva com água de rosas. Enquanto a primeira exalta o cítrico, a segunda opção vem com sabor refrescante, além de claro, o aroma, marcante das rosas.

Para os amantes de uma boa massa, a lasanha de alcachofra é uma receita especial do Gero para a primavera. Criação do chef Josivaldo Mariano de Lima, ou Petty, como é conhecido, a massa é uma opção feita com a flor. “A receita é vegetariana e leva molho rosé e parmesão para finalizar”, informa o chef.

Nas redondas, duas pizzarias apostam nas flores. Na Avenida Paulista, a pizza doce com pétalas de rosas glaceadas salta aos olhos e praticamente pede por uma foto. Na Francesca, o proprietário João Vicente usou o ipê combinado à pera e rúcula. “Achei interessante a ideia de colocar a flor. Fica muito bonito. O ipê-amarelo tem um gosto mais suave, levemente amargo”, descreve sobre o preparo, que necessita de aviso de um dia de antecedência para ser feito e depende da sazonalidade da flor.

*Estagiárias sob supervisão de Igor Silveira

Confira sugestões de vinho para a primavera (CB/D.A Press)
Confira sugestões de vinho para a primavera
 

Girassóis de Van Gogh 


Em tempo de primavera, nada melhor que um chá ou uma infusão para combinar com o momento. A Vincent — Casa de Chá pode ser uma boa pedida. Inspirada nas obras de Vincent Van Gogh, além da decoração, o café traz um amplo leque de infusões, algumas honram o período e ganham até botões ou pétalas de flores no preparo. “Elas servem mais para perfumar, não têm tanto sabor, a não ser que seja uma infusão só de pétalas”, pontua a proprietária Camila Sampaio.

É o caso do blend Esplendor Carmim. A infusão é feita com botões de hibisco, abacaxi, mirtilos, flocos de cenoura e limão-siciliano. A bebida pode ser servida no bule de 200ml quente (R$ 10) ou na taça de 300ml gelado (R$ 15). No entanto, diferentemente das outras flores, o hibisco se destaca. “O hibisco é saboroso, ele ressalta tanto a cor como o sabor, chega a ser forte”, afirma Camila.

Outra tisana que tem flores na Vincent é a Valeriana Garden (a partir de R$10). A infusão leva valeriana, folhas de amora-preta e de morango, maçã, casca de laranja e flores de laranjeira, rosas, marianinha e girassol, podendo ser bebida quente ou gelada. “A maioria pode ser preparada gelada ou quente, o que difere é o método, mas o frio não consegue manter o sabor e os mesmos nutrientes da infusão quente”, completa.

A casa é inspirada nas obras do artista holandês até na hora de escolher a louça (Camila Sampaio/Divulgação)
A casa é inspirada nas obras do artista holandês até na hora de escolher a louça
 
 

Bem brasiliense


Quem conhece Brasília, sabe: os ipês são marca registrada da cidade. Pensando nisso, a cervejaria Stadt Beer & Music criou a Ipê Roxo (R$ 11,90, copo de 300ml no bar Stadt; esse também é o preço médio em outras cervejarias da cidade), em 2012. “A gente deu esse nome porque o ipê-roxo é o primeiro a florescer na seca”, explica o gerente comercial Julio César Ribeiro.

A receita é a tradicional união de água, malte, lúpulo e leveduras. O que a diferencia é a finalização. “Depois de pronta, a gente acrescenta as uvas”, ressalta o gerente. Assim, confere ao líquido pilsen um sabor diferenciado, com ainda mais dulçor. Segundo Ribeiro, é uma bebida bastante consumida pelo público da casa. “Muitas vezes, quem não era acostumado (a tomar cerveja) ficava sem consumir. Então, a gente resolveu criar essa bebida”, conta.

“É uma bebida leve, refrescante, mais adocicada, com sabor tropical, feita para o clima de Brasília”, descreve. O líquido não pode ser considerado cerveja, já que não é puro: reúne chope com uvas selecionadas, num teor alcoólico de 4%. Para quem pretende encontrar os amigos e preparar uma festa, a casa oferece o cooler da bebida (R$ 499, 30l; R$ 825, 50l).

O ipê-roxo é a cara de Brasília e deu origem à bebida mista do Stadt Beer & Music (Stadt Beer & Music/Divulgação)
O ipê-roxo é a cara de Brasília e deu origem à bebida mista do Stadt Beer & Music
 
 

Primaveril nas arábias


Na gastronomia brasileira ainda é incomum, mas a flor de laranjeira é ingrediente obrigatório na cozinha árabe. E fazendo jus à tradição, o Empório Árabe inclui a iguaria nos preparos. “A gente usa muito em bolo, caldo doce e sucos, porque ela é uma essência natural e quebra o doce com a sensação de cítrico”, pontua a proprietária do Empório Árabe, Lídia Nasser.

O restaurante aposta em dois itens que levam a flor. O suco de laranja com água de laranjeira (R$10,90) e a sobremesa awama naifa (R$ 10,90), feita com massa folhada frita e recheada com queijo, coberta com calda de flor de laranjeira.

Além da flor de laranjeira, é possível encontrar preparos feitos com rosas, como é o caso do suco de uva com essência de rosas (R$ 10,90). “A água de rosas acrescenta no aroma e o sabor fica mais refrescante”, conta Lídia.

Dentre as sobremesas, além da awama naifa, que é regada por uma calda de flor de laranjeira. Também há no cardápio, outra opção suave para finalizar a refeição, a ataif (R$12,90), um tradicional “pastel” árabe servido com creme de nata, nozes carameladas e calda de flor de laranjeira. 

Receita
Água de rosas

Ingredientes
1L de água fervida
12 rosas

Modo de preparo
Colocar 1 litro de água no fogo, após fervura, apagar o fogo. Em seguida, acrescente as pétalas de 12 rosas e ligue o fogo novamente, depois abafe e deixe a mistura descansar por cerca de uma hora e meia.

Drinques com águas de flores são típicos na gastronomia árabe (Bárbara Cabral/Esp. CB/D.A Press)
Drinques com águas de flores são típicos na gastronomia árabe
 
 

Correndo pro Pará


O jambu é um ingrediente típico da região Norte do Brasil, principalmente no estado do Pará. A planta ficou famosa por compor diversos pratos clássicos do estado, como o molho de tucupi, o tacacá, o arroz paraense e o arroz de pato. Pensando em trazer um pouco da culinária do Pará para Brasília, os paraenses Wady Dahas Rossy Filho e Pollyana Dahas, abriram a Du Pará, casa destinada aos preparos tradicionais nortistas.

A folha de jambu é um dos ingredientes principais das comidas do Du Pará. “A maioria dos produtos vem do Pará, como o tucupi, o camarão e a goma. O jambu é plantado aqui, mas tem diferença do daqui para o do Pará: o de lá fica com o talo fino e a folha grande, e o do cerrado é o contrário, por causa de umidade”, conta o proprietário Wady Filho.

O arroz de pato (R$ 30) é um dos queridinhos da casa que levam o “agrião do Pará”. O prato é composto por pato desfiado, arroz, tucupi e jambu. A proposta pode ser montada com camarão no lugar da ave. O arroz paraense (R$ 30) leva os mesmos ingredientes, no entanto, no lugar do pato é acrescentado camarão seco.

Mesmo com o sabor do tucupi e das carnes serem acentuados no prato, o jambu também chama a atenção, principalmente para os comensais que não são acostumados com o jambu. “É uma erva que deixa a boca um pouco dormente, é uma das características dela”, afirma Wady.

O arroz paraense tem semelhanças com um risoto (Marilia Lima/CB/D.A Press)
O arroz paraense tem semelhanças com um risoto
 
 

Gratinada e com massa


A alcachofra nem sempre é relacionada com as flores, mas não se engane, não só se trata de uma delas, mas é também deliciosa. O ingrediente foi o escolhido pelo chef Josivaldo Mariano de Lima, o Petty, como é conhecido, para os clientes do Gero na forma de uma lasanha de alcachofra (R$ 88). O preparo fica à disposição do cliente como uma das sugestões até o fim da estação.

Se você ficou curioso com o preparo, o chef explica que primeiro ele puxa cebola-roxa, cenoura salsão e alho-poró, tudo cortado em cubos pequenos. Na sequência, entra a alcachofra em cubos um pouco maiores. “Refogo e tempero. Coloco o molho branco de grana padano”, detalha. Na montagem, três camadas de massa, molho rosé e alcachofra são finalizadas com parmesão. “Então, gratino no forno e está pronto”, informa o chef sobre a apresentação da receita.

Petty conta que o ingrediente está sendo cada vez mais aceito pelos clientes. “Esse prato é uma opção vegetariana e funciona bem com um vinho branco”, sugere. A casa ainda trabalha com o sorvete de iogurte com compota de morango e suspiros. “O sorvete não é muito doce e faço a compota com um toque de vinho branco, para dar acidez”, destaca sobre a receita.

A lasanha é montada em três camadas e finalizada com parmesão (70 Mil Assessoria/Divulgação)
A lasanha é montada em três camadas e finalizada com parmesão
 
 

Mais que beleza


Entre os costumes consagrados na capital está sair durante os dias secos do segundo semestre e contemplar as cores radiantes das floradas de ipê que, primeiro enfeitam o alto, depois se dispõem como um tapete pelas gramas e calçadas da capital. Mas, a flor que desperta a alma de fotógrafo amador em muitas pessoas também pode ser utilizada como ingrediente. “A flor do ipê-amarelo é um pouco amarga, mas é suave. A do ipê-roxo é muito amarga, mas difícil de trabalhar”, informa João Vicente, proprietário da Francesca Pizzaria Artesanal.

Na casa, João trabalha com as flores mediante encomenda e disponibilidade.

“Nem sempre tem flor no ipê, elas somem e aparecem de uma hora para outra”, brinca. A pizza escolhida para receber as flores amarelas foi com sabor de pera e rúcula. “Elas são mais estéticas, ficam muito bonitas e é legal saber que você pode comer essas flores”, informa.

Outra opção com flor é a pizza com tumbérgia. “Essa flor é mais fácil, pois floresce o ano inteiro. Ela tem um sabor muito parecido com o funghi chileno, então uso ela em uma pizza de cogumelos”, conta. Na casa, as pizzas de flores devem ser pedidas com um dia de antecedência. As redondas custam a partir de R$ 48, a média; e R$ 59, a grande.

João Vicente/Divulgação (Não é só para as fotos que o ipê pode ser utilizado)
João Vicente/Divulgação
 
 

Saudável e com sabor


Na confeitaria Quitutices, todas as opções do cardápio não têm glúten ou leite — ideal para celíacos, intolerantes à lactose e alérgicos à proteína do leite. A pedida da vez é a torta de laranja com merengue de flor-de-laranjeira (R$ 15, fatia; R$ 95, inteira). “A flor traz um frescor, um sabor exótico para a torta”, diz a chef e proprietária Inaiá Sant’Ana.

Para torná-la mais saudável, fáceis substituições: o açúcar branco dá lugar ao mascavo e ao demerara, e a farinha de trigo, à de amêndoas e à de arroz. “Quando a gente usa a farinha de amêndoas, diminui o índice glicêmico”, afirma. A laranja-baía deixa o creme mais aromático e saboroso. O tradicional leite de vaca é trocado pela de castanha-de-caju.

A flor-de-laranjeira dá um frescor à torta  (Vinicius Cardoso Vieira/Esp. CB/D.A Press)
A flor-de-laranjeira dá um frescor à torta
 
 

Coração paulista


Criada em Curitiba em 2004, a pizzaria trouxe o nome paulistano para Brasília: Avenida Paulista. A mistura não é apenas geográfica, aparece nos sabores. No cardápio uma pizza de rosas (R$ 89, grande, com oito pedaços; R$ 68, pequena, com quatro fatias). 

A massa pré-assada leva farinha de chocolate crocante, pétalas de rosas glaceadas e sorvete de creme. “O que conquista o cliente primeiro é a beleza. É uma pizza inusitada, romântica, envolvente. Tem efeito acalentador e leve aroma de rosas”, descreve o proprietário Roberto Magnani. Bordas adocicadas e caramelizadas completam a iguaria, que depois de montada vai para o forno à lenha a 400°C por três minutos.

Além do sabor, a beleza da pizza também conquista os clientes (Pedro Nossol/Divulgação)
Além do sabor, a beleza da pizza também conquista os clientes
 
 
O golab é um bolinho que leva apenas açúcar, leite ninho e água de rosas
 (Natália Ribeiro/Divulgação)
O golab é um bolinho que leva apenas açúcar, leite ninho e água de rosas
  

Gostinho indiano


Daniella Kanno morou durante 14 anos no exterior. Ao retornar para a terra natal, sentiu falta de encontrar uma boa gastronomia indiana. “Lá fora, é muito comum, mas aqui no Brasil, ainda é escassa esse tipo de gastronomia. Resolvi abrir um restaurante e escolhi Águas Claras como a melhor localização”, conta orgulhosa, enquanto exibe a decoração de bom gosto do Mumbai Restaurante.

Nas paredes, tomadas atendem aos que vão trabalhar ou fazer algum tipo de reunião no local. “Buscamos fazer de tudo para atender bem o cliente. Acho que o segredo é um bom atendimento, uma boa comida e um bom ambiente”, pondera. No menu, as receitas tradicionais indianas se adaptam ao paladar nacional, com menos pimenta. “Mantivemos o tempero, mas reduzimos a picância”, ela explica. Entre as receitas salgadas, o Chicken masala (R$ 49) e o Prawn masala (R$ 52) são exemplos de receitas com menos ardor, mas com os temperos característicos dessa gastronomia.

Na sobremesa, um ingrediente simples, mas que transforma uma receita é a água de rosas. Ela é utilizada no Gulab jamun (R$ 15,50) um doce à base de leite ninho e águas de rosas. O resultado da receita são bolinhas douradas, macias e leves. “Isso fica ainda melhor com o sorvete de alecrim e curry (R$ 16,50)”, oferece, empolgada com o sabor de sorvete que mistura os sabores do curry ao frescor do alecrim.

 

Onde comer


Avenida Paulista Pizzeria 
(SCES Tc. 2, lt. 41; 3255-6000), aberto de terça a quinta, das 12h às 14h30 e das 18h às 0h; sexta; das 12h às 14h30 e das 18h à 1h; e sábados e domingos, das 12h às 15h e das 18h à 1h.

Du Pará 
(714 Norte, Bl. D, lj 39, em frente a W3; 3967-4007), aberto de segunda a sexta, das 10h30 às 20h; sábado e domingo, das 10h30 às 18h.

Empório Árabe 
(215 Sul, Bl. A, lj. 3, 3363-3101), aberto diariamente, das 11h à 0h; (Av. Castanheiras, lt. 1060, lj. 24, Ed. Vila Mall, Águas Claras, 3436-0063), diariamente, das 10h à 0h.

Francesca Pizzaria Artesanal 
(Plano Piloto: 3306-1414; Lago Sul: 3367-3367), entregas segunda e terça, das 18h às 23h; quinta e sexta, das 18h às 23h; sábado e domingo, das 18h às 23h30. 

Gero Brasília 
(SHIN, CA 4, lt A, Shopping Iguatemi; 3577-5520), aberto de segunda a sexta, das 12h às 15h e das 19h à 0h; sábado e domingo, das 12h às 17h e das 19h até 1h

Mumbai Restaurante 
(Rua 25 Sul, lt. 30, Bl. A, Edifício Park Sityle; 3970-2867), aberto de terça a sábado, das 12h às 14h30 e das 18h às 23h.

Quitutices 
(315 Sul, Bl. A, lj. 33; 3543-5057), aberto segunda, das 13h às 19h; e de terça a sábado, das 10h às 20h.

Stadt Beer & Music 
(SIG Q. 3, Bl. G, Zona Industrial; 3551-5559), aberto de segunda a sábado, das 17h à 1h.

Vincent Casa de chá 
(409 Norte, Bl. A, lj 39; 3201-1214), aberto de segunda a sexta-feira, das 15h às 21h. Sábado das 9h às 20h. 

COMENTÁRIOS

Os comentários são de responsabilidade exclusiva dos autores.

BARES E RESTAURANTES

CINEMA

TODOS OS FILMES [+]

EVENTOS






OK