Brasília-DF,
10/DEZ/2019

Desbrave a culinária nacional neste feriadão; confira algumas sugestões!

No feriado da Proclamação da República, que tal comer algo bem nacional? Confira onde encontrar receitas brasileiras

Diminuir Fonte Aumentar Fonte Imprimir Corrigir Notícia Enviar
Renata Rios João Paulo Zanatto* Melissa Duarte* Publicação:15/11/2019 06:00Atualização:14/11/2019 19:20
Em 15 de novembro de 1889, ocorria a Proclamação da República do Brasil. Para exaltar o orgulho do país que existe em cada brasileiro, o Divirta-se Mais selecionou receitas das cinco regiões do nosso território para o leitor aproveitar o feriado desbravando gostos de cada lugar.

Entre as gastronomias que pulsam na cidade, a nordestina tem um lugar especial. As receitas dessa região marcam a cidade, e o Bolo Luiz Felipe é  um desses exemplos. Feito no Bolos da vovó tal qual manda a tradição, a receita arranca suspiros de nordestinos saudosos, que encontram na receita um pedacinho do Nordeste.

Outra região que está ganhando força no Brasil e no mundo é a Norte, marcada pela riqueza de insumos, dos mais variados possíveis. “A gastronomia do Norte é muito rica e muito farta. Gostamos de porções grande”, afirma Maria de Nazaré, que herdou o ponto Delícias do Pará da mãe, dona Jacirema, que passou mais de 35 anos à frente do negócio.

Para os sulistas, a Galeteria Gaúcha oferece receitas características daquela ponta. O galeto temperado com ervas e servido em forma de rodízio conta com acompanhamentos típicos. Para fechar a refeição, o sagu é uma tradição deliciosa de se conhecer — ou manter.

Ainda pouco difundida, vale experimentar a gastronomia capixaba. Gouthier Dias executa com maestria pratos do Espírito Santo, entre eles, a moqueca capixaba. Ele ainda destaca que a gastronomia do estado tem influências tanto indígenas quanto portuguesas.

Em Goiás, aqui no Centro-Oeste, o empadão goiano entrega a origem no nome. O preparo ofertado no Pamonha Pura é feito com as seguintes opções: frango, camarão e palmito.

*Estagiários sob supervisão de Igor Silveira. 

Confira a localidade destes estabelecimentos! (CB/D.A Press)
Confira a localidade destes estabelecimentos!

Orgulho do Pará


Maria de Nazaré é uma entusiasta da comida paraense. Proprietária do Delícias do Pará, herdado da mãe, dona Jacirema, o ponto é conhecido por oferecer a boa mesa paraense com fartura e qualidade. “Nosso menu é muito farto. Isso foi uma coisa que mamãe, como boa paraense, sempre insistiu”, relembra com um misto de saudade e orgulho.

Entre os preparos que a casa trabalha, o tacacá é um dos mais pedidos. A receita vem em três tamanhos (R$ 25, o pequeno; R$ 30, médio; R$ 35, o grande) e leva a goma de tapioca, camarão, jambu e tucupi. “Essa é uma receita forte e muito popular no Pará e aqui”, destaca Nazaré. A proprietária recomenda que os clientes peçam a combinação disponível para quem vai ao local com uma tigela de açaí e uma porção de pirarucu frito, tudo por R$ 30, com 300ml de açaí; ou R$ 35, com 500ml. “O açaí é muito pedido, sirvo ele com farinha de tapioca ou farinha d’água, e o pirarucu não tem nem o que falar. É um peixe delicioso”, informa.

Sobre os doces, as frutas amazônicas são um show a parte. Vale experimentar os bombons (R$ 6, cada) característicos do estado.

Novidades à vista
Para o mês que vem, Nazaré pretende começar a vender a cachaça de jambu produzida por ela. Ainda promete novidades no menu, como a galinhada paraense e o novíssimo Delícias do Pará, onde ela disponibilizará uma pequena quantidade dos preparos da região, como uma forma de o cliente conhecer mais dessa gastronomia.

O tacacá é uma das receitas que atende os amantes da gastronomia do Norte do país (Arthur Menescal/Esp. CB/D.A Press)
O tacacá é uma das receitas que atende os amantes da gastronomia do Norte do país

Norte moderninho


Entre os locais que merecem prestígio e respeito, o Quituart é um ponto que atende como referência gastronômica na capital. Responsável por iniciar a carreira de grandes nomes da cidade, o espaço não para de revelar talentos e catapultá-los Brasília afora. Mais uma casa que ganha projeção e estende as asas é o Jamburanas, que abriu, recentemente, um novo espaço, agora na Asa Norte. Nesse novo ponto, um novo nome — nem tão distante do primeiro — Jamburitas.

No novo local, o cliente se depara com algumas receitas comuns a ambos estabelecimentos, como o trio de risotos com inspirações paraenses (entre R$ 45 e R$ 50, cada). “São releituras com referências do estado”, explica Patrícia Egito, sócia do local. No trio, risoto de pato com redução de tucupi e pesto de jambu, uma nova versão ao pato no tucupi; risoto de camarão com redução de taperebá e azeite de coentro; e risoto de tomate confitado com jambu e manteiga de castanhas. “Essa última é uma opção vegana”, complementa.

Se a ideia é um lanche, o Choripato (R$ 23) é uma bem-humorada versão do preparo feito na América Latina. A receita leva linguiça de pato com maionese de tucupi, chimichurri especial da casa e jambu. “Para acompanhar, temos palitos de banana-da-terra no lugar das batatas fritas. Fica tudo uma delícia”, finaliza Patrícia.

Ingredientes típicos do Norte formam o menu do Jamburitas (Irene Egler/Divulgação)
Ingredientes típicos do Norte formam o menu do Jamburitas

Dos pampas gaúchos


Diretamente do Rio Grande do Sul, o arroz carreteiro é um dos preparos que ultrapassaram as fronteiras do estado e se faz presente em todo o Brasil. Aqui na capital, a Galeteria Gaúcha serve o delicioso prato, que é sucesso nacional.

Como o carreteiro ultrapassou as barreiras fronteiriças, há regiões que fazem o preparo com carne de sol e carne seca. No entanto, Laura Sonda Gregol, sócia do restaurante, destaca que a casa serve o clássico. “Nosso arroz carreteiro é bem tradicional mesmo, com carne de charque.”

O tradicional prato gaúcho só é servido na casa aos sábados, como parte do rodízio (R$ 49), e se junta ao galeto, polenta, salada de maionese, macarrão, salada verde e molho de ervas. Laura conta, ainda, que a adição do carreteiro foi por demanda do público. “Os clientes pediam muito, porque no Sul você encontra (o carreteiro) em tudo quanto é lugar. Então, colocamos em um dia para agradar o público, e combina superbem com o galeto.”

O carreteiro acompanha o galeto aos sábados na Galeteria Gaúcha (Arthur Menescal/Esp. CB/D.A Press
)
O carreteiro acompanha o galeto aos sábados na Galeteria Gaúcha

Com cara de interior 


O sabor do interior, da fazenda e da casa dos avós: no Forninho Mineiro, os brasilienses podem encontrar um pedaço de Minas Gerais na forma dos quitutes da casa. O negócio de família tem as receitas passadas de geração em geração e preparadas à mão, de forma artesanal. “Tudo é feito com ingredientes de lá. Até o ovo vem da roça, e o polvilho é do mais puro”, afirma a empresária Daniela Perfeito.

“São receitas de avó. Tudo me lembra a família”, continua. O tradicional pão de queijo (R$ 66,10, o quilo; R$ 3,50, a unidade) com café espresso (R$ 5,50, 80ml; R$ 8,50, 200ml) são a combinação perfeita para o lanche da tarde. “Tem casquinha por fora e é macio por dentro”, descreve. Nos sabores frango, camarão e palmito, por exemplo, os empadões (a partir de R$ 9,80, a unidade) não ficam de fora.

A rosca de canela (R$ 56,01, o quilo) é outro quitute que caiu no gosto dos comensais. O que surgiu como “receita de comadres em Araxá” começou a fazer sucesso no quadradinho pelas mãos de Cidalia Perfeito, mãe de Daniela, em 1976, que, até hoje, finaliza a receita. “A forma de enrolar (a rosca) interfere na leveza da massa. Fica bem desfiadinha”, revela a filha.

O pão de queijo é a cara e o gosto de Minas Gerais (Ana Rayssa/Esp. CB/D.A Press)
O pão de queijo é a cara e o gosto de Minas Gerais

Torta diferentona


Entre os estabelecimentos que se orgulham da gastronomia do estado de origem, o Vista Linda é um exemplo. No local, a gastronomia capixaba é apresentada com maestria nas mãos do chef Gouthier Dias, ou Guto, como é conhecido. “Trabalho com insumos do Espírito Santo. Meu urucum é de lá, por exemplo. Além disso, vale destacar que os peixes que oferecemos são pescados em alto-mar, por isso, não há perigo algum para a saúde”, informa, preocupado com a segurança alimentar, devido ao vazamento de óleo no litoral brasileiro.

Quando fala da gastronomia do estado, Guto conta empolgado: “É uma gastronomia que mistura muito a cultura indígena com a portuguesa”. Entre as receitas que exaltam essa fusão está a Torta capixaba. “Ela é tipo um suflê de ovo com bacalhau, sururu, lula, polvo, siri, camarão, azeitonas e palmito. “Esse prato é uma espécie de suflê e precisa ser pedido com 48 horas de antecedência”, informa.

No local, ainda vale experimentar a moqueca capixaba (a partir de R$ 144,90), para Guto, a verdadeira. “Agora, estamos trabalhando com camarões VG. Cada um tem entre 100g e 120g”, conta.

Os preparos capixabas são executados com maestria no Vista Linda (Gouthier Dias/Divulgação)
Os preparos capixabas são executados com maestria no Vista Linda

Tradição de Goiás


Com recheio de frango, linguiça, lombinho, azeitona, muçarela e batata, o empadão (R$ 13,90, goiano, 400g; R$ 14,90, com catupiri) faz sucesso entre os comensais que vão ao Pamonha Pura. “É uma refeição tipicamente de Goiás, bem suculenta”, descreve o proprietário Rômulo Lopes. Primeiro, é feito o recheio, depois a massa. O processo se repete todos os dias, para servir fresquinho.

A tradição goiana também se faz presente em Taguatinga, onde a primeira loja abriu há 24 anos. Além de batizar o local, as pamonhas (entre R$ 6 e R$ 8,50), com milhos selecionados, agradam a clientela. Entre os sabores salgados, tem a de lombinho e a versão à moda. Nos adocicados, a Romeu & Julieta, de goiabada com queijo, e a de creme de leite se destacam. Quem prefere o sabor tradicional de queijo pode optar pela de sal ou pela de doce.

“É cultural, um prato comum em Goiás, Minas Gerais e no Nordeste”, ressalta o empresário. Para acompanhar, o tradicional café coado (R$ 2,75, 90ml; R$ 3,75, 180ml), tem gosto de lanche da tarde. Sobremesa não pode faltar. Com leite e milho, o curau de milho verde (R$ 5,50, 180g) é conhecido como canjica na região Nordeste.

O sabor goiano faz o gosto e a cabeça da clientela do Pamonha Pura (Pamonha Pura/Divulgação)
O sabor goiano faz o gosto e a cabeça da clientela do Pamonha Pura

Bem pernambucano


A culinária recifense desembarca em Brasília no Bolos da Vovó. Tipicamente do Nordeste, o bolo Luiz Felipe (R$ 22, 800g; R$ 17, 450g) ainda é pouco conhecido na cidade. “É um bolo com jeito de pudim, com cara de pudim, só que mais denso”, define a proprietária Maris Sousa Lima. Com leite, leite de coco, queijo parmesão e açúcar, a receita também ganha versão diet (R$ 25, 800g; R$ 18, 450g), indicada para diabéticos. O segredo da massa é bater até virar creme.

Outro quitute é o bolo Souza Leão (R$ 40, 800g; R$ 30, 450g), com massa puba de mandioca, muita gema e manteiga. “É um pudim com cara de bolo, voltado para o público do Nordeste”, descreve a empresária goiana, que morou na capital pernambucana durante quatro anos. Quem quiser um gostinho maranhense pode escolher o bolo de puba (R$ 30, 800g; R$ 20, 450g).

O comensal que desejar uma receita que não está no cardápio pode levar os ingredientes até o Bolos da Vovó para a equipe desenvolver a receita. “Uma coisa especial é que a gente trata a clientela com muito carinho. Se cliente chega com melaço ou levedo de cerveja e pede um  bolo, a gente faz”, exemplifica. 

No Bolos da Vovó, os comensais podem matar a saudade da terra natal (Jhonatan Vieira/Esp. CB/D.A Press
)
No Bolos da Vovó, os comensais podem matar a saudade da terra natal

Onde comer


  • Galeteria Gaúcha (SHIN CA 7, Bl. A, lj 94, atrás do Shopping Iguatemi; 3468-4082), aberto de terça a sábado, das 11h30 às 15h, e das 19h às 22h; domingo, das 11h30 às 16h.
  • Pamonha Pura (QND 1, lt. 16, Taguatinga; 3962-8888; CSE 6, lt. 14, Taguatinga; 3028-4348; QI 33, Bl. A, lj. 15, Centro Empresarial Pedro Teixeira, Guará II; 3257-9444), aberto diariamente, das 15h às 23h.
  • Bolos da Vovó (310 Sul, Bl. C, ljs. 2/4; 3541-0095; Q. 25, lj. 3, Setor Oeste, Gama; 99382-7806; BR-020, Posto Colorado, lj. 3, Sobradinho; 99668-0429), aberto de segunda a sexta, das 7h30 às 19h; e sábado, das 7h30 às 18h.
  • Forninho Mineiro (402 Norte, Bl. E, ljs. 56/74; 3326-2556), aberto de segunda a sexta, das 8h às 20h; sábado, das 8h às 19h.
  • Vista Linda (Rua 14, chácara 379, Núcleo Rural Lago Oeste; 3302-5939), aberto sexta, sábado e domingo, das 12h às 18h. Outros horários mediante agendamento prévio.
  • Delícias do Pará (Feira de Artesanato da Torre de TV, Bl. R, Box 578; 3327-1590), aberto sexta, sábado e domingo, das 9h às 17h30. 
  • Jamburanas (QI 9/10, Canteiro Central, Quituart, Lago Norte; 98311-5115), aberto quinta e sexta, das 19h às 23h; e sábado e domingo, das 12h às 16h. Horário sujeito à alterações.
  • Jamburitas (714/715 Norte, Bl. F, lj. 18; 98311-5115), aberto de terça a sábado, das 10h às 23h. 

COMENTÁRIOS

Os comentários são de responsabilidade exclusiva dos autores.

BARES E RESTAURANTES

CINEMA

TODOS OS FILMES [+]

EVENTOS






OK