Brasília-DF,
23/OUT/2017

Crônica: Sebastião Rodrigues, o Tiãozinho, comandou grupo de baile popular no DF

Os convidados já estavam instalados nas várias mesas da sala, mas não se ouvia nada, além das conversas animadas

Diminuir Fonte Aumentar Fonte Imprimir Corrigir Notícia Enviar
Publicação:15/05/2015 08:00Atualização:14/05/2015 15:44

A festa prometia. Cervejas geladas, garrafas de bons uísques, petiscos árabes para abrir o apetite, mesa farta para o jantar e a promessa de boa música. Os convidados já estavam instalados nas várias mesas da sala, mas não se ouvia nada, além das conversas animadas; os músicos mandaram o Lima, deram o cano.

O anfitrião fez ligações e ouviu desculpas esfarrapadas. Desolado e atarantado — e sem desconfiar que os convidados estavam muito bem sem os caloteiros —, andava de um lado a outro. No íntimo, baixinho, cantava o bolero que pede ao relógio para não marcar as horas.

Não adiantou muito; os segundos seguiram em frente, provocando um barulho ensurdecedor na cabeça dele. Procurava o que fazer; não sabia se trazia no peito ciúme, despeito, amizade ou horror. Mas não pensava em vingança porque é um bom sujeito.

A providência não falha. De repente, Sebastião Rodrigues entra na casa. Não sei se o leitor sabe, mas estávamos diante do responsável por incontáveis romances. Tem gente que põe a culpa no Roriz, mas Brasília seria bem menos populosa se não fosse Tiãozinho. Não me entendam mal: ele comandou o grupo de baile mais popular de toda a região. Ou seja: fez a cama de muita gente. Literalmente.

Filho de ferroviário, Tiãozinho nasceu onde o trem faz a curva, pouco antes de chegar a Silvânia. Quando Goiás ficou pequeno, veio para Brasília como um dos Big Boys de Raulino, conjunto — era assim que os grupos musicais eram chamados — que tocava em todas as festas bacanas; estreou no Palácio do Planalto. Fundou o Squema Seis, tocou em todo o Brasil; carreira de sucesso, encerrada há alguns anos.

Teve a vida estudada em universidade, quando virou tese de mestrado, e é admirado pelos colegas — coisa rara em se tratando de um músico de baile, que normalmente é vítima de preconceito. Tiãozinho, ao contrário, é reverenciado, mas agora só toca entre amigos.

Nos últimos meses, ele vem sentindo uma coceirinha. Não quer fazer mais bailes, mas voltou a estudar música todo dia; combinou sessões com amigos e tem se encontrado com guitarristas bem mais novos para fazer umas coisinhas diferentes.

Para mostrar que a coisa é séria, pediu ao Haroldinho Mattos para dar uma guaribada na guitarra Gibson 335 modelo 1967 (que, ele descobriu, hoje, vale uma grana nos leilões da internet). No que vai dar toda a movimentação ainda não há como saber.

Voltemos à festa. Tiãozinho chegou na rodinha e foi inteirado sobre a angústia do anfitrião. Prevenido, contou duas ou três histórias rápidas para mostrar que nunca foi pego no contrapé e anunciou: – Vou ali no carro. Voltou com um violão de cordas de naylon, abriu uma roda e, sem necessidade de amplificação, comandou o sarau.

A noite foi pequena. A cantoria entrou pela madrugada e sobrou comida. Mas tem gente achando que o anfitrião deu o golpe. Más línguas dizem que depois de confirmar a presença do Tiãozinho, ele teria dispensado os outros músicos. Estava certo: só iam atrapalhar.

COMENTÁRIOS

Os comentários são de responsabilidade exclusiva dos autores.

BARES E RESTAURANTES

CINEMA

TODOS OS FILMES [+]