Brasília-DF,
19/NOV/2019

Crônica da semana: Banquete proibido

Diminuir Fonte Aumentar Fonte Imprimir Corrigir Notícia Enviar
Paulo Pestana Publicação:11/01/2019 06:00
A notícia caiu como uma bomba na comunidade nordestina: mais de 100 pessoas já foram contaminadas com micose pulmonar, doença transmitida por um fungo que fica abaixo do solo. E, não, essas pessoas não estavam cavando em busca de água ou ouro, mas foram infectadas depois de comer tatu. Três morreram.

Já se sabia que tatu é um dos poucos animais —  além do homem —  a contrair lepra e, por isso, é tão estudado pelos cientistas, mas o bicho é um depósito de doenças, entre elas o mal de Chagas e a leishmaniose. E mais: caçar tatu é crime, mas no interior ninguém nunca ligou muito para a fiscalização do Ibama e prefere se arriscar a ir preso do que ficar sem a iguaria.

Há subterfúgios. O primeiro é fazer cara de fome e tentar convencer o fiscal que é caso de subsistência, o que é previsto na lei; mas aí precisa ser consumido em área rural —  se for para a cidade, é cana certa. Outro é o jeitinho: quando um nordestino convidar para comer uma galinha cascuda é certo de que não é um animal de pena, muito menos bípede. São muitas as maneiras de se preparar um tatu, o que é dessas coisas bem brasileiras, que não se consegue explicar para um europeu: se não pode caçar ou comprar a carne, como é que as receitas são divulgadas? De onde vem o peba (também conhecido como tatu-galinha) da panela?

Mas nada como um cochicho. Boca pequena, cinco pessoas foram convidadas para apreciar um tatu em pedações, assado na forma com legumes —  mesmo quem fez cara de nojinho foi. E não se arrependeu do pecadilho ocasional, ainda que procurando uma desculpa: foi um tatu só, não vai macular o meio ambiente, blá-blá-blá.

No dia seguinte, todos novamente reunidos, a conversa não podia ser outra, porque juntou a ceia proibida com a notícia da nova doença. Os cinco preocupados já tinham escarafunchado a internet em busca de informação, ainda mais depois de saber a procedência do tatu, que foi trazido do Piauí, onde a micose apareceu em 40 municípios. Ficamos sabendo até que um peba é capaz de comer nove mil insetos por dia.

Não havia médicos no recinto, mas não faltaram receitas, todas com uma dose de pinga —  esse é o mal de quem frequenta boteco, acha que tudo se resolve com um goró, embora normalmente isso seja verdade. O único que não parecia preocupado era exatamente o responsável pela importação e preparo do peba. Ao contrário, Barros já maquinava uma forma de trazer mais um animal, já limpo e congelado.

E sob os olhares mais do que desconfiados do pessoal, dizia que iria experimentar uma receita que aprendeu ainda muito novo, o tatu cozido no leite de coco e servido na própria carapaça. O Barros não tinha lido a notícia da micose ainda, mas quando foi informado deu de ombros. E lançou a teoria mais maluca dos últimos tempos: “Isso é conversa do pessoal do Ibama para ver se o pessoal para de comer tatu”.

COMENTÁRIOS

Os comentários são de responsabilidade exclusiva dos autores.

BARES E RESTAURANTES

CINEMA

TODOS OS FILMES [+]