Brasília-DF,
22/OUT/2017

Mulheres no poder aborda políticas e a corrupção

Fazendo uma crítica em tom de comédia o filme mostra figuras que deixaram de ser estereótipos para se tornarem reais

Diminuir Fonte Aumentar Fonte Imprimir Corrigir Notícia Enviar
Nahima Maciel Publicação:28/08/2015 06:02Atualização:28/08/2015 09:15

Mulheres no poder foi concebido em 2009 e ainda está atual (Downtown Filmes/Divulgação)
Mulheres no poder foi concebido em 2009 e ainda está atual

Lá pelas tantas, com olhar de ódio, Dira Paes solta um profético “Brasília: aqui se faz aqui se paga!”. A frase expressa, ao mesmo tempo, o prazer da vingança e o sentimento de ter se dado bem. Na pele da senadora Maria Pilar em Mulheres no poder, a atriz encarna uma figura que há muito deixou de ser estereótipo para se tornar realidade.


O sexto longa de Gustavo Acioli se passa num futuro não muito distante e um tanto desesperançoso: as mulheres comandam o Brasil, mas mantêm viva a corrupção.

 

Clique aqui e confira as sessões


Maria Pilar envolve seus assessores e trapaceia uma igualmente corrupta ministra vivida por Stella Miranda, cujo exagero na atuação só não supera o dos políticos no Congresso.


“O brasileiro sempre riu das coisas sérias. Acho engraçado que o filme esteja sendo lançado agora porque a gente perdeu um pouco a coisa de fazer piadas”, diz Acioli.


A crítica em tom de comédia tem linguagem televisiva com planos fechados, resultado do pouco tempo para filmar e da teatralidade da política que o diretor queria reproduzir.

COMENTÁRIOS

Os comentários são de responsabilidade exclusiva dos autores.

CINEMA

TODOS OS FILMES [+]

EVENTOS






OK

BARES E RESTAURANTES