Brasília-DF,
25/SET/2017

Novas séries prometem manter o nível de qualidade nos gêneros dramáticos

Com o fim de Mad men, a tevê se despede da última série daquela que ficou conhecida como "era de ouro do drama"

Diminuir Fonte Aumentar Fonte Imprimir Corrigir Notícia Enviar
Samir Mendes - Diversão & Arte Publicação:31/05/2015 08:00Atualização:29/05/2015 11:44
Don Draper: fim da série comandada pelo misterioso publicitário agradou à crítica e aos fãs (HBO/Divulgação)
Don Draper: fim da série comandada pelo misterioso publicitário agradou à crítica e aos fãs

O grande cineasta Steven Soderbergh, responsável por filmes como Onze homens e um segredo e Magic Mike, disse em certa ocasião, durante o festival de Cannes, que era a tevê, e não o cinema, a grande agitadora cultural contemporânea.

O comentário foi feito há dois anos, quando grandes séries como A escuta e Família Soprano, ambas produzidas pela HBO, já haviam se encerrado e outras, como Dexter e Breaking bad, ainda fascinavam os telespectadores.

Essas séries, ao lado de Mad men, que teve o último episódio exibido na semana passada, são apenas alguns exemplos de programas da década passada e da atual que ficaram conhecidos como “A idade de ouro do drama televisivo”.

Entre os motivos que levaram esses programas a serem definidores de uma era e até superarem produções cinematográficas está o fato de que uma série tem tempo de desenvolver histórias e personagens de uma maneira que um filme simplesmente não pode.

Enquanto Hollywood, cada vez mais, aposta em remakes e sequências, a tevê nos brindou com arcos detalhados de personagens complexos, como Walter White, Dexter Morgan, Don Draper, Tony Soprano, Dr. House etc.

Walter White: a transformação do professor de química no temido Heisenberg foi uma das mais fascinantes em uma série (Record/Divulgao)
Walter White: a transformação do professor de química no temido Heisenberg foi uma das mais fascinantes em uma série


O alcance dessas figuras e das tramas em que estavam envolvidas foi ampliado pela ascensão das redes sociais. Lost, por exemplo, exibido pela emissora ABC entre 2004 e 2010, foi pioneira em ter motivado a criação de sites, fóruns e comunidades para discutir os mistérios da ilha.

Essa fórmula — histórias complexas e desenvolvidas com paciência + grandes personagens e atores + redes sociais —  parece demonstrar o caminho que a tevê seguirá pelos próximos anos.

COMENTÁRIOS

Os comentários são de responsabilidade exclusiva dos autores.

CINEMA

TODOS OS FILMES [+]

BARES E RESTAURANTES

EVENTOS






OK