Brasília-DF,
23/SET/2017

Boas vindas propõe que a chegada dos bebês ao mundo pelo ponto de vista dos pais

Na oitava temporada, programa traz o registro dos papais no momento do nascimento dos filhos

Diminuir Fonte Aumentar Fonte Imprimir Corrigir Notícia Enviar
Rebeca Oliveira Publicação:09/08/2015 06:03Atualização:07/08/2015 16:35
Lágrimas garantidas: oitava temporada de Boas vindas será focada nos pais
 (GNT/Divulgação)
Lágrimas garantidas: oitava temporada de Boas vindas será focada nos pais

A chegada de um bebê é sempre um momento de encantamento, mas também uma fase repleta de desafios e, algumas vezes, de histórias de superação. Na oitava temporada, o reality Boas vindas acompanha famílias dos últimos dias de gestação à distribuição de lembrancinhas na maternidade. No entanto, sob uma ótica que ainda não havia explorado: a dos pais.

No episódio de estreia, as atenções se voltam para Max e Diogo, que se tornam pais de Vitor e Felipe, respectivamente. Professor de arte de 34 anos, Max é pai de Viviane, de 18 anos. Um mês depois do nascimento da primeira filha, Max perdeu o pai.

A morte precoce do patriarca, somado a batalhas judiciais com a mãe de Viviane, acaba por os afastarem. Por isso, a vinda do segundo filho é tão significativa para o docente. Para agravar, a atual esposa, Natasha, descobriu aos 15 anos que não tinha útero. O casal recorreu à irmã de Natasha para gestar o bebê, em procedimento conhecido tecnicamente como útero em substituição.

Simultaneamente, a história de Diogo também ocupa as telas. O instrumentador cirúrgico de 28 anos foi morador de rua quando criança. Passou por orfanatos e, desde cedo, alimentava o desejo de ter uma família. Sonho que se concretiza no relacionamento com Dani, a esposa, que tem dois filhos do casamento anterior.

A obstinação de Diogo em ser pai comprova que o desejo de gerar uma nova vida não é um sentimento exclusivamente feminino. A quebra de estigmas e de estereótipos é o que motiva a nova fase do programa, que, em estilo documentário, recolhe depoimentos de familiares e de amigos próximos aos casais.

No segundo episódio, que vai ao ar na próxima sexta, os pais em foco são Rodrigo — abandonado quando criança e criado pela avó — e Davis, que, após anos tentando ter filhos, aguarda a chega de Dom. Ao mesmo tempo em que descobre a gravidez da mulher, Davis fica sabendo que o pai dele sofre de uma grave doença. A estética é sutil e o resultado, como nas outras temporadas, é tocante.

Parto humanizado
A recomendação da Organização Mundial da Saúde é que cerca de 15% dos partos sejam cesáreas. No Brasil, o índice chega a uma média de 55%, a maior taxa do planeta (na rede privada, a taxa chega a alarmantes 82%). Boas vindas enfrenta a questão e trará também o enfoque sobre partos humanizados, realizados em casa e sem intervenções cirúrgicas desnecessárias. Acompanhados de perto pelos pais, os nascimentos ganham novo significado para toda a família.

Um bebê por minuto
Exibido no Discovery Home & Health, a atração acompanha os dramas de dentro da maternidade. A perspectiva analisada se reveza entre o olhar dos pais e dos funcionários dos hospitais. O objetivo é apresentar informações detalhadas sobre a realidade do nascimento de um bebê.

A hora do parto
Outras produções também lançam luz sobre o delicado momento de dar a luz, como o filme O renascimento do parto, documentário lançado em 2013 que traz relatos de especialistas sobre a atual realidade obstétrica brasileira e mundial.

Boas vindas
Sexta, às 22h, no GNT.

COMENTÁRIOS

Os comentários são de responsabilidade exclusiva dos autores.

CINEMA

TODOS OS FILMES [+]

BARES E RESTAURANTES

EVENTOS






OK