Brasília-DF,
23/SET/2017

Canal A&E traz reality show emocionante para a tevê brasileira

Minha vida com síndrome de Down mostra a rotina, os sonhos e os planos de sete amigos que têm a doença

Diminuir Fonte Aumentar Fonte Imprimir Corrigir Notícia Enviar
Publicação:08/05/2016 07:00Atualização:09/05/2016 09:01

A amizade de jovens entre 21 e 32 anos é o foco do reality show apresentado  no A&E (Canal A&E/Divulgação)
A amizade de jovens entre 21 e 32 anos é o foco do reality show apresentado no A&E


Como é viver com síndrome de Down? Essa é a grande pergunta que o novo reality show da A&E pretender trazer para o público. Minha vida com síndrome de Down, que estreou na última semana, mostra os desafios que as pessoas com a síndrome enfrentam na sociedade.


A produção acompanha a história de sete jovens amigos adultos, que têm síndrome de Down e moram com as famílias no sul da Califórnia. Ao longo da série, os protagonistas mostram paixões e sonhos, com foco na amizade, nas relações amorosas e na vida profissional, enquanto desafiam todas as expectativas da sociedade. O reality é dos mesmos produtores de Keeping up with the Kardashians e The real world.

A série promete encantar o público mostrando o dia a dia dos sete personagens principais. São eles Rachel, 32 anos, que trabalha em uma companhia de seguros e sonha em se casar; Sean, 21 anos, excelente jogador de golfe; John, 28 anos, apaixonado por rap; Steven, 24 anos, aficionado pelo cinema que trabalha lavando pratos em um estádio de beisebol; Cristina, 25 anos, doce e compassiva jovem que trabalha em uma escola secundária e ama o noivo com quem mantém uma relação há mais de quatro anos; Megan, 22 anos, empreendedora de moda que criou uma marca de roupas e ainda quer concretizar o sonho de ser produtora de cinema; e, por último, Elena, 28 anos, grande cozinheira que abraça a vida e gosta de dançar e escrever poesia.

O diferencial do programa é que, acompanhando a rotina dos personagens, pretende que o espectador perceba que eles têm grandes sonhos. Além disso, a produção também compartilha o ponto de vista dos pais, mostrando o significado de seus filhos em suas vidas, as alegrias que dão à família, e tudo o que eles enfrentam para poder ajudá-los a ter uma vida o mais independente possível.

Mariano Sanz, pai de Cristina, explica que o programa ajudou muito a filha e que tem muito a ensinar a todos. “A Cristina depois de participar do programa tem mais confiança nela mesma e a gente aprende muito com ela. Minha filha não atribui as dificuldades que ela passa à síndrome. Para ela é somente uma questão de aparência física — tudo que ela quer fazer ela faz, não tem nenhum medo”, conta ao Correio.

“É como embarcar em uma grande viagem, você pensa que um futuro muito triste te espera e olha só onde estamos, em um programa de tevê! É importante entender que, apesar das diferenças, eles levam vidas normais, com felicidades e tristezas”, conclui.

Serviço

Minha vida com síndrome de down
Canal A&E. Segunda-feira, às 21h35

COMENTÁRIOS

Os comentários são de responsabilidade exclusiva dos autores.

CINEMA

TODOS OS FILMES [+]

BARES E RESTAURANTES

EVENTOS






OK