Brasília-DF,
10/DEZ/2017

Tereza Batista saiu da literatura para a televisão com ares de superprodução

Baseada no texto de Jorge Amado, a minissérie foi exibida pela Globo em 1992 e marcou a estreia de Patrícia França

Diminuir Fonte Aumentar Fonte Imprimir Corrigir Notícia Enviar
Vinicius Nader Publicação:31/07/2016 07:00Atualização:29/07/2016 18:59
Personagens de Patrícia França e Humberto Martins terminaram a minissérie juntos (Arquivo/TV Globo)
Personagens de Patrícia França e Humberto Martins terminaram a minissérie juntos

A relação entre o escritor Jorge Amado e a teledramaturgia brasileira é estreita. Várias foram as obras dele adaptadas para folhetins como Gabriela (1975 e 2012, as duas na Globo), Tocaia grande (1995, na Manchete), Tieta (1989, na Globo) e muitas outras. Em 1992, foi a vez de as páginas do livro Tereza Batista cansada de guerra ganharem as telas na minissérie Tereza Batista, exibida pela Globo em 28 capítulos, entre 7 de abril e 22 de maio.
 
Com texto de Vicente Sesso e direção de Paulo Afonso Grisolli, a minissérie marcou a estreia de Patrícia França, aos 19 anos. E a estreia foi com pé direito: era dela a responsabilidade de viver a personagem-título, que tem a vida acompanhada dos 13 aos 27 anos na atração. Além da força da personagem, Patrícia teve que enfrentar ousadas cenas sensuais, que chamaram a atenção à época e alçaram a condição de símbolo sexual.
 
A vida da menina não tem nada de fácil: no início da trama ela é vendida para o capitão Justo (Herson Capri), conhecido por maltratar e violentar as meninas que compra. Tereza se diferencia das outras meninas de Justo por dois motivos: ela enfrentava o capitão e sabia ler e escrever. Por causa disso, acabou trabalhando no balcão do armazém de Justo. É lá que ela conhece e se apaixona por Daniel (Hugo Gross, também em início de carreira). O amor entre eles acaba despertando ciúmes no capitão, que ameaça Daniel. Revoltada, Tereza mata Justo e acaba presa. O amor vira decepção quando Daniel nega a participação no crime.

Depois de sair da cadeia, Tereza se casa com o coronel Emiliano (Jorge Dória), mas ele logo morre de um mal súbito e a deixa pobre e sem ter como ganhar dinheiro. A solução encontrada é se prostituir no bordel de Veneranda (Zilka Sallaberry). Ali, ela reencontra um amor do passado: o pescador Januário Jereba (Humberto Martins). O problema é que ele está casado e não quer se separar. Mais uma vez desiludida, Tereza se muda de Cajazeiras para Salvador e se torna cantora de cabarés.
 
Pensando que Jereba está morto em um acidente entre barcos, Tereza acaba aceitando se casar com Almério das Neves (Stepan Nercessian), mesmo sem estar apaixonada por ele. No dia do casamento, já vestida de noiva, Tereza vê Jereba na igreja, e foge com ele para uma ilha deserta.
 
Para quem gosta de rever novelas, a Globo acaba de lançar Tereza Batista em DVD. São três discos nos quais estão todos os capítulos e mais extras, com entrevistas e erros de gravação.
 
 
 
Curiosidades

Cantora
A trilha sonora de Tereza Batista guarda uma surpresa para os fãs. Em meio a medalhões como Nana Caymmi (Deixa ficar), Fagner (Versos de bolero) e Ney Matogrosso (Mal-me-quer), Patrícia França solta a voz em Pra ficar no ponto.

Superprodução
Tereza Batista marcou época na Globo. Segundo o site Memória Globo, até então a emissora nunca havia feito uma trama tão grandiosa. Foram mais de 160 atores e centenas de figurantes. Além disso, houve locações em Laranjeiras, Santo Amaro, São Cristóvão, Aracaju, Ilha do Coqueiro (SE) e Salvador.

Exportação
Angola, Portugal, França e Rússia foram alguns dos países que compraram os direitos de transmissão da minissérie.


COMENTÁRIOS

Os comentários são de responsabilidade exclusiva dos autores.

CINEMA

TODOS OS FILMES [+]

BARES E RESTAURANTES

EVENTOS






OK