Brasília-DF,
19/FEV/2018

Nação Zumbi e Dead Fish são as principais atrações do Pílulas Porão do Rock

O evento vai movimentar o Espaço Cultural do Minas Tênis Clube

Diminuir Fonte Aumentar Fonte Imprimir Corrigir Notícia Enviar
Publicação:03/04/2015 08:00

Nação Zumbi fará uma retrospectiva da carreira no show deste sábado
 (Vitor Salermo/Divulgação)
Nação Zumbi fará uma retrospectiva da carreira no show deste sábado

O projeto Pílulas Porão do Rock, que teve início em 2007 e se estendeu até 2010, está de volta. Nesta 11ª primeira edição, cinco bandas irão se apresentar no Espaço Cultural do Minas Brasília Tênis Clube, sendo três do Distrito Federal. O line-up fica por conta de nomes de peso, como Nação Zumbi (PE) e Dead Fish (ES) e conta também com a presença de três bandas de Brasília: Na Lata, Trampa e DFC.

“Brasília é um ponto obrigatório de parada. Desde 1994, no início, até hoje, fizemos shows memoráveis. Com o Chico Science, com bandas queridas que tocaram com a gente, como Natiruts e Little Quail. Fico muito satisfeito de voltar à cidade”, afirma Lúcio Maia, guitarrista da Nação Zumbi.

O grupo pernambucano comemora a retomada do formato Pílulas e promete um repertório diverso, com músicas que vão desde os tempos de Chico, com canções antigas, até chegar ao disco mais recente da banda, Cicatriz (2014). “O Porão é um festival, acabamos nos encaixando no horário e tempo de cada grupo. No Pílulas, teremos mais tempo”, explica.

Duas perguntas para Rodrigo Lima, vocalista do Dead Fish

O Deadfish tende a provocar reflexões quanto a temas ditos polêmicos, como machismo, homofobia e extremismo religioso?


Tudo é política. Acredito que a música e a arte no geral têm que ter este papel de mover, de lançar as ideias, de ser progressista e de não se encarar de forma utilitarista como as pessoas atualmente acham que é.

Qual é a sua visão sobre a  disponibilidade de locais para shows em termos de estrutura, agenda e incentivo?

Falta muita coisa para o Brasil se estruturar como um cenário. Apesar de ele existir heroicamente há mais de 30 anos. Precisamos de mais selos, de mais intercâmbio, de mais produtores honestos e inteligentes. Se em dois anos cada capital do país tivesse duas casas de médio porte, uma rádio de rock e um bom produtor local, tudo seria muito diferente. Temos um baita potencial na mão, não só para cultura rock ou punk, mas para muitos estilos musicais. Não é um país democrático nem para cultura, nem para música, nem para arte.

Pílulas Porão do Rock

Espaço Cultural do Minas Brasília Tênis Clube (Setor de Clubes Norte). Amanhã, às 20h. Ingressos: R$ 20 antecipado, à venda nas lojas Chilli Beans (ParkShopping, Brasília Shopping e Conjunto Nacional), Abriu pro Rock (Gama Shopping, Pátio Brasil e Valparaíso Shopping) e Porão Rockwear (Taguatinga, atrás do Alameda Shopping); R$ 30 na bilheteria no dia do evento, Valores referentes a meia entrada. Doadores de 1kg de alimento não perecível pagam meia-entrada. Não recomendado para menores de 16 anos.
Tags: celular

COMENTÁRIOS

Os comentários são de responsabilidade exclusiva dos autores.

CINEMA

TODOS OS FILMES [+]

BARES E RESTAURANTES