Brasília-DF,
15/JUL/2018

Espetáculo de Gilberto Gawronski mostra as diferentes faces do mal

Em cena, o ator e diretor utiliza recursos audiovisuais para mostrar artisticamente a personalidade controversa de Armin Meiwes

Diminuir Fonte Aumentar Fonte Imprimir Corrigir Notícia Enviar
Alexandre de Paula- Especial para o Correio Publicação:04/03/2016 06:01Atualização:03/03/2016 14:17

Gilberto Gawronski foi buscar inspiração na trágica história de vida de Armin Meiwes (Jorge Etecheber/Divulgação)
Gilberto Gawronski foi buscar inspiração na trágica história de vida de Armin Meiwes
 

Canibal alemão. Assim ficou conhecido Armin Meiwes depois de ser preso, em 2001, por assassinar e comer um homem que havia conhecido pela internet. Tudo registrado em vídeo e, supostamente, com duplo consentimento. Foi a partir desse caso real que o argentino Lautaro Vilo escreveu, em versos, o texto do premiado monólogo Ato de comunhão.

Com direção e atuação de Gilberto Gawronski, o espetáculo busca na infância traumática do protagonista explicações para o crime praticado. Em cena, Gawronski se vale de recursos audiovisuais e tecnológicos para mostrar artisticamente a personalidade controversa do assassino. “A história por si já é muito potente. Tentei buscar uma suavidade ao contar, utilizando a beleza plástica que o teatro possibilita”, conta.

O aniversário de 8 anos, a morte da mãe e o jantar em que se consumou o canibalismo são os pontos de partida do personagem para refletir sobre a vida até aquele ponto. Para Gawronski, a peça é uma oportunidade para tratar de questões como livre-arbítrio e desejo.

“O teatro é um lugar onde a gente não precisa apresentar os personagens como heróis ou santos. O teatro é um advogado do humano e permite essa discussão”, comenta. O monólogo aborda também as contradições do mundo contemporâneo, como a dificuldade em conciliar real e virtual.


Pelo conteúdo forte, Ato de comunhão não é recomendado para menores de 18 anos. “As pessoas se impactam só pela possibilidade narrativa. Não é nada do que é mostrado, é a possibilidade de catarse”, explica o diretor.

SERVIÇO

Ato de comunhão

Monólogo com Gilberto Gawronski. Teatro I do CCBB Brasília. De hoje a domingo, às 20h. Ingresso: R$ 20 (inteira) e R$ 10 (meia). Classificação indicativa: 18 anos.

COMENTÁRIOS

Os comentários são de responsabilidade exclusiva dos autores.

CINEMA

TODOS OS FILMES [+]

BARES E RESTAURANTES