Brasília-DF,
22/OUT/2017

Peça 'Forever young' estreia no Teatro Royal Tulip neste fim de semana

Com Carmo Dalla Vecchia e Vanessa Gerbelli no elenco, musical Forever Young desmistifica a terceira idade

Diminuir Fonte Aumentar Fonte Imprimir Corrigir Notícia Enviar
Rebeca Oliveira Publicação:07/04/2017 06:00Atualização:06/04/2017 17:13

Movimentos foram estudados para que atores interpretassem personagens nonagenários
 (Divulgação / Deca Produções)
Movimentos foram estudados para que atores interpretassem personagens nonagenários
 

Diferentemente da maioria dos musicais que aportam no Brasil, Forever young não é adaptado a partir de um original americano, meca do teatro desse nicho por conta da fervilhante Broadway. Trata-se, na verdade, de um texto escrito pelo suíço Erik Gedeon. O sucesso na Europa fez o espetáculo transcender as fronteiras do continente e chegar ao Brasil —  e a Brasília, em curta temporada —  em versão dirigida por Jarbas Homem de Mello.


O enredo conta de forma divertida a vida de seis atores na terceira idade que vivem juntos no mesmo asilo. Carmo Dalla Vecchia, Vanessa Gerbelli, Claudio Galvan, Marcos Tumura, Marya Bravo e Paula Capovilla interpretam a si mesmo. Entretanto, o texto não é biográfico. O elenco apenas empresta os nomes aos personagens.


“É um texto sensível e que fala da realidade de artistas nonagenários. É um tema esquecido, principalmente em musicais, que tratam geralmente do virtuosismo dos atores. Enquanto eles buscam a melhor performance, as piruetas e os saltos, nós vamos pelo lado contrário”, diz o diretor.


A limitação do movimento e das articulações exigiu preparo de meses. Fazer com que o elenco agisse e se comportasse corporalmente como alguém de 90 anos sem soar caricato foi uma preocupação de Jarbas Homem de Mello. A mensagem é simples: se tudo der certo, todos vamos envelhecer. Sem que a idade signifique um fardo, o elenco abre-se a autoaceitação e ao bom humor. “Envelhecer é um processo difícil, duro, feio, dói, mas pode ser uma grande festa”, emenda.

Pop & rock

No teatro musical, a trilha é item fundamental. Em Forever young, é executada ao vivo com o diretor musical Miguel Briamonte ao piano. O setlist é basicamente pop e roqueiro, em um passeio que engloba artistas e canções de várias décadas, como a faixa que empresa o título à peça, da banda alemã Alphaville.

Serviço
Forever young
Teatro Royal Tulip (SHTN Tr.1, Cj. 1B, Bl. C; 3522-9521). Amanhã, às 21h; e domingo, às 17h e às 20h. Ingressos a R$ 100 (inteira) e R$ 50 (meia-entrada), à venda na Belini (113 Sul) e na Central de Ingressos do Brasília Shopping. Não recomendado para menores de 10 anos.

COMENTÁRIOS

Os comentários são de responsabilidade exclusiva dos autores.

CINEMA

TODOS OS FILMES [+]

BARES E RESTAURANTES