Brasília-DF,
20/NOV/2018

Retrospectiva de Mateus Gandara revela os traços de um bom desenhista

O artista ia dos quadrinhos ao existencialismo

Diminuir Fonte Aumentar Fonte Imprimir Corrigir Notícia Enviar
Nahima Maciel Publicação:03/11/2017 07:00Atualização:03/11/2017 11:46
Projeto D.E.E.P (Diário Erótico Estético Pornográfico) ganha uma sala exclusiva no Museu Nacional da República (Mateus Gandara/Divulgacao)
Projeto D.E.E.P (Diário Erótico Estético Pornográfico) ganha uma sala exclusiva no Museu Nacional da República


Mateus Gandara era um excelente desenhista. A curadora e historiadora de arte Renata Azambuja, que foi professora do artista, sabia disso porque acompanhava os quadrinhos publicados pelo aluno enquanto cursava artes na Universidade de Brasília (UnB). Mas Renata ficou surpresa ao ver como o traço de Gandara se estendia também para séries de desenhos que deixou em dezenas de cadernos. É uma compilação da curta trajetória do artista que a curadora reuniu para a exposição Traço suspenso – Desenhos de Mateus Gandara, em cartaz no Museu Nacional da República.
 
Gandara morreu precocemente, em 2015, aos 28 anos, em consequência de um linfoma. A exposição é uma tentativa da família e do amigo Eduardo Belga de realizar um desejo de Gandarra: levar a obra para uma galeria. O gesto faz de Traço suspenso uma exposição afetiva, com depoimentos de amigos e da família para acompanhar as 110 obras selecionadas.
 
Gandara era conhecido pelos quadrinhos, especialmente Mondo colosso e Split, nos quais os personagens eram protagonistas de histórias ora com cunho autobiográfico, ora inspiradas em relatos ouvidos aqui e ali.
 
Na exposição, há estudos para os personagens e tirinhas originais, além de uma sala reservada ao projeto D.E.E.P (Diário Erótico Estético Pornográfico). Publicado postumamente, o trabalho tem conteúdo erótico e muitos desenhos com pouca narrativa.
 
Renata também incluiu na exposição uma série de desenhos existencialistas que não chegaram a ser publicados e o conjunto Bichos estranhos, com figuras sem identidade própria. “Tentei fazer uma cronologia da vida dele. Ele tinha muitos cadernos e produzia muito”, conta Renata. “Os desenhos são uma grande narrativa, às vezes com personagem, às vezes sobre pessoas que ele conhecia. Ele não terminou o curso, estava começando e era um bom desenhista.”

SERVIÇO
Traço Suspenso – Desenhos de Mateus Gandara
Curadoria: Renata Azambuja. Abertura nesta sexta, às 19h. Visitação até 3 de dezembro, de terça a domingo, das 9h às 18h30, no Museu Nacional (Eixo Monumental).

COMENTÁRIOS

Os comentários são de responsabilidade exclusiva dos autores.

CINEMA

TODOS OS FILMES [+]

BARES E RESTAURANTES