Brasília-DF,
19/AGO/2019

Espetáculo cênico-musical 'O sumiço da pandeirola' é arrepiante e divertido

O grupo Tumba la Catumba apresentam o projeto voltado para a criançada

Diminuir Fonte Aumentar Fonte Imprimir Corrigir Notícia Enviar
Devana Babu* - -- Publicação:17/05/2019 08:53
Quem assistir à peça ganha o primeiro disco da trupe, 'Simbora menino' (Milena Vasconcelos/Divulgação)
Quem assistir à peça ganha o primeiro disco da trupe, 'Simbora menino'

A expressão “monstros do rock” ganha uma nova dimensão com o grupo Tumba la Catumba, sexteto de rock fundado há 10 anos, em Brasília, quando seis músicos e atores fãs de rock’n’roll, tendo se tornado pais e mães, sentiram falta de um projeto do gênero musical voltado para as crianças. A banda traz elementos do universo infantil para o rock e vice-versa.

“Quando a gente começou a tocar, pensamos em brincar com o medo, mas pra desmistificar o medo, fazer uma releitura dos monstros”, conta a atriz e produtora Anna França, que interpreta a personagem Frankstina.

Desde então, Zé Zumbi (bateria), Lobsbom (baixo), Escamoso (guitarra), Elvira (voz e violão), Monstralilica e Frankstina (percussão e backing vocals) tocam o terror em shoppings e eventos infantis do DF e de outros estados, misturando música e elementos cênicos.
 
Neste final de semana, o Tumba la Catumba leva para a Funarte a peça O sumiço da pandeirola, espetáculo cênico-musical arrepiante e repleto de humor. As qualidades cênicas do grupo ganham formato de peça de teatro escrita e dirigida por Miriam Virna, com direção musical de Mateus Ferrari e direção de arte de Maíra Carvalho, convidados especialmente para o projeto.

Na trama, a pandeirola de Frankstina é roubada, e os monstros se aventuram pela mata em busca do instrumento. Eles se deparam com lendas brasileiras, como o Saci Pererê, a Iara e o Boitatá, em forma de teatro de sombras interpretadas por Cristiane Rocha, Fanis Morais e Hyandra Ello. 

A peça volta aos palcos brasilienses com o repertório que acolhe também ritmos como blues, coco, samba, bolero, guitarrada e ciranda. “A gente é uma banda autoral, mas tem algumas músicas de cantiga de roda em ritmo de rock”, explica Anna. A atriz conta que quem comparece aos espetáculos ganha o primeiro CD do grupo, Simbora menino.

*Estagiário sob supervisão de Vinícius Nader

Serviço
Tumba la Catumba e o sumiço da pandeirola

Teatro Plínio Marcos (Funarte, Eixo Monumental, Setor de Divulgação Cultural; 2099-3076). Sábado (18/5), às 18h; domingo, às 15h e às 18h. Ingressos: R$ 20 (inteira) e R$ 10 (meia-entrada). Classificação indicativa livre.

COMENTÁRIOS

Os comentários são de responsabilidade exclusiva dos autores.

CINEMA

TODOS OS FILMES [+]

BARES E RESTAURANTES