Brasília-DF,
15/SET/2019

Artista realiza 'Banho de abdução coletiva na lua cheia' no Córrego do Urubu

Maurício Chades executa a performance e propõe reflexão sobre contato com a natureza

Diminuir Fonte Aumentar Fonte Imprimir Corrigir Notícia Enviar
Nahima Maciel Publicação:14/06/2019 06:00Atualização:13/06/2019 18:47

Artista propõe reflexão sobre contato com a natureza (Janine Moraes/Divulgação)
Artista propõe reflexão sobre contato com a natureza

Nos grandes centros urbanos, as estrelas desaparecem do céu. Devido à intensa iluminação, fica impossível enxergá-las. Isso gera o que o artista Maurício Chades chama de 'dia postiço'. Essa noção é uma das ideias que norteiam a performance Banho de abdução coletiva de lua cheia, que o artista realiza no domingo (16/6) no Córrego do Urubu. O trabalho é a primeira ação do projeto Pirâmide, Urubu, que resultará em mostra programada para o final de julho. É, também, a sequência de uma pesquisa iniciada em 2014 para uma dissertação de mestrado.

 

A partir das 19h30 de domingo, o público poderá se concentrar no Espaço Comunitário D’Urubu. De lá, partirá em direção à cachoeira acompanhado do flautista Fernando Cheflera, que tocará ao vivo. A instalação de Maurício Chades estará montada na cachoeira e consiste em um projetor alojado no topo de um tripé de 5m de altura. De lá sairão imagens em movimento circular projetadas sobre a água, uma videoinstalação que o artista chamou de Led azul descrevendo um cone. 'A ideia é trazer o público para o contexto no qual as obras surgem e experimentar as características do lugar, o céu estrelado, a poeira, o frio, a secura', avisa.

 

Há várias questões propostas e discutidas pelo artista na performance. Uma delas sugere refletir sobre a experiência cinematográfica. Chades lembra que, hoje, o cinema, enquanto espaço físico, perde para o filme, já que o streaming fornece um serviço que mantém o espectador em casa. Outra reflexão traz o contato com a natureza como primordial para a experiência humana. 'Nós somos a primeira geração que cresce sem ter contato direto com o firmamento do céu e isso impacta a gente, crescemos sem ter uma consciência cósmica. Talvez por isso estejamos entrando no século do selfie. A gente quer oferecer uma experiência no escuro', diz o artista. O público também será convidado a interagir com a instalação e a entrar na água.

 

Serviço

Banho de Abdução Coletiva de Lua Cheia

Performance de Maurício Chades. Domingo (16/6). Concentração para o cortejo às 19h30, no Espaço Comunitário D’Urubu (Largo do Araguaia). Acesso livre 

COMENTÁRIOS

Os comentários são de responsabilidade exclusiva dos autores.

CINEMA

TODOS OS FILMES [+]

BARES E RESTAURANTES