Brasília-DF,
19/OUT/2019

Coletivo CoisAzul apresenta espetáculo de dança em Ceilândia

As coreografias são improvisadas com vários puffs

Diminuir Fonte Aumentar Fonte Imprimir Corrigir Notícia Enviar
Roberta Pinheiro Publicação:30/08/2019 06:01Atualização:29/08/2019 18:20

CoisAzul ou Invenções de Mundo é apresentado pelo Coletivo CoisAzul (Thalita Perfeito/Divulgação)
CoisAzul ou Invenções de Mundo é apresentado pelo Coletivo CoisAzul

 

Criando coreografias improvisadas com vários puffs, objeto comum em casas, o Coletivo CoisAzul investiga as relações humanas com os objetos em CoisAzul ou Invenções de Mundo. “É um convite à reflexão sobre as qualidades das nossas ações sobre as coisas; se de fato estamos em uma relação de uso das coisas, em uma relação de serviência; se somos parceiros e responsáveis pelas ações sobre os objetos ao redor, os impactos na sustentabilidade e no ambiente. Se somos coisas, se somos objetos”, explica a diretora e integrante do grupo, Fabiana Marroni. 

 

Os questionamentos surgiram, pela primeira vez, em 2015 em sua tese de doutorado. A partir de então, Fabiana convidou outros dançarinos para pesquisar essas relações. Depois de se apresentar na rua, em centros culturais e na Torre de TV, o coletivo leva o espetáculo, como parte da programação do Cena Contemporânea, para dentro da caixa cênica. “Na rua, as pessoas traziam uma série de elementos composicionais. Agora, é uma experiência de observação. Improvisando coreografias, vamos inventando mundos a cada dia e refletindo sobre a sustentabilidade”, pontua. Como resultados dessa experiência, Fabiana destaca a direção compartilhada em cena e a criação coletiva. “Tentamos trazer para a própria criação do espetáculo essa não-hierarquia. Cada um dos envolvidos mudou a forma de se relacionar com os seus desejos de consumo, de uso e de descarte”, avalia. 

 

As coreografias e os corpos expandidos no palco funcionam como uma narrativa, apesar do espetáculo CoisAzul ou Invenções de Mundo não conter uma dramaturgia tradicional. “Trazemos uma outra perspectiva de dança. O corpo é um lugar de conexão com o teatro. Entender a sua presença, o que ela afeta no outro e como essa afetabilidade gera de mudança”, detalha Fabiana. Além da peça, uma exposição no Espaço Cultural Renato Russo completa a imersão no universo criado pelo grupo. “Ali, as pessoas podem ter as sensações de estar com o puff. Podem emergir na dança, agir, sentir, permanecer e vivenciar o universo que está em cena”, completa a diretora. 

 

Serviço

CoisAzul ou Invenções de Mundo

 

No Teatro SESC Newton Rossi (Ceilândia). Sexta, às 17h e às 20h. Dirigido por Fabiana Marroni com o Coletivo CoisAzul. Ingressos: R$ 40 (inteira) e R$ 20 (meia-entrada). 

 

CoisAzul em Invenções de Mundos (exposição)

 

No Mezanino Central do Espaço Cultural Renato Russo. Até 31 de agosto, das 10h às 20h. 

COMENTÁRIOS

Os comentários são de responsabilidade exclusiva dos autores.

CINEMA

TODOS OS FILMES [+]

BARES E RESTAURANTES