Brasília-DF,
18/SET/2020

Grupo Aguaceiro apresenta peça 'Abatedouro', no Jovem de Expressão

Durantes os seis meses de laboratório, os integrantes conversaram com garotas de programa de Brasília e do Rio de Janeiro para dar vida às personagens

Diminuir Fonte Aumentar Fonte Imprimir Corrigir Notícia Enviar
Roberta Pinheiro Publicação:31/01/2020 06:15Atualização:30/01/2020 21:20
Jovens artistas universitários trazem para o palco a realidade marginalizada das garotas de programa em Abatedouro (Dani Souza/Divulgação)
Jovens artistas universitários trazem para o palco a realidade marginalizada das garotas de programa em Abatedouro

 
Abatedouro é teatro, dança e canto que conta a história de duas garotas de programa: Margarida e Verônica. Em cena, a atriz e produtora Júlia Mendonça interpreta uma dançarina de cabaré e Gui Clevitta, também roteirista, dá vida a uma travesti que toma conta do título das meninas. Em apresentação única, nesta sexta-feira, no Jovem de Expressão, em Ceilândia, o grupo de teatro Aguaceiro expõe uma realidade marginalizada pela sociedade.

O trabalho começou a ser desenvolvido dentro da Universidade de Brasília (UnB) pelos jovens estudantes — Ygor Campos, diretor, cenógrafo e roteirista; Shirley Araújo e Octávio Vilaronga, iluminação; e Dani Souza, fotografia; além de Gui e Júlia. Durante seis meses, os integrantes do grupo conversaram e trocaram experiências com garotas de programa de Brasília e do Rio de Janeiro. Sabendo ou não do intuito da conversa, Júlia destaca a generosidade que as mulheres tiverem com os artistas. “Isso foi muito forte e tentamos trazer para o palco esse local de fala delas”, acrescenta a atriz e produtora.

Esta não é a primeira peça do grupo que lança luz para o que não é visto e não é percebido. O grupo de teatro Aguaceiro trabalha, justamente, a partir do eu social e do eu oprimido. “Acreditamos que o fazer artístico pode ser uma revolução política”, justifica. “Queremos mostrar o lado das garotas de programa que não conseguimos enxergar no dia a dia. Trazer a realidade delas, mostrar o que elas vivem, ouvir o lado delas, o que é velado. Contudo, não de uma maneira vitimizada. Mas, revelando a força que elas têm, a visceralidade delas que é apagada pela sociedade”, finaliza Júlia.

Serviço
Abatedouro
No Jovem de Expressão (EQNM 18/20, Praça do Cidadão, Ceilândia Norte). 
Sexta (31/1), às 19h30. Entrada gratuita.

COMENTÁRIOS

Os comentários são de responsabilidade exclusiva dos autores.

CINEMA

TODOS OS FILMES [+]

BARES E RESTAURANTES