Brasília-DF,
19/OUT/2019

César Lignelli apresenta show cênico-musical 'Debandando nas feiras'

Com 23 instrumentos acoplados ao corpo, o ator se transforma em uma banda, em quatro personagens e no que mais ele quiser

Diminuir Fonte Aumentar Fonte Imprimir Corrigir Notícia Enviar
undefined - Estado de Minas Publicação:26/07/2019 06:01
César Lignelli, com sua parafernália, encarna Debanda: quatro personagens e 23 instrumentos em um único ser (Diego Bressani/Divulgacao)
César Lignelli, com sua parafernália, encarna Debanda: quatro personagens e 23 instrumentos em um único ser


O ator César Lignelli chega neste sábado à feira de São Sebastião com uma parafernália cênico-musical para encerrar a temporada do projeto Debandando nas Feiras. Ao lado da filha Estela, a Debandinha, César encarna a criatura Debanda, um ser híbrido, constituído por quatro personagens e 23 instrumentos musicais acoplados ao corpo do ator em uma maquinaria sem igual.

"O espetáculo é basicamente cantado, e eu tenho quatro personagens. Um deles dá nome ao espetáculo, um narrador meio bufão, meio menestrel, meio bobo da corte que anuncia os outros três", explica o ator. Embora tenham algumas características definidas, esses três outros têm características determinadas na hora pelo público, e se envolvem em um triângulo amoroso.

O quinto elemento do espetáculo é a Debandinha, interpretada por Estela, de 10 anos. "Ela é uma espécie de outra narradora, que me critica, me desafia em cena e desafia a galera a me provocar, também conduzindo o espetáculo", explica César. "É incrível ter um outro tipo de relacionamento, que extrapole essa relação hierárquica entre pai e filha", completa.

No ano passado, Debanda excursionou por 33 espaços públicos do Brasil e da América Latina, a bordo de um motorthome.

Parafernália

A maquinaria musical foi desenvolvida há quatro anos por César, que é professor de artes cênicas na Universidade de Brasília, e mais cinco professores da área.

O maquinário expande a tradição, comum no mundo circense, do one-man-band. Instrumentos como acordeon ou bateria ficam acoplados ao corpo do ator, podendo ser acionados rapidamente. Mas César prefere outro termo: "Não se fala em mulher-banda (one-woman-band). Eu prefiro chamar de ser-banda, porque a gente não separa isso".

*Estagiário sob supervisão de Igor Silveira

Serviço
Debandando nas feiras
Feira Permanente de São Sebastião (Qd. 101 cj. 1). Sábado (27/7), às 11h. Entrada franca. Classificação indicativa livre. 


COMENTÁRIOS

Os comentários são de responsabilidade exclusiva dos autores.

CINEMA

TODOS OS FILMES [+]

BARES E RESTAURANTES