Brasília-DF,
22/JUN/2018

Cena Contemporânea inicia a 14ª edição com notável diversidade de gêneros

Ao todo, 26 espetáculos de teatro e dança ocupam os principais palcos de Brasília e das cidades do Distrito Federal

Diminuir Fonte Aumentar Fonte Imprimir Corrigir Notícia Enviar
Diego Ponce de Leon Publicação:20/08/2013 06:02Atualização:19/08/2013 17:22
O teatro internacional deve provocar as principais discussões do Cena (Objeto Sim-Cena Contemporânea/Divulgação)
O teatro internacional deve provocar as principais discussões do Cena

A diversidade do Cena Contemporânea, a cada ano, parece atingir patamares impensáveis. A 14ª edição, que começa nesta terça-feira (20/8), aparece sem público alvo, sem temática, sem segmentos. Tudo e todos são possíveis. Gêneros, nacionalidades, estilos, de todas as cores e formas.

A primeira vista marca o retorno da atriz Drica Moraes aos palcos  (Nil Caniné/Divulgação)
A primeira vista marca o retorno da atriz Drica Moraes aos palcos
Ao todo, 26 espetáculos de teatro e dança ocupam os principais palcos de Brasília e das cidades do Distrito Federal (são 19 espaços espalhados pelo DF). O leque vai da apresentação da atriz Camila Pitanga à adaptação de textos de Clarice Lispector em francês, com uma variedade de opções entre elas. Manifestações políticas, retratos da vida, poesia… Todos os continentes estão representados: teatro francês, rap australiano, dança sul-coreana, música brasileira.











“O Cena é um acontecimento cultural único no DF, que nos possibilita assistir a uma variedade enorme de espetáculos de nossa cidade, do Brasil e do exterior, num curto período de tempo”, define o veterano Chico Sant’Anna, presença assídua no evento, seja na plateia, seja nos palcos. O ator destaca que nem só de teatro vive o Cena. “O festival oferece oficinas, shows musicais e encontros.”

No decorrer dos próximos 11 dias, Brasília oferece o melhor do panorama cênico e musical mundial. Com um histórico de 18 anos, o Cena Contemporânea atinge a maioridade gozando de plenos poderes. Bela oportunidade para a capital federal refletir sobre a própria cena e discutir rumos do teatro local, como, por exemplo, a falta de política para o segmento, de plateia e de espaços. “Uma chance para nos reciclarmos”, convocou Sant’Anna. Mèrde! Como diziam os franceses ao desejar boa sorte aos atores.

COMENTÁRIOS

Os comentários são de responsabilidade exclusiva dos autores.

CINEMA

TODOS OS FILMES [+]

BARES E RESTAURANTES