Brasília-DF,
20/SET/2017

Atriz de comédia, Cacau Protásio tem ganhado espaço na TV

Após sucesso na tevê aberta, Cacau Protásio rouba a cena em programas de comédia na televisão por assinatura

Diminuir Fonte Aumentar Fonte Imprimir Corrigir Notícia Enviar
Adriana Izel Publicação:13/09/2015 06:06Atualização:11/09/2015 14:19

Cacau Protásio volta ao ar na nova temporada do Vai que cola (Raphael Dias/TV Globo)
Cacau Protásio volta ao ar na nova temporada do Vai que cola
A grande repercussão da atriz Cacau Protásio foi em 2012 quando estreou na novela Avenida Brasil. A personagem dela, a empregada Zezé, era para ser um papel pequeno. Porém, a boa química com Adriana Esteves, que fazia a a patroa Carminha, e os improvisos garantiram mais espaço para a carioca na novela.

“Ninguém sabia no que ia dar. A Zezé era os dois braços da Carminha. Se não desse liga, eles me tirarariam do ar”, conta ao Correio.

Apesar de o sucesso ter sido no folhetim de João Emanuel Carneiro, Cacau começou a carreira na fazendo pequenas pontas. A primeira foi em O clone (2002). Um papel maior apareceu só em 2010 no remake de Ti-ti-ti. “As coisas foram acontecendo aos poucos para mim. Antes de Avenida Brasil, eu fiz Ti-ti-ti, mas ninguém lembra. E tudo bem”, diz, rindo.

Atualmente, Cacau se destaca em tramas de humor da televisão por assinatura. Por duas temporadas, ela esteve à frente da série Trair e coçar é só começar, do Multishow, adaptação da peça que conta a história da atrapalhada empregada Olímpia.

“(Marcos) Caruso foi remontar uma peça comemorativa, mas acabou me chamando para fazer a Olímpia. Fiquei feliz e, ao mesmo tempo, com vontade de sair correndo porque feras fizeram o papel antes de mim”, relembra.

A partir de 19 de outubro, a atriz volta a interpretar outro dos papéis mais importantes da carreira: a Terezinha do humorístico Vai que cola, também do Multishow. Esta será a terceira temporada do programa, que também ganhará, em breve, uma versão cinematográfica. “A Terezinha é uma personagem bem escrachada. Com o tempo, a gente foi tendo mais propriedade da história. Muita coisa mudou, mas a essência é a mesma”, define a atriz.

Experiência na televisão


Antes de conseguir um papel fixo na tevê, fez pequenas participações em tramas como O clone (2002), A grande família (2003), Os aspones (2005), Páginas da vida e Linha direta (2006), A diarista (2007) e Malhação (2009). De 2013 a 2014, atuou como a personagem Lindinha da novela Joia rara, além de Avenida Brasil (foto) e Ti-ti-ti.

Carreira


Cacau Protásio chegou a estudar pedagogia, mas acabou largando o curso e se formou como atriz pela Casa de Arte das Laranjeiras. O início da carreira foi no teatro em peças como É por isso que todo adulto é neurótico e Viva l’amour.

Vida pessoal

 (Raphael Dias/TV Globo)


A artista costuma ser bastante discreta em relação à vida pessoal. Mas, neste ano, se tornou notícia ao se casar com o fotógrafo Janderson Pires em cerimônia em uma casa de festas no Alto da Boa Vista, no Rio de Janeiro, para 400 convidados. A atriz anunciou o casamento pelas redes sociais com uma montagem.

Três perguntas

O que te levou a largar o curso de pedagogia e estudar teatro?

Quando eu estava em uma aula de psicologia tinha várias mães falando dos problemas de seus filhos e eu era única sem filhos. Então me deu uma vontade de sair correndo dali e foi o que eu fiz. Mas, antes disso, eu quis ser bailarina e bombeira. Mas, na época, não existia dançarina gorda. Eu ficava assistindo a tevê e pensando: “um dia eu vou estar aí”.

Em Avenida Brasil e em Trair e coçar é só começar você interpreta empregadas. Você se incomoda com isso e tem medo de ficar estigmatizada no papel?

Não tenho medo disso. Acho que há como fazer milhares de empregados e fazer sempre diferente. Você vai criando os trejeitos do personagem e vai dando uma mudada.

Em dezembro estreia o Vai que cola no cinema, o que você pode contar da história?

Só que a família vai ficar rica. Você imagina o pobre que é pobre na segunda e fica rico na terça. Os gostos, as roupas, o cenário é tudo mais apimentado, muito mais rico e chocante. Foi bom que a gente foi pra rua, pra praia e pro shopping. Eu fui em baile funk. Eu sentia falta de sair do set de gravação.

COMENTÁRIOS

Os comentários são de responsabilidade exclusiva dos autores.

CINEMA

TODOS OS FILMES [+]

BARES E RESTAURANTES

EVENTOS






OK