Brasília-DF,
20/SET/2017

Cultivadas em vários países, vinhas se desenvolvem de diversas maneiras

O sommelier Nuno Pereira acredita que a principal uva argentina, a malbec, se adaptou melhor ao plantio nos pampas do que na terra de origem

Diminuir Fonte Aumentar Fonte Imprimir Corrigir Notícia Enviar
Mariana Vieira - Especial para o Correio Rebeca Oliveira Vinicius Nader Publicação:25/10/2013 06:11

Nuno Pereira, da 21 Wine Store, diz que os vinhos latino-americanos ganharam Portugal
 (Gilberto Evangelista/Divulgação)
Nuno Pereira, da 21 Wine Store, diz que os vinhos latino-americanos ganharam Portugal

O que o vinho tem de mais interessante? Uma resposta possível seria a sua imensa variedade. Vinhas são cultivadas em centenas de países e, mesmo que sejam da mesma casta, desenvolvem-se de maneira diversa em cada solo e dão origem a vinhos com características únicas.


Algumas regiões são mais bem-sucedidas nesse cultivo e mantiveram, durante muito tempo, a hegemonia como referência. Os vinhos do Novo Mundo são os produzidos na África do Sul, Austrália, Nova Zelândia, EUA, Chile, Argentina, México, Uruguai e Brasil. “O mercado brasileiro consome 70% dos vinhos do Novo Mundo, principalmente da América Latina”, aponta o sommelier Nuno Pereira, da loja 21 Wine Store. Português, Nuno admite que os vinhos da região estão melhores: “Hoje você já encontra vinhos argentinos e uruguaios à venda em Portugal. Isso seria impensável alguns anos atrás”.


Ele acredita que a principal uva argentina, a malbec, se adaptou melhor ao plantio nos pampas do que na terra de origem, a França. “Hoje a Argentina tem uma produção que impressiona.” Uma recomendação do sommelier é o Angelica Zapata (R$ 150), da  Catena Zapata, “encorpado e com equilíbrio nos taninos”.

Tags: vinhas celular

COMENTÁRIOS

Os comentários são de responsabilidade exclusiva dos autores.

BARES E RESTAURANTES

CINEMA

TODOS OS FILMES [+]

EVENTOS






OK