Brasília-DF,
20/OUT/2017

E viva o eterno professor Raimundo

Com seu humor contagiante, Chico Anysio trouxe mais que boas risadas, ele nos trouxe uma lição de humor e de amor

Diminuir Fonte Aumentar Fonte Imprimir Corrigir Notícia Enviar
Vinicius Nader Publicação:29/11/2015 06:00Atualização:27/11/2015 11:30

 (João Miguel Júnior/Divulgação)

Chico Anysio deve estar orgulhoso de seus pupilos. Não, caro leitor. Não me refiro apenas ao Professor Raimundo, mas, também, ao grande mestre que foi Chico. É dele o mérito não só da criação dos personagens que reviveram na nova Escolinha do Professor Raimundo, programa humorístico exibido no Viva semana passada. É também na fonte dele que beberam Marcelo Adnet, Fabiana Karla, Dani Calabresa e Bruno Mazzeo, que brilharam no especial.

 

Mais do que uma aula de humor, o programa foi uma justa — e bela — homenagem a Chico e a outros grandes, como Zezé Macedo e Walter d’Ávila. Foi tocante ver que Lucio Mauro Filho não escondeu a emoção ao interpretar Aldemar Vigário, defendido pelo pai, Lucio Mauro (faz falta na tevê o humorista de 88 anos). E o que dizer de Marcos Caruso esbanjando talento como seu Peru? Que ator! Orlando Drummond, o original, do alto de seus 96 anos, assistiu e aprovou.


Como seria feito por Chico, a essência de cada aluno foi mantida, mas o texto cuidadosamente atualizado. Assuntos como reality shows, programas sociais do governo e crise econômica fizeram parte de inspiradas respostas. É claro que alguém vai dizer que não entendeu a presença de Tati — um dos poucos erros de escalação, aliás, pois Fernanda Souza não segurou o personagem, mesmo tendo um dos textos mais inspirados do remake (Quem também não convenceu foi Otaviano Costa como seu Ptolomeu). Ou que sentiu falta de Paulo Cintura e da portuguesa Manoela. Quem sabe numa segunda temporada? Torcida não falta.


Até lá resta aproveitar reprises no Viva ou aguardar que os cinco episódios sejam reexibidos e mais dois inéditos estreiem na Globo, o que a emissora promete ainda para este ano. Vamos à escola!

Bom exemplo

Pela primeira vez em 20 anos, o principal colégio de Malhação é público. Sem preconceito, os autores mostram que é possível ter educação de qualidade para todos.

Com conteúdo

Nem Jô Soares, nem Danilo Gentili. As melhores entrevistas das noites na tevê aberta têm sido as de Mariana Godoy na Rede TV.! Sem estrelismos, ela deixa o foco no lugar certo: o entrevistado.

Sem espontaneidade

Censuraram a Rainha? O melhor do programa Xuxa Meneghel (Record) era a nova Xuxa, sem papas na língua. A atração não é mais ao vivo. Espero que deixem a apresentadora falar.

COMENTÁRIOS

Os comentários são de responsabilidade exclusiva dos autores.

CINEMA

TODOS OS FILMES [+]

BARES E RESTAURANTES

EVENTOS






OK